Quem que nunca precisou de um remédio para carrapato ou pulga, tendo animais em casa? Por mais cuidado que tomemos às vezes eles entram em contato com outros animais que estão com infestação, ou muitas vezes adquirem no lugar onde tomam banho. Aqui você vai conhecer algumas receitas de remédio para carrapato e pulga caseiro.

Mas nem todos os animais podem usar produtos químicos, e por isso, é necessário recorrer aos remédios feitos em casa. Existem vários casos de animais que tiveram reações graves aos produtos comercializados, alguns indo a óbito. Só devem ser usados com a indicação de um veterinário.

Algumas receitas de remédio para carrapato ou pulga, são de fácil preparo, outras são mais elaboradas. E mesmo sendo caseiras, é sempre bom observar a reação do animal quando usar o produto. Principalmente em filhotes.

Um pouco sobre as pulgas

O remédio para carrapto e pulga é necessário e deve ser prescrito pelo veterinário.

O remédio para carrapto e pulga é necessário e deve ser prescrito pelo veterinário.

Existentes na natureza há pelo menos 60 milhões de anos, as pulgas são pequenos insetos pertencentes à ordem Siphonaptera. Do grego siphos = sifão + áptera = sem asas – e são de cor escura. O fóssil mais antigo foi encontrado em âmbar na costa do mar Báltico e a datação mostrou ter vivido no período terciário.

Então, quando adultas, alimentam-se do sangue dos mamífero. Sendo que algumas fazem das aves seus hospedeiros. Existem mais de 3000 espécies no planeta. E no Brasil foram relacionadas menos de 60 espécies. O que já e suficiente para que cuidemos de nossos bichinho de estimação com remédio para carrapato ou pulga caseiros.

São organizadas em sua sociedade. E uma vez que determinadas espécies usam apenas um mesmo tipo de hospedeiro por toda vida. Se uma pulga usa o mamífero para se alimentar, usará por toda a vida. E se escolher alguma ave, o hospedeiro será sempre a ave.

Já a medida do corpo é de 3 mm e a pele é lisa para facilitar a movimentação entre os pêlos ou penas. Como não têm asas deslocam-se através dos saltos, fazendo delas um dos melhores saltadores do reino animal. São capazes de atingir 18 cm de altura e 33 cm na horizontal. O salto é gerado por uma proteína nas patas traseiras chamada de resilina.

O ciclo de vida das pulgas

O ciclo de vida é dividido em quatro fases: ovo, larva, pupa e imago.

Ovo

A quantidade de ovos depositados vai depender da espécie, podendo variar de duas a várias dúzias. Os ovos podem ser depositados na terra, num substrato, ou diretamente no hospedeiro. Estudos mostraram que hospedeiros mal alimentados são os mais escolhidos pela pulga, pela baixa imunidade.

Larva

Quando saem dos ovos, alimentam-se de matéria orgânica como insetos mortos e fezes. Se o alimento for apenas sangue, apenas 12% terão chance de sobreviver, enquanto com alimentação à base de matéria orgânica, quase todas as larvas amadurecem.

Pupa

É dentro da pupa que a pulga sofre metamorfose para se tornar adulta e isso leva apenas quatro dias. Quando as condições se tornam favoráveis, elas eclodem, sendo a condição principal a presença de um hospedeiro de sangue quente.

Imago

É a fase da reprodução. Uma pulga adulta pode colocar mais de cinco mil ovos durante toda a sua vida, que dependendo das condições pode ser de até um ano e meio. Podem viver vários meses sem comer, e a temperatura ideal para sua vida é entre 21ºC e 30ºC com umidade de 70%.

Sendo assim, perceba que as pulgas são verdadeiros depósitos de pragas. A peste bubônica e o tifo são causados por espécies que habitam hospedeiros como o rato e o mosquito, e que transmitem a eles bactérias que causam as doenças nos seres humanos. A espécie que ataca os cães é a Ctenocephalides canis e o gato é a Ctenocephalides felis.

Por isso é tão importante o uso de remédio para carrapato ou pulga.

Um pouco sobre os carrapatos

Parece que esses incomodam há mais tempo que as pulgas. Estão no planeta há 90 milhões de anos e são mais de 800 espécies. Pelo menos em número de espécie são em menor quantidade, mas causam muitos estragos aos mamíferos.

Pertencente à ordem dos ácaros, os carrapatos são artrópodes. Ou seja, possuem um exoesqueleto rígido e vários pares de pernas, cujo número varia de acordo com a espécie. São hematófagos e o tamanho é a partir de 0,25 cm.

Seu habitat pode ser tanto na cidade como no campo. E se escondem de preferência em arbustos cujos galhos sejam muito próximos uns dos outros, em capins, em madeiras e até mesmo no chão. O clima para ele se desenvolver pode ser úmido ou seco.

Apesar da pouca espessura de sua carapaça, ela é resistente e constituída de quitina, um polissacarídeo insolúvel em água e precursor direto da quitosana, encontrada no exoesqueleto dos artrópodes e de outros animais. Existem três tipos de carrapatos. Os de um, dois e três hospedeiros. Os seus maiores predadores são as galinhas.

Já o ciclo de reprodução é intenso, sendo que se completa em 21 dias e uma única fêmea pode colocar em média 3000 ovos. Os prejuízos que esses ácaros causam são muitos, sendo o pior deles, as doenças que podem chegar a matar se não forem tratadas.

Com tudo isso, não acha que seu bichinho precisa de um remédio para carrapato para se proteger?

Qual o mal que podem causar carrapatos e pulgas?

As doenças transmitidas por pulgas e carrapatos são chamadas zoonoses. São doenças transmitidas dos animais para os seres humanos. E existe uma infinidade de zoonoses, sendo que as mais conhecidas são: raiva, leishmaniose, leptospirose, doença de Chagas, febre amarela, toxoplasmose, dengue e outras tantas.

No caso das pulgas, elas podem transmitir tanto para os cães como para os humanos, o Dipylidium Caninum. Ele é um parasita ingerido pela pulga quando ainda é uma larva. E quando os cães se coçam com a boca, acabam ingerindo o parasita.

Nos cães que engoliram a pulga durante a coceira com a boca, dependendo da quantidade ingerida, é possível ver nas fezes pequenos pontos brancos com formato de arroz. Nesse caso, o remédio para carrapato ou pulga que deve ser dado, é na verdade um vermífugo, que fará o cão eliminar o Dypilidium.

No caso da interação do ser humano com o cão através de contato da boca com o pêlo, é possível que o dono acabe contraindo também o Dypilidium. Por isso, é preciso cuidado ao recolher as fezes do cão infestado para não ser contaminado pelo parasita.

A dermatite alérgica por picada de pulga – a DAP – é a mais comum entre os cães. É chamada de puliciose. Mas, nem por isso é a que menos causa danos. Ao picar o cão a pulga deixa saliva na pele dele, que é o que causa a alergia, podendo chegar à infecção grave dependendo da sensibilidade de cada um.

Existem mais de 3000 espécies de pulgas pelo mundo. Sendo que a espécie mais encontrada em cães é a Ctenocephalidescanis. A DAP serve como porta de entrada para diversas infecções secundárias como a dermatite úmida, seborréia e piodermite.

Já em casos crônicos, é possível ver uma hiperpigmentação no local afetado, e o constante ato de coçar pode causar além de escoriações que podem inflamar, a presença da alopecia, que é a falta de pêlos.Doenças transmitidas pelos carrapatos

Febre maculosa brasileira

Também conhecida como febre negra ou febre do cachorro é transmitida pela bactéria Rickettsia rickettsii. E o carrapato vetor é o Amblyomma cajennense ou carrapato estrela. Outros carrapatos também podem transmitir a doença.

Febre maculosa da montanha

É a mesma doença com a diferença que recebe esse nome por atacar nas montanhas rochosas dos Estados Unidos.

Babesiose

O protozoário que transmite essa doença é a babesia canis que entra no sangue e parasita os glóbulos vermelhos, destruindo-os e multiplicando-se. O carrapato vetor da babesiose é o Rhipicephalus sanguineus. Alguns sinais clínicos são: ligadas à saúde sanguínea, como mucosas (gengiva, olhos e interior dos genitais) amareladas ou pálidas, fraqueza, falta de apetite e abdômen inchado (resultado do aumento do baço, cansaço demasiado ou mesmo a diminuição da atividade, por decorrência da infecção, febre de moderada a alta, urina escura (também pela destruição dos glóbulos vermelhos) e um enorme abatimento.

Erliquiose

A bactéria que ataca os cães é a Erlichia canis e dificilmente ataca os gatos e os seres humanos. E é mais comum durante o verão. O carrapato vetor é o mesmo da babesiose, chamado também de carrapato marrom. Os sinais clínicos são divididos em 3 fases:

  • Fase aguda: Febre, falta de apetite, perda de peso e uma certa tristeza podem surgir entre uma e três semanas após a infecção. O cão pode apresentar também sangramento nasal, urinário, vômitos, manchas avermelhadas na pele e dificuldades respiratórias.
  • Fase subclínica: Pode durar de 6 a 10 semanas. O cachorro não mostra nenhum sintoma clínico, apenas alterações nos exames de sangue. Somente em alguns casos o cão pode apresentar sintomas como inchaço nas patas, perda de apetite, mucosas pálidas, sangramentos, cegueira, etc. Caso o sistema imune do animal não seja capaz de eliminar a bactéria, o animal poderá desenvolver a fase crônica da doença.
  • Fase Crônica: São percebidos mais facilmente como perda de peso, abdômen sensível e dolorido, aumento do baço, do fígado e dos linfonodos, depressão, pequenas hemorragias, edemas nos membros e maior facilidade em adquirir outras infecções. Geralmente o animal apresenta os mesmos sinais da fase aguda, porém atenuados, e com a presença de infecções secundárias tais como pneumonias, diarréias, problemas de pele etc. O animal pode também apresentar sangramentos crônicos devido ao baixo número de plaquetas (células responsáveis pela coagulação do sangue), ou cansaço e apatia devidos à anemia.

Doença de Lyme ou Borreliose

É transmitida pela bactéria Borrelia burgdorferi que pode atacar caninos, bovinos, eqüinos e seres humanos. Já os felinos são mais resistentes ao ataque da bactéria. Essa bactéria é mais comum nos Estados Unidos e na Europa.

Os sintomas das doenças transmitidas pela picada do carrapato são muito parecidos. Os sinais clínicos são:

  • Febre, vômitos, dor abdominal;
  • Anorexia, letargia (sonolência exagerada), perda de peso;
  • Inflamação de diversas articulações;
  • Há relatos de aborto em caso de cadelas prenhez.

Então apenas o veterinário munido do resultado dos exames de sangue e da sorologia através do teste de ELISA, pode determinar o tipo de tratamento. O que seria nesse caso o remédio para carrapato ideal.

Mas em geral, são usados antibióticos e antiinflamatórios e o tratamento pode ser longo dependendo do estado geral do cão.

Remédio caseiro ou convencional para evitar pulga e carrapato?

A prevenção vai depender tanto da reação do cão aos remédios convencionais, os vendidos nos pet shops, como da decisão do tutor em querer usar estes ou remédio para carrapato ou pulga naturais. Podendo ser homeopáticos, fitoterápicos ou feitos em casa. Já no caso dos filhotes, muitas vezes é preferível usar os mais naturais que são menos agressivos.

E existem muitos casos de animais que chegaram a óbito por causa dos pesticidas vendidos nos pet shops. Por isso, o mais indicado é consultar o veterinário antes de usar no cão.

Mas, para quem preferir usar remédio para carrapato ou pulga caseiro, aqui vão algumas receitas.

Receitas caseiras de remédio para carrapato ou pulga

Para extrair o carrapato do corpo do cão, você pode usar uma pinça e puxar com cuidado para que saia inteiro. A cabeça do carrapato não pode ficar dentro da pele. E nunca use álcool, éter ou outro produto na esperança de fazer com que o carrapato se sinta sufocado e se solte da pele. Pois isso pode fazer com que ele libere mais saliva infectada.

Assim, uma receita caseira de remédio para carrapato, é a camomila. Através de infusão pode ser passada no corpo do animal agindo como repelente natural. A citronela é outro produto caseiro, que pode ser comprado o extrato e diluído em água. Para cada litro podem ser adicionadas 07 gotas do extrato.

Então use sempre um borrifador de plantas para aplicar os produtos. As plantas cítricas também são uma boa opção de remédio para carrapato ou pulga na prevenção das picadas.

Portanto, para preparar o remédio, ferva duas xícaras de água e adicione dois limões cortados pela metade. Baixe o fogo e deixe durante uma hora para o repelente ficar reforçado. Deixe esfriar, tire os limões e introduza o líquido no pulverizador. Aplique sobre o corpo do seu cachorro tendo cuidado para não o aplicar nos olhos.

Existem também alguns produtos em forma de óleo e que funcionam como um bom repelente para ser usado. E valem como remédio para carrapato ou pulga.

E podem ser feitos em casa ou encontrados em lojas de produtos naturais, o que causa menos trabalho.

Também há um óleo que vem sendo muito utilizado, como remédio para carrapato ou pulga é o de Neem. Trata-se de uma planta largamente difundida no sul da Ásia e muito usada para produção de madeira e fins medicinais.

É uma planta amarga que causa horror aos carrapatos e pulgas. Para usar no cão é só diluir três gotas em um litro de água e borrifar abrindo bem o pêlo para que se fixe na pele.

No caso de optar pelos óleos, os naturais são mais indicados que os essenciais. Isso porque não perdem suas características naturais e são mais leves e de aroma mais suave.

Então é isso! Como diz o velho e bom ditado, prevenir é bem melhor do que remediar, principalmente quando se trata da saúde dos pets, seja com um bom remédio para carrapato ou pulga caseiro ou com o de uso convencional.

Lembre se diferença entre remédio e veneno é a dosagem administrada! Portanto siga SEMPRE a orientação do profissional veterinário de sua confiança!

Atenção tutores! Todo o conteúdo publicado no portal Vidanimal é de caráter APENAS informativo e não pretende substituir o aconselhamento médico ou a consulta veterinária com relação à sintomas, tratamentos ou diagnósticos.

O nosso compromisso e objetivo é levar a informação até você através de conteúdos relevantes e gratuitos sem qualquer pretensão de prescrever substâncias, receitas, remédios ou tratamentos veterinários ou de substituir a opinião e orientação de profissionais especializados e qualificados em suas respectivas áreas de atuação.

O Vidanimal Não recomenda que seus leitores façam tratamentos ou utilize substâncias em seus animais por conta própria, mesmo que naturais, sem a indicação de um veterinário. Não automedique o seu animal sem antes consultar um veterinário!

Assim, por mais completo e detalhado que o artigo aqui publicado venha a ser, ele é apenas complementar e para fins informativos. Portanto, nenhum conteúdo aqui produzido substitui uma consulta veterinária.

Os conteúdos aqui fornecidos não possuem qualquer tipo de garantia, sendo a sua utilização de risco assumido pelo próprio usuário. No entanto, jamais publicaremos alguma informação ou produto que não tenha sido pesquisado, que não tenha respaldo técnico ou que não tenha sido avaliado por um especialista.

Todas as correções e revisões passam pela nossa equipe editorial, sendo avaliadas pelos profissionais capacitados de nossa equipe.

Correções e revisões feitas pelo médico(a) veterinário(a) Dr. Patrick Rafael Teixeira Batista, CRMV/SP:26050