Se corujas não fizerem parte do conjunto de seus animais preferidos, vão pelo menos fazer parte do conjunto de seus animais engraçadinhos depois de você ler esta apresentação. É uma das aves mais exóticas do mundo por uma série de razão, existem ainda muitos tipos de corujas. E a razão pela qual você gosta dela – ou vai gostar – é quase sempre inexplicável.

Afinal, algumas espécies delas são tão feias que chegam a ser lindas. Estranho? Contraditório? Não no universo das corujas, pois é o universo da filosofia. Pelo menos no que se refere à simbologia.

Comente na área de mensagens abaixo ou mande por e-mail pra gente com sua curiosidade. Aliás, também em simbologia, a coruja é a representação da curiosidade. Nada mais apropriado, não é mesmo?

Corujas, simbologia fascinante

Os diversos tipos de corujas possuem inúmeras superstições.

Simbologia está associada à cultura de uma comunidade. Então, pode simbolizar eventos dos mais diversos.

Sabedoria e filosofia

Atena, deusa da sabedoria, e também Minerva, sua versão romana, gostavam de corujas; estavam próximas como adorno ou companhia. Dizem as boas línguas que as deusas confabulavam com essas aves sobre problemas. Algo como confissão mesmo, como troca de ideias.

Por outro lado, os antigos sábios gregos usavam as noites para introspecção, meditação, contemplação. Mesmo na atualidade, esses momentos são especiais para todos que pensam na vida. Os hábitos das corujas, sendo noturnos, se encaixam perfeitamente nessa condição.

Além disso, a visão das corujas é eficiente em qualquer ambiente, inclusive na escuridão. Ou seja, conseguem vislumbrar a luz na escuridão, que é o que a sabedoria faz em relação à ignorância.

Daí a passarem a representar sabedoria, filosofia, foi apenas questão de tempo.

Mistério e perspicácia

Tipos de corujas: Os olhos das corujas estão sempre atentos.

Os olhos das corujas são abertos, atentos, perscrutadores; seu comportamento é sutil, discreto. Ou seja, tudo que envolve busca à solução de mistérios e entraves. Muitos investigadores usam a coruja como amuletos.

Mau agouro

Isso é interessante: a fama de agourenta da coruja tem explicação lógica:

  • Elas têm hábitos noturnos, como já conhecido
  • Noite é período de silêncio, ou seja, falta de movimento e de barulho na noite é normal
  • Corujas são atentas, como também é bastante conhecido
  • Portanto, havendo qualquer movimento na noite, ela se manifesta, pois isso é anormal para ela

Desta forma, corujas “denunciam alguma situação anormal” e não exatamente uma “situação de desgraça”.

Bem, então, de onde veio a ideia de que sua presença atrai morte?

Vem do fato de, por séculos, velórios terem sido celebrados nas residências, em especial nas regiões rurais. Pessoas passavam noites inteiras em lamentos. Como as corujas estão acordadas à noite e – novamente – atentas, piam e voam sobre as casas.

Daí a história de atraírem mortes. Em verdade, elas é que são atraídas por mortos.

Elegância

O porte da coruja é sempre altivo; seu peitoral é adiantado, como se seus pulmões estivessem sempre cheios de ar. Seu voo é tranquilo, calmo. Quanto a seu pio, não é estridente.

Elegância, o outro nome das corujas.

Tipos de corujas (Espécies)

São muitos os tipos de corujas.

São muito os tipos de corujas, como a gente comentou acima. Mas aqui, vamos nso concentrar nas mais atraentes e curiosas.

Corujas são do tipo Estrigiformes – aves de rapina (sim, não se espante) caçadoras excelentes, têm porte médio/grande e têm hábitos noturnos.

O número de espécies foi se alterando ao longo dos séculos porque muitas foram descobertas e outras, se extinguindo. Ainda assim, há mais de 200 espécies catalogadas nos compêndios da biodiversidade. Vivem em toda parte do Planeta, exceto nos polos.

Estudiosos costumam classificá-las em dois grupos de tipos de corujas: strigidae e tytonidae. Consideram as primeiras como corujas verdadeiras por uma série de fatores, especialmente porque tem maioridade dos tipos.

As tutonidae apresentam plataforma facial em formato de coração mais evidente e corpo mais delgado.

Tipos de corujas: Coruja Diabo

Maior quantidade nas américas do Sul e Central; olhos vermelhos e plumagem de cores escuras são motivo do nome recebido de populares. É adversária ferrenha: não abandona uma luta e normalmente briga até a morte.

Tipos de corujas: Buraqueira

Tem esse nome porque se abriga em buracos na terra. Ela própria o constrói.

Tipos de corujas: Moura

É encontrada mais na região de Marrocos, norte da África. Vive próximo a pântanos e é bastante dócil.

Tipos de corujas: Bufo-pescadora-de-blakistoni

Nativas do nordeste da China, são consideradas as maiores do mundo – chegam a 80cm de comprimento e 5kg de peso. São predadoras com enorme poder de caça.

E também pescadora. Há registros de captura de salmões com até duas vezes seu próprio peso.

Tipos de corujas no Brasil

São vários os tipos de corujas encontrados no Brasil

Apenas 10% do total de espécies e tipos de corujas vivem no Brasil. A conhecida caburé é uma das menores do Planeta – pesa pouco mais de 120g. Já a jacurutu é considerada de grande porte – mais de 2kg.

São encontradas em muitas regiões por aqui, das caatingas às amazônicas, em florestas fechadas ou campo aberto. Por exemplo, a mocho-dos-banhados e a buraqueira preferem áreas mais amplas e abertas. Aliás, a buraqueira é a mais conhecida e menos sensível às áreas urbanas – “convivem bem com o progresso”, dizem estudiosos. Você pode vê-las em fios de rede elétrica nos campos, em cercas e até em quintais de chácaras e sítios.

Já a coruja-de-igreja vive mais em forros de casas em áreas rurais, tetos de galpões etc. Recebeu esse nome por isso mesmo, mas é tecnicamente conhecida como suindara (ou Tuto Furcata, segundo biólogos).

A corujinha-do-mato é também vista com frequência em terras tupiniquins. Tem hábitos diurnos, mas também pousa próximo à iluminação pública a fim de se abastecer de insetos que buscam luminosidade durante as noites.

A caburé é a mais interessante das corujas brasileiras. Apesar de pequena – menos de 20cm de comprimento -, gosta de pássaros proporcionalmente grandes para seu tamanho.

O interessante nela é a estratégia que a natureza usou em sua aparência. Tem manchas na nuca que parecem olhos, cor mais escura, de forma que seus predadores “pensam” sempre que está de frente para eles.

A Mata Atlântica, em especial a porção mais ao sul, retém o maior número de espécies.

Um dos tipos de corujas mais  especiais: Coruja-Vermelha-de-Madagascar

Tipos de corujas: Coruja Vermelha de Madagascar

Deixamos um subcapítulo específico para a Coruja Vermelha de Madagascar porque, além de belíssima, é a mais rara do mundo. É encontrada somente naquele país, daí sua raridade. Foi vista pela primeira vez no século 19 e redescoberta mais de um século depois.

Está na lista de animais em extinção. Entretanto, não há dados claros sobre a população dessa ave no mundo. Além de ocupação humana em seu habitat, outro motivo para estar na lista é sua semelhança com a coruja-celeiro, o que tornou difícil identificação da condição de extinção.

Sabe-se que pode ter até 30cm de comprimento e pesar mais ou menos meio quilo. Porém, Há poucas informações sobre ela de maneira geral. Seu pio é estridente e mais enérgico que de outras espécies. Aproveitam profundos orifícios em troncos de árvores para construir seus ninhos

Estrutura física das corujas

Há diferenças da estrutura dos diversos tipos de corujas

Visão

Poderosíssima, acuradíssima. Estudos demonstram ser 180% melhor que a humana e é comparável apenas à do falcão. Alcança suas presas, mesmo que de porte físico pequeno, a grandes distâncias. E mesmo na escuridão, como foi dito acima.

Entretanto, convém lembrar que corujas não veem na escuridão total. O que fazem é explorar muito a falta de luz.

Audição

Tanto quanto a visão, a capacidade auditiva das corujas é impressionante. O menor ruído é percebido com facilidade, mesmo em meio a sons mais intensos. É capaz de identificar barulhos de presas específicas.

Penacho

As penas são macias e apresentam serrilhas nas bordas. Isso facilita sobremaneira seu voo e o torna bastante silencioso, o que é utilíssimo em momentos de caça.

Elas trocam de penas entre o verão e inverno a fim de terem sempre plumagem leve por conta da qualidade de voo.

Hábitos e comportamento (etologia)

São aves de rapina e, como tal, solitárias, pois brigam por seus espaços territoriais. As espécies são relativamente discretas. Por serem notívagas, parte dessa discrição se dá por conta da circulação no silêncio da noite.

Durante o período de acasalamento, os machos buscam áreas com grandes possibilidades de construção de ninhos – belo sentido paternal, não?

Isso é interessante: poucos conhecem o lado romântico dos machos. Como admiração e encantamento por eventual noite de prazer, ele oferece uma presa à fêmea.

São territoriais, isto é, brigam para defender suas áreas de comando. São normalmente agressivas nessa defesa em especial nos períodos de reprodução.

Reprodução

O processo de reprodução é por meio de ovos, claro, por ser uma ave. Entretanto, estes são muito mais arredondados que de outras aves. Uma fêmea produz de 3 a 5 ovos por vez, mas demora alguns em todo o trabalho.

As corujas copulam mais particularmente na primavera no Brasil. Entretanto, em outras regiões e dependendo da abundância de presas, o período de reprodução pode durar o ano inteiro.

O ciclo de vida é de mais ou menos 15 anos.

Alimentação

São ecléticas. Consumem desde pequenos insetos, como besouros, a aves grandes, peixes e mamíferos desatentos, como gambás e roedores de médio porte.

É período em que os sons dessas aves são mais constantes. Tanto machos quanto fêmeas procuram chamar a atenção de parceiros a partir de pios específicos.

Isso é interessante: engolem suas presas inteiras. As substâncias de seu estômago consomem o que for benéfico. O restante – penas, ossos, cartilagens duras etc. – são devolvidos pelo bico.

Gosta de observar corujas? Atenção a esses detalhes

Cuidado ao observar os tipos de corujas

A postura e o visual das corujas são carismáticos e atraentes. Não obstante representarem alguma negatividade no imaginário popular, milhões de pessoas ao redor do mundo gostam de observá-las. Lamentavelmente, comportamento de caça por parte dos humanos é um dos fatores que anda dizimando a população dessas aves.

Mas, sendo você um ser civilizado, certamente vai apenas contemplar esses seres magníficos da natureza. Porém, são necessárias algumas precauções e estratégias para isso, veja:

  • Você vai precisar mais de seus ouvidos que de seus olhos, pois elas são vistas mais à noite;
  • Você vai precisar de algum equipamento com uma gravação de sons para atrair aves;
  • Estude o comportamento da espécie que gostaria de observar. Como dito acima, algumas preferem florestas enquanto outras buscam áreas mais abertas;
  • Escolha as primeiras horas após o crepúsculo e nas últimas antes do raiar do dia;
  • Ao encontrar o local devido, aguarde vários minutos em silêncio;
  • Não tendo resposta imediata, reproduza o som por um minuto e meio no máximo e aguarde mais 05 minutos;
  • Noites sem ventos são ideais;
  • Atenção à intensidade do volume;
  • Use vestimentas que camuflem a mata;
  • Caso seja inexperiente nessas sessões, convém estar acompanhado por guias;
  • Leve protetor de braços, caso uma coruja resolva pousar neles, estarão protegidos das garras afiadas.

Claro que o universo das corujas contém informações e curiosidades para compor um livro inteiro. Então, querendo saber mais alguma coisa, deixe nos comentários.

Por Serg Smigg

Serg Smigg é jornalista, redator, revisor e analista textual, além de roteirista e escritor. Extremo defensor das causas animais, cria seus textos apresentando conceitos claros sobre a importância desses para a humanidade e caminhos para sejam cada vez mais respeitados. A paralelo, ministra palestras inspiracionais corporativas na área de comunicação interna, externa e interpessoal social. Oferece dicas de gramática e expressividade em seu site smiggcomcorp.wordpress.com.

Deixe uma resposta