Menu fechado

Tartarugas e suas curiosidades fascinantes

tartarugas

Leia este artigo com toda paciência do mundo, o mais devagar possível, pois ele trata de tartarugas. Coloque-se em câmera lenta, deite-se numa rede, espreguice. Você vai entrar no lentíssimo mundo das tartarugas, considerados os animais mais tranquilos do Planeta proporcionalmente a seu tamanho. Bem, isso apesar das “Tartarugas Ninja”.

Porém, esse mundo não é curiosidade apenas pela morosidade – chegam a míseros menos de 5km/h. Há curiosidades com as quais você vai se surpreender. O comportamento desse bichinho marcha-lenta intriga até mesmo quem já o conhece. Para que você tenha uma ideia, esses bichinhos interessantes datam de mais de 200 milhões de anos e já foram literalmente pro espaço.

Sim, são do tempo dos dinossauros do período Carbonífero. Podem não ser parentes próximos, mas estavam lá, vendo aqueles monstros enormes brigando por comida e território, tentando dominar o mundo e, depois, sendo dizimados. E a tartaruga assistindo a tudo de camarote.

Antes, uma sugestãozinha: depois de ler este artigo, leia a fábula “O Abridor de Latas”, de Millôr Fernandes, nosso mais irrequieto e irônico cronista. É uma versão muito bem pensada da história de um piquenique que uma família de tartarugas resolveu fazer. Assim, você completa o clima deste nosso artigo.

Veja: elas já foram até mesmo pro espaço. Sim, os russos fizeram isso em 1968. Enviaram um par de tartarugas dentro da sonda Zond 5, juntamente com outros seres vivos, com objetivos de pesquisas diversas. Contudo, tranquilize-se: os dois espécimes voltaram sãos e salvos.

Mas não é apenas no mundo da Biologia que as tartarugas impressionam. Veja no último capítulo deste artigo como esse ser forte auxilia no desenvolvimento mental do ser humano.

Importante: a criação de tartarugas é fiscalizada e regulada pelo Ibama. Assim, se você pretende ter uma como animal de estimação, adquira em pet shop credenciado e obtenha nota fiscal da compra. Além de ajudar na fiscalização, você também vai ajudar na manutenção da espécie.

As versáteis tartarugas

As tartarugas são animais incríveis e resistentes.
As tartarugas são animais incríveis e resistentes.

Elas são herbívoras ou carnívoras. Elas vivem no calor intenso ou no frio cortante. Elas estão no mar ou na Terra. (Se considerarmos as “Tartarugas Ninja”, no ar também). Elas são gigantescas ou pequenas. Têm vários formatos., tanto que confundem os menos avisados: jabuti, cágado ou tartaruga?

Porém, todas são classificadas como Testudines na nomeação científica. A confusão na nomenclatura é antiga. Entretanto, é possível compreender a partir da seguinte sequência de ideias.

  • Quelônio é nome identificador do grupo de répteis que apresentam estrutura óssea no dorso. Os jacarés pertencem a esse grupo
  • Os três nomes usados no Brasil se referem ao grupo quelônio, que detém subespécies terrestre, marinha (água salgada) e em fluvial (água doce)

Jabuti

A espécie terrestre é chamada jabuti – tem patas mais engrossadas. Seu casco é mais elevado no dorso. As patas, além de grossas, têm forma de cilindro, de forma que os músculos estejam melhor distribuídos. Em verdade, parecem patas de elefante. Também apresentam unhas nas patas. O que também diferencia o jabuti das outras espécies é seu pescoço. Ele se movimenta mais na vertical

Tartaruga

A espécie marinha é chamada tartaruga propriamente dita – possuem nadadeiras. Assim como os cágados gostam de dois ambientes, a tartaruga aprecia água salgada, mas não tem problemas com água doce. Somente em fase poedeira é que vai a terra. Lá, ocultam seus ovos para eclosão. As patas são apropriadas para passar o maior tempo na água, pois têm aparência de remos. São menores que as outras espécies e seu pescoço tem movimentos mais horizontais

Cágado

A espécie fluvial é chamada cágado – as patas são mais espalmadas. O casco do cágado é menos oval, ou seja, é mais uma plataforma um pouco côncava. Apesar de gostar mais da água doce, também pode se dar bem em terra. As patas contêm placas de pele entre os dedos que são essenciais no movimento quando em água. Via de regra, são carnívoras, apesar de alguns elementos gostarem também de vegetais. A estrutura do pescoço permite movimentos laterais, o que também é um diferencial.

Bem, agora parece que ficou mais fácil, não é mesmo? Este artigo vai falar um pouco sobre todas elas. Vamos lá.

Estrutura geral das tartarugas

As tartarugas são animais milenares.
As tartarugas são animais milenares.

São répteis, como a gente já comentou. A natureza não deu dentes a ela, mas proveu seu esqueleto de proteção eficaz contra predadores, ou seja, o casco dorsal.

A taxonomia – divisão da Biologia que trata da identificação e nomenclatura de todos os seres vivos – nomeia a ordem como Testudines (ou Chelonia). Por sua vez, essa ordem é dividida em duas subordens: Cryptodira e Pleurodira. Ambas compõem 13 famílias e mais de 300 espécies dispostas em 75 gêneros.

Em relação às duas subordens são nomeadas a partir do movimento de pescoço das tartarugas. As primeiras, Cryptodira, movimentam o pescoço de forma retilínea em relação ao corpo; já as segundas o fazem lateralmente.

Estranhamente, a espécie marinha foi deixando de movimentar o pescoço para dentro do casco. Certa linha de especialistas procurou entender o motivo disso. Diz que isso se deu por conta da força contrária da água no interior do caso e da salinidade.

O Casco

Biólogos asseguram que o intrigante casco da tartaruga é, sem verdade, uma adaptação. Porém, não é nada mais que sua caixa torácica alterada para também acomodar a coluna vertebral. É o que dizem os profissionais da Universidade de Michigan.

Eles dividem o casco em carapaça, que é a região de cima, e plastrão, a de baixo. Ambas contêm por volta de 60 ossos, que são cobertos por forte camada de queratina, que é o casco em si. E queratina é o material do qual são feitas as unhas e parte do cabelo humanos.

Tamanho e peso das tartarugas

Uma vez que há os três tipos e todos ainda se dividem em outros ramos, tanto o tamanho quanto o peso são bastante variados. Porém, diz-se que a maior das terrestres é a chamada Tartaruga de Couro. Pode pesar mais de 500kg e passar de 1,5m de comprimento – claro, com a cabeça fora do casco.

A conhecida Tartaruga de Galápago é ainda maior. Há elementos com quase 2m de comprimento. Quanto às de água doce (cágado), o tipo cágado-jacaré bateu recorde com um de seus indivíduos: 80cm de comprimento com mais ou menos 90kg.

Mas há também indivíduos bem menores. É a chamada Tartaruga do Cabo, que não passa de 8cm de comprimento e de 150gr de peso.

Onde estão as tartarugas?

As tartarugas estão por toda parte.
As tartarugas estão por toda parte.

Vivem no mundo inteiro – exceto, certamente, nos polos -, não se importando com climas e intempéries. Também, com um escudo protetor desse tipo, isso fica fácil. Em verdade, o maior perigo que correm atualmente é a bendita ação humana. A gente vai ver mais sobre isso um pouco mais abaixo.

Porém, a esmagadora maioria delas é encontrada na América do Norte e mais ao sul da Ásia. A Europa é região de poucas espécies, talvez 05 ou 06 apenas. As marinhas, isto é, as tartarugas propriamente ditas, são vistas em maior número no chamado “Triângulo dos Corais” – da Indonésia à Malásia e Papua Nova Guiné. Há também muitos exemplares na Califórnia e no Caribe.

Na África, vê-se muitas do tipo Capacete Africano. Interessante é que esse tipo de tartaruga é carnívoro e chega a retirar iscas dos anzóis dos pescadores.

Comportamento, o que você não conhece ainda

As tartarugas são animais lentos e calmos.
As tartarugas são animais lentos e calmos.

Você sabe que elas são lentas. É até possível que já tenha sido comparado a uma em algum momento de moleza, de inatividade. Sabe também que elas se escondem dentro da própria carapaça que a cobre.

Entretanto, há alguns hábitos que possivelmente você não conhece. Veja.

Sem vida social

Elas preferem isolamento, mesmo que em meio a semelhantes. Não há qualquer tipo de interação, exceto em momento de acasalamento, claro. Assim, passam seus momentos se movendo lentamente de um lado para outro à procura de alimentos.

Sem vida social, mas barulhenta

Mas se engana quem imagina que as tartarugas não emitam som, como se pensava também sobre as girafas até pouco tempo atrás. Tartarugas emitem grunhidos, pequenos gritos e até mesmo uivos como os cães. E são, praticamente, de todos os tipos, mas jamais em grande quantidade de decibéis.

Isso ocorre normalmente no acasalamento – aliás, seus gemidos podem até ser comparados aos dos humanos. E também quando se sentem ameaçadas.

Sem vida social nem mesmo com as crias

As mães tartarugas não são tão desnaturadas quanto as focas (abandonam as crias nos primeiros dias) e as hamsters (chegam a comer alguns filhotes). Entretanto, todo o trabalho que as tartarugas têm é simplesmente pôr os ovos nas praias ou margens de rio. Depois disso, simplesmente voltam a suas vidas normais e os filhotes que se virem.

Falando em crias, veja a procriação e longevidade

Todas as espécies nascem de ovos, como todo réptil. Elas vivem muito, como todos sabem. A média é de 80 anos. Porém, as gigantes da Ilhas Galápagos vivem muito mais, por volta de 150 anos. Uma espécime chegou a 183 anos de vida.

Elas se sentem prontas para acasalar em fases variadas de vida justamente por viverem muito. Algumas começam à fase com poucos anos, outras somente por volta dos 50 anos de vida. Algumas espécies machos brigam entre si para conseguir atenção da fêmea. Já outras simplesmente estimulam a fêmea a partir de rituais de acasalamento, que podem ser considerados uma dancinha.

Porém, o ritual é mais ou menos agressivo. Em algumas situações, tanto macho quanto fêmea acabam saindo machucados. Uma vez conquistada a fêmea, eles se envolvem de forma que os cascos se nivelem. Portanto, a reprodução é sexuada.

Na fase poedeira, os tipos marinhos viajam muitos quilômetros para depositar os ovos nas praias. Via de regra, expõem por volta de 100 unidades.

Interessante: o sexo dos filhotes depende da temperatura da areia da praia, no caso dos tipos marinhos. Assim, em determinada praia, a grande maioria dos filhotes pode ser de um ou outro sexo. Ultimamente, com o aquecimento global e consequente aumento de temperatura nas praias, têm nascido muito mais fêmeas. Com certeza, isso tem influenciado negativamente na preservação das espécies.

Cardápio extenso

Se tartarugas frequentassem restaurantes, precisariam de muito tempo para escolher o prato. A maioria delas come de tudo um pouco e um pouco de tudo. Já dissemos acima que há espécie até mesmo carnívora. As chamadas tartarugas almiscaradas (tipo bem pequeno) ingerem moluscos, pequenos peixes, muitos insetos e muitas plantas.

As do tipo cooter (água doce, grandes) se alimentam de vegetais. Já as conhecidas como tartaruga jacaré – são enormes e têm esse nome por conta da bocarra – enganam os peixes com sua língua. Ela se parece com um verme suculento. É capaz de comer até cobras e sapos – surpreenda-se: até mesmo outras tartarugas.

Retrair o pescoço pode não ser ato de proteção

Até pouco tempo, todos imaginavam que a retração do pescoço das tartarugas fosse estratégia defensiva. Ou seja, assim que pressentisse perigo, ela recolheria a cabeça e patas para dentro do corpo.

E isso sempre pareceu lógico e claro não apenas para leigos, mas também para biólogos especialistas. Porém, estudos recentes (2017) podem alterar essa percepção. Retrair o pescoço ode até mesmo significar intenção mais brutal do que simplesmente se esconder.

A revista Scientific Reports divulgou resultado de pesquisa feita em fósseis de tartarugas que viviam na Alemanha. Análise das vértebras denunciou que, em verdade, a retração do pescoço e das pernas era preparação para ataque. Esse comportamento é comparável a um tipo de tartaruga da Amazônia.

A matá-matá, a da Amazônia, se mantém à espreita, imóvel, no fundo dos rios. E ainda se camufla sob folhagens para se ocultar ainda mais. Assim que percebe um incauto peixinho próximo, escancara a boca e dá um bote com o pescoço.

Dessa maneira, captura a presa. O movimento é rápido – aliás, rápido demais para os padrões das tartarugas. O peixinho não tem como escapar. Acontece que as vértebras daqueles fósseis mencionados acima parecem ter tido a mesma mecânica.

Então, aquele jeitinho aparentemente tímido ao se esconder não é assim tão tímido. Teria sido bem predador.

Extinção à vista; e proteção também

Muitas espécies de tartarugas já foram extintas há milhares de anos; muitas das atuais correm risco de extinção. Especialistas calculam que, em pouco menos de 50 anos, as Tartarugas de Arado e as Tartarugas irradiadas já não façam mais parte do nosso mundo animal.

Há mais ou menos 300 espécies de tartarugas. Destas, quase a metade está na lista vermelha da extinção. Os níveis vão de vulneráveis a criticamente ameaçadas.

Entretanto, programas de proteção interessantes têm surtido bons resultados. O Programa Quelônios da Amazônia cria ações para proteger três espécies da região. No início deste ano (2018), anunciou que vai chegar a 80 milhões de filhotes nascidos e criados pelo projeto desde sua implantação em 1979.

É orientado e gerido pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais -Ibama. Acompanha o desenvolvimento de mais de 50 mil fêmeas em 08 estados. Dos milhões de filhotes nascidos por ação do projeto, mais de 3,5 milhões são apenas do tipo Tartarugada-da-Amazônia. Todos nascidos em 2017. 

Por sua vez, Projeto TAMAR tem também chegado a números impressionantes desde quando foi instituído em 1980. É ação conservacionista de iniciativa totalmente brasileira. Obteve reconhecimento mundial com suas estratégias de proteção à tartaruga marinha. Aliás, o próprio nome do instituto é contração dos termos tartaruga marinha.

A tartaruga e o sentido de cognição humana

Esse animal interessante já foi usado em diversas fases do conhecimento (Biologia) e relacionamento humano (Filosofia). A morosidade de seus movimentos e a longevidade de sua existência são constantes motes para discussão filosófica e comportamental.

A fábula de La Fontaine sobre o desafio da lebre à tartaruga para uma corrida é a mais conhecida. Todos sabem o fim dessa história. Porém, há outros pontos muito interessantes sobre esse bichinho professor. Veja como palestrantes e filósofos usufruem da vida das personagens deste artigo.

  • O ato de se retrair representa a capacidade do ser humano de voltar atrás em momentos estratégicos – sabedoria para retornar no momento certo
  • O casco é significativo para a capacidade de resiliência humana: forte e protetor. E sua capacidade de manter em diversos ambientes também é sinal de determinação
  • A lentidão é mesmo a paz e tranquilidade que todo ser humano procura – sempre devagar, mas sem parar jamais
  • A longevidade é representação de esperança no futuro
  • Para os maias, a concavidade do dorso era o mesmo que a abóbada celeste. Daí considerarem as tartarugas como mensageiras dos deuses
  • Os mongóis as têm como expressão de eternidade por conta dos anos de vida que alcançam

Então é isso. Há ainda muito mais a se falar e se aprender sobre esses seres longevos e antiquíssimos. Porém, este artigo se estenderia tanto quanto a própria vida deles.

Porém, se você ainda tiver mais alguma curiosidade ou questão, deixe no espaço de comentários abaixo ou envie mensagens para nossas equipes.

Pergunte ou Responda

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *