Originado durante o século XIX, o Pit Bull Terrier Americano ficou conhecido pelas suas excelentes qualidades. Como por exemplo, a persistência e garra de um Terrier e as habilidades atléticas e força de um Buldogue. Saiba mais sobre esta raça abaixo:

Índice de conteúdo:

Ficha Técnica da raça Pit Bull Terrier Americano

Origem: Estados Unidos
Data de origem: século XIX
Grupo de Raças: FCI Grupo 09 – Cães de Companhia / AKC Raro / UKC Terrier.
Função original: cão de luta
Função atual: cão de companhia
Outros nomes ou apelidos: Pit Bull, Pittie ou PBTA (abreviação)
Tamanho: porte médio
Altura: Machos de 45 cm a 48 cm / Fêmeas de 43 cm a 45 cm
Peso: Machos de 15 kg a 27 kg / Fêmeas de 13 kg a 22 kg
Cores: todas as cores, padrões e combinações. Qualquer cor dos olhos, exceto azul.
Pêlos: curto rente à pele, brilhante e macio.
Manutenção: fácil, baixa, escovações semanais.
Expectativa de vida: cerca de 10 a 12 anos.
Filhotes: de 5 a 10 filhotes de Pit Bull Terrier por cria
Reconhecimento (Canil): ACA / ACR / ADBA / APBR / APRI / BBC / CKC / DRA / NAPR / NAPDR / NKC / PBFSA / UKC.

Introdução à raça Pit Bull Terrier Americano

Pit Bull terrier Americano adulto deitado na grama do parque. (Créditos/Copyright: “/Shutterstock”)

Os talentos versáteis do Pit Bull Terrier Americano fizeram dele um dos favoritos entre fazendeiros que os usavam para proteção, guiar gado, como companhia, e como cães de caça para porcos e gados semi-selvagens.

Especialistas acreditam que os Pit Bull Terriers possuem mais qualidades humanas que qualquer outra raça. Eles têm uma propensão natural a ser agressivos com outros animais e outros cachorros, mas não são agressivos com pessoas ou sua família. Se treinado e socializado de forma adequada, o Pit Bull Terrier Americano pode ser gentil e carinhoso com outros animais, cães e animais de estimação. Dito isso, a raça é excelente como cão de companhia, pois são extremamente afetuosos e de natureza dócil. É o tipo de cachorro que adora agradar, e que é quase sempre extraordinariamente obediente.

Pit Bull Terriers Americanos são leais, tenazes e protetores da sua família. Se sentem que sua família está sendo ameaçada de alguma forma, eles são capazes de lutar até a morte. Eles são muito amigáveis, mas mesmo assim não são recomendáveis para a maioria das pessoas. A raça exige um certo tipo de dono, e não deve ser deixada sozinha com crianças que não sejam do seu convívio.

A raça tem muita energia e necessita de muitos exercícios físicos diariamente para prevenir mau comportamento. Por causa de toda essa energia e força eles são excelentes cães de guarda. Eles exalam agilidade e coragem, mas também são capazes de ser verdadeiros palhaços brincalhões.

Pitties também são cachorros bem poderosos e podem ser um grande desafio andar com eles por aí na coleira se não forem bem treinados; a forma com que eles nos puxam pode ser um problema. Uma boa ideia é canalizar toda essa energia em algum esporte canino.

A sua manutenção é modesta — seu pêlo deve ser escovado apenas algumas vezes por semana e suas orelhas devem ser mantidas limpas para evitar infecção.

Apesar de nem sempre agressivos, eles possuem uma má reputação e são muito temidos por causa do seu passado como cão de luta. O Pit Bull Terrier Americano é uma raça considerada “bully”, mas já foi uma raça americana icônica. Eles chegaram a ser mascotes militares, estrelas da publicidade e muito populares entre fazendeiros e muitas famílias.

Mas quando alguns criadores passaram a explorar criminalmente a lealdade, tenacidade e natureza corajosa da raça para fazer dela cães de luta promovendo seus instintos lutadores, a reputação do Pittie foi totalmente destruída e até hoje ainda não foi recuperada.

O Pit pode até ter essa má reputação injusta, mas ele foi feito para ser um cachorro que ama e aceita pessoas. Nas mãos de donos amáveis capazes de apreciar e entender a sua personalidade, e com a quantidade certa de socialização, treinamento, atenção e muito amor, ele pode ser dócil, afetuoso e uma companhia para a família maravilhosa.

Origem da raça Pit Bull Terrier Americano

pitbull-terrier-americano-origem

Pit Bull Terrier Americano adulto castanho e branco. (Créditos/Copyright: “Por DragoNika/Shutterstock”)

O Pit Bull Terrier Americano (também conhecido como “Yankee Terrier” e parente próximo do Staffordshire Terrier Americano) é originário do cruzamento entre Buldogues com uma linhagem Terrier antiga. Hoje são cães considerados de “raça bully”, raças de temperamento mais difícil e de má reputação devido a um passado violento.

O Pit Bull e o seu início como cão lutador

As raças Bull e Terrier foram criadas no início do século XIX na Inglaterra para o esporte popular conhecido por “bull-baiting” em que os cachorros eram colocados em arenas para lutar com touros e/ou até ursos. Quando este tipo de esporte cruel foi banido e considerado desumano tornando-se ilegal em 1835, as lutas de cães surgiram em seu lugar — e foi então que os cães começaram a ser criados sob o estímulo de agressividade dentro da linhagem genética. Muita gente rica e políticos em ascensão podiam ser encontrados nestas “rinhas de cães”, apostando em seus cães favoritos, que possuíam diferentes apelidos: Pit Bull, Yankee Terrier e Cão meio-a-meio — uma referência a sua origem do cruzamento entre Buldogues e Terriers.

Contudo, outra parte dessa maquiagem genética da raça é a sua relutância em morder seres humanos. As pessoas que participavam das lutas precisavam ser capazes de separar os cães dentro dos ringues sem se machucarem ou for mordidos. Rapidamente a raça desenvolveu a reputação de cão forte e protetor, mas também conhecido por ser gentil e amistoso com seus familiares.

Quando estes “buldogues-terriers” acompanharam imigrantes aos Estados Unidos, eles se tornaram populares entre fazendeiros que os usaram para proteger a propriedade de animais e invasores, caçar animais selvagens, fazer companhia e pastorear gado. Para satisfazer a mentalidade de “quanto maior, melhor” do novo país, os colonos desenvolveram um cachorro ainda maior que o exemplar inglês.

Pit Bull Terrier Americano X Staffordshire Terrier Americano

Em 1898, a UKC, o canil inglês equivalente a AKC, nomeou estes “buldogues-terriers” de Pit Bull Terrier Americano. A AKC decidiu reconhecer a raça em 1936 — mas sob um nome diferente. Foi com a intenção de separar a raça de seu passado de cão de luta, que a AKC acabou nomeando a raça Staffordshire Terrier Americano. Desde então, o Staffordshire Terrier Americano tem sido criado para os padrões de conformação da AKC ou apresentações, enquanto o Pit Bull Terrier Americano não. Os resultados possuem diferenças muito leves na construção física e na personalidade. Poucos criadores são capazes de listar características (além de linhagem) que distingam o Pit Bull Terrier Americano do Staffordshire Terrier Americano.

Pit Bull Terrier Americano de hoje

Embora muitos já saibam que Pit Bull Terriers Americanos são capazes de ser companheiros muito amáveis, a raça sofre muito com a sua má reputação, especialmente por causa da mídia. É importante todos terem o conhecimento de que muitas destas estórias e notícias que ouvimos por aí (como ataques ocasionais envolvendo “Pit Bulls”) são protagonizadas por cães que resultam de péssimos cruzamentos ou má criação, em que uma raça completamente diferente é gerada. Mas apesar de toda essa reputação de feroz, o Pit Bull Terrier Americano é afetuoso e uma excelente companhia que se destaca em muitos outros talentos e habilidades. Na verdade, a sua agressão natural é direcionada à outros cães, e não aos humanos, e até isso pode ser vencido com treinamento adequado. Eles muitas vezes servem como cães de busca e policiais, pastoreio, guarda, caça e muitas outras tarefas diferentes. Já até representaram os Estados Unidos servindo como militares durante a Primeira Guerra Mundial.

Aparência do Pit Bull Terrier Americano

pitbull-terrier-americano-aparencia

Pit Bull Terrier Americano catanho de aparência amistosa e dócil. (Créditos/Copyright: “Por Voltgroup/Shutterstock”)

O Pit Bull Terrier Americano é um cachorro forte, atlético e poderoso que possui um corpo musculoso e compacto, além de ser extremamente ágil. O tamanho entre Pit Bulls podem variar, embora a sua proporção como um todo seja mais importante que a sua altura e o seu peso individuais.

O Pit Bull Americano deve ser forte e elegante com características bem definidas. Pit Bulls possuem cabeças largas e quadradas; bochechas amplas que armazenam poderosas mandíbulas com mordida em formato de tesoura; um pescoço musculoso e grosso que desce gradualmente arqueando para um peitoral profundo e costas curta.

Suas patas traseiras são largas e retas, e a cauda afunila na ponta (caudas amputadas não são aceitas pela UKC ou ADBA). Suas orelhas são altas e pontudas, embora seja opcional cortá-las. Seus olhos são arredondados e variam de cores. Ao contrário do Staffordshire Terrier Americano, o Pit Bull pode ter focinho de qualquer cor, sendo também mais alto e de crânio e ossatura menor que o seu primo.

Pit Bull Terriers Americanos possuem uma pelagem curta, grossa e brilhante em uma variedade de cores — castanho avermelhado, cinza (azul), marrom, branco e preto, malhado ou tigrado, entre outras. Apesar disso, tanto a ADBA quanto a UKC não aceitam os olhos azuis e a coloração de pêlos conhecida por “merle” (o que na verdade não é uma cor, mas um padrão de pelagem causado por um gene que altera a cor dos pêlos e dos olhos dando um aspecto ao cão parecido com a pelagem do Dálmata, toda pintado).

Ambiente Ideal para o Pit Bull Terrier Americano

pit-bull-terrier-ambiente-ideal

Pit Bull Terrier deitado relaxando. (Créditos/Copyright: “Por david156/Shutterstock”)

Pits podem muito bem viver bem em apartamentos se forem exercitados de forma suficiente. Eles são bastante ativos dentro de casa e são perfeitamente capazes de ficarem bem sem um jardim se puderem sair ocasionalmente para caminhar e gastar toda a sua energia. Preferem os climas mais quentes, pois não toleram muito frio, por isso não devem ser deixados do lado de fora ao relento por longos períodos de tempo. Não só por causa do clima, os Pitties preferem o convívio do lar, pois desenvolvem fortes laços com seus familiares e costumam sofrer se deixados sozinhos ou ficarem isolados por longos períodos de tempo.

O Pit Bull Terrier Americano viveria melhor em um lar com crianças maiores que saibam lidar com um cachorro deste porte, apesar de serem muito otlerantes à dor e gostarem de brincar de forma mais agressiva. Eles podem até se dar bem com outros cães se forem criados juntos, mas podem demonstrar agressividade com outros animais que não sejam do seu convívio diário, especialmente os menores, que normalmente são vistos como presas. São extremamente protetores da família, lar e território. Apesar de agressividade com relação a seres humanos não seja uma característica natural da raça, não é recomendado para os novatos, apáticos ou sedentários.

Temperamento & Personalidade do Pit Bull Terrier Americano

temperamentoao-pitbull-terrier-americano

Pit Bull Terrier Americano abraçado amavelmente ao seu dono no jardim.(Créditos/Copyright: “/Shutterstock”)

O temperamento de qualquer cão é afetado por inúmeros fatores, incluindo hereditariedade, treinamento, e socialização. Os filhotes que possuem bons temperamentos costumam ser curiosos e brincalhões, costumam se aproximar das pessoas e gostam de ser carregados por elas. Como todo cão, o Pit Bull Terrier precisa de socialização desde filhote — o exponha à diferentes pessoas, locais, sons, cenas e experiências. A socialização ajuda a garantir que o seu Pit Bull Terrier cresça saudável tornando-se um cão bastante sociável.

Desde quando era um cão fazendeiro criado para lutar, o Pit Bull tem sido sempre um cachorro ativo, confiante, de boa natureza e espírito brincalhão. Seja lá o que foi que estes criadores de cães de luta fizeram antigamente, acabaram criando um cachorro extremamente resiliente e estável, resistente à dor, forte e poderoso, assim como muito leal, profundamente devotado, afetuoso, inteligente e amistoso com as pessoas em geral.

Quase sempre obedientes, o Pit Bull Terrier está sempre querendo agradar o seu dono. Podem ser excelentes com crianças também devido a sua forte tolerância à dor, e portanto aguêntam brincadeiras mais agressivas, porém, como toda raça, não deve ser deixada sozinha com crianças que não sejam de seu convívio.

O Pit Bull Terrier Americano tem provocado mais reações humanas emocionais, racionais e irracionais que qualquer outra raça que existe hoje, mas de maneira nenhuma estes cães odeiam ou matam pessoas. Suas tendências agressivas naturais são normalmente direcionadas a outros cachorros ou animais, não pessoas. Contudo, se forem propriamente socializados desde sempre por uma liderança consistente, firme e calma, não serão nem capazes de ser agressivos com estes animais.

Por isso que muitos Pit Bulls, mesmo os de piores antecedentes, são capazes de ser amáveis e confiáveis com seus familiares. Para tanto, eles necessitam socialização desde cedo e treinamento adequado para atingirem o máximo do seu potencial, pois certamente também são capazes de desenvolverem comportamentos normais que podem ser altamente destrutivos se não forem canalizados adequadamente.

Pit Bull Terriers Americanos são conhecidos por gostarem muito de cavar, rasgar e mastigar. Proteja seus pertences colocando tudo fora do seu alcance. No jardim, forneça um local só dele para que ele possa cavar, e tenha sempre um estoque infinito de brinquedos de mastigar e bolas para que ele possa brincar e gastar toda a sua energia. O Pittie é um bom comunicador. Ele fará tudo quanto é tipo de barulho estranho ao te contar como foi o seu dia.

Um dos grandes equívocos com relação aos Pitties tem à ver com o fato deles serem confundidos com cães de guarda ferozes. Eles podem até parecer assustadores e terríveis, e isso já basta para intimidar invasores em potencial, mas a verdade é que a maioria destes cães são amistosos. Eles são um tanto extrovertidos demais para obter sucesso como verdadeiros cães de guarda. Apesar de confiantes e bem conscientes do ambiente ao seu redor, eles são bons “cães de guarda” no sentido de que são capazes de alertar a presença de estranhos, mas principalmente por causa do desejo natural em “receber” seus novos convidados e nem tanto por agressividade e hostilidade.

Enquanto o amor pelas pessoas arruina sua reputação de cães de guarda, a coragem do Pit Bull Terrier Americano é incomparável ao defender seus familiares com a sua própria vida. Eles possuem uma inexplicável habilidade de saber quando precisam proteger e quando está tudo bem.

Ainda assim, mesmo os Pitties de excelente procedência e criação costumam ser cães determinados, fortes e muito inteligentes, e desistir ou retroceder não é parte do seu comportamento normal. A ideia de que o Pit Bull possui algum tipo de dupla personalidade pronta para mudar de amoroso para um assassino em questões de segundo não é totalmente comprovada e não há garantias, mas como todo cachorro de qualquer outra raça, ele precisa ser treinado e socializado desde cedo e de maneira adequada.

Com relação a outros animais, Pit Bulls são tipicamente Terriers. É muito mais provável que eles se engajem em lutas que morram de amores uns pelos outros, especialmente se forem do mesmo sexo. É melhor não manter cachorros do mesmo sexo intactos, ou seja, que não foram castrados, juntos e evitar levá-los a parques ou locais onde seja permitido que corram soltos. Vai depender muito do cachorro se ele se dá bem com outros cachorros em locais públicos. Isso varia muito; alguns são amistosos, outros nem um pouco. Além disso, eles encaram gatos e outros animais peludos como presas.

Independente do seu Pit Bull ter vindo de um criador ou ong e/ou grupo de salvamento, quer ele seja um filhote ou adulto, você terá que demonstrar à ele muito amor. Com seus familiares, eles não têm muita consciência o tamanho deles e quase sempre tentarão se infiltrar no seu colo por alguma demonstração de carinho ou afeto. Mas, cuidado, eles são o tipo de cachorro insistente, e se você permitir, ele irá tentar dominar você.

Qualquer cachorro, não importa o quanto for bonzinho, pode desenvolver níveis de comportamento inadequados, como latir em excesso, cavar, roubar comida e outros comportamentos indesejáveis se estiver entediado, destreinado ou não for supervisionado.

Viver com um PBTA é uma enorme responsabilidade — uma daquelas que não se pode desistir facilmente se, mais tarde, você decidir que ele não é o cachorro certo pra você. Tenha absoluta certeza de que você está tomando a decisão certa antes de comprar ou adotar um Pit Bull. Apesar de amistosos, não são recomendados para a maioria das pessoas, pois nem sempre estas pessoas entendem como um cachorro deve ser criado e tratado. O Pit Bull Terrier Americano pode ser teimoso com pessoas muito mansas e gentis — eles precisam de pulso firme e forte liderança.

Problemas podem surgir quando a pessoa não consegue distinguir um comportamento natural canino confundindo com emoções humanas, acabando com um cão que pensa que é o dono da casa. Para um cão menor e não tão forte e poderoso, às vezes é mais fácil lidar com isso, mas com uma raça poderosa como o Pit Bull terrier Americano, a pessoa PRECISA entender e seguir à risca o conceito de como manter um cachorro na linha em casa.

O Pit Bull Terrier perfeito não nasce perfeito, ele é produto da sua hereditariedade e criação. Seja lá o que você deseja dele, procure por um que tenha tido pais com boa personalidade e que tenham sido socializados desde filhotes. Qualquer cão pode desenvolver níveis desagradáveis de latidos, cavações e outros comportamentos inadequados se estiver entediado, destreinado ou não supervisionado.

Compre um filhote que tenha sido criado em casa e tenha certeza de que ele foi exposto a diferentes locais e sons, assim como pessoas antes de ir para outro lar. Continue socializando-o sempre levando a casa de amigos e vizinhos, assim como a passeios públicos. Antes de comprar um filhote, procure saber como escolher o filhote ideal e não deixe de conversar com o seu criador, descreva exatamente o que você procura em um cãozinho, e peça ajuda para escolher um filhote. Os criadores costumam conviver com filhotes todos os dias e podem dar excelentes recomendações uma vez que saibam um pouco sobre o seus estilo de vida e personalidade.

Cuidados e Manutenção do Pit Bull Terrier Americano

pitbull-terrier-cuidados-manutencao

Pit Bull Terrier Americano e sua pelagem castanha avermelhada lustrosa e sedosa. (Créditos/Copyright: “Por DragoNika/Shutterstock”)

Comece a acostumar o seu Pit Bull Terrier à ser escovado e examinado desde filhote. Mecha em suas patas com frequência — os cães costumam ser sensíveis com relação às suas patas — e olhe dentro de sua boca e orelhas.

Torne essa manutenção uma experiência positiva cheia de elogios e recompensas, e assim você irá construir a base para exames veterinários e idas ao petshop mais fáceis de se lidar. Ao checá-lo, procure por machucados, arranhões, feridas ou sinais de infecção como vermelhidão, inchaço, ou inflamação na pele, nas orelhas, nariz, boca, olhos e patas. Este rápido exame pode levar a diagnósticos mais cedo e evitar maiores problemas de saúde.

Escove os seus dentes 2 ou 3 vezes na semana para remover tártaro e bactéria que proliferam dentro da boca – diariamente é ainda melhor para prevenir gengivite e mau hálito e ainda evitar o caimento de dentes precoce. Corte suas unhas uma ou duas vezes ao mês se não forem gastas naturalmente. E cheque suas orelhas uma vez por semana por sujeira, vermelhidão ou mau cheiro que possam indicar infecções. Limpe-as semanalmente usando loção de de PH equilibrado para evitar maiores problemas. Os cuidados e manutenção exigidos por um Pit Bull são modestos. Tudo que ele precisa é ser escovado algumas vezes na semana com uma escova firme para retirar os pêlos soltos, e tomar banhos quando julgar necessário.

Saúde do Pit Bull Terrier Americano

pitbull-terrier-saude

Pit Bull Terrier americano adulto deitado em momento relaxado.(Créditos/Copyright: “Por Mr.Cheangchai Noojuntuk/Shutterstock”)

Sabe-se que cada raça de cachorro tem predisposição a determinadas doenças. O Pit Bull, infelizmente, não foge à regra. Isso, porém, não significa que todos os indivíduos da raça terão as patologias descritas no artigo, e sim que há chance de desenvolvê-las ao longo da vida. Por isso, é muito importante que o tutor conheça os riscos de condições de saúde e doenças comuns, para preveni-los ou tratá-los o quanto antes.

Primeiramente, quando decidimos comprar um cão de uma raça específica, é muito importante comprá-los de criadores éticos e responsáveis. Por isso, procure conhecer o trabalho do criador e os pais do seu filhote. Verifique se os pais possuem alguma doença que possa ser eventualmente transmitida à próximas gerações. Questione o criador sobre isso.

Problemas osteoarticulares

Luxação de Patela

Um dos distúrbios ortopédicos mais comuns no Pit Bull, é certamente a luxação de patela. Trata-se de deslocamento da patela (ou rótula) de sua posição anatômica normal, que fica no sulco troclear do fêmur, durante a fase de crescimento e adulta dos cães. A causa pode ser congênita ou traumática.

Em caso de luxação da rótula, a pata afetada poderá elevar-se do solo, ou seja, o pet irá claudicar. Esse sinal geralmente costuma aparecer por volta dos 4 meses de idade.

Displasia coxofemoral

Trata-se de uma instabilidade causada pela alteração no acetábulo, colo e cabeça do fêmur. Hereditariedade e o ambiente em que o cachorro vive influenciam, certamente, o surgimento da enfermidade.

Por ser transmitido geneticamente, machos e fêmeas que tenha esse problema de saúde não são recomendados para reprodução. O animal pode começar a desenvolver essa complicação ainda quando jovem. De fato, normalmente os sintomas começam a surgir entre quatro meses e um ano de idade.

Problemas oculares

Catarata – Cães desta raça possuem tendência ao desenvolvimento de catarata, portanto, torna-se necessário um controle periódico no veterinário de confiança já que é uma condição que pode ser tratada.

Cherry Eye – Conhecido na veterinária como prolapso da glândula da terceira pálpebra. Ocorre por flacidez dos ligamentos que sustentam a glândula da terceira pálpebra, principalmente, em filhotes. Desta forma, a glândula sai e fica exposta. A correção é cirúrgica.

Sistema Digestório

Torção Gástrica

A torção gástrica, também conhecida como dilatação vólvulo gástrica, é um distúrbio comum em cães de portes grandes e gigantes. É um quadro considerado emergência veterinária pois seu desenvolvimento é repentino e pode levar à morte em poucas horas (6-12 horas).

É uma condição na qual o estômago do cachorro vira, torcendo, assim, os canais de entrada e saída do órgão, além dos vasos sanguíneos. Por isso ocorre com mais frequência em cães de porte grande, já que possuem tórax profundo.

Dessa forma, o alimento contido no estômago fica retido e fermenta. A fermentação produz gás que fica aprisionado e, por isso, aumenta consideravelmente o volume estomacal, o que acaba comprimindo ainda mais os vasos e canais.

Portanto, o animal além de não conseguir eliminar o gás e/ou alimento retido por via oral ou intestinal, também não tem mais uma circulação sanguínea adequada podendo ocorrer necrose por estrangulamento da parede gástrica e de outros órgãos.

Problemas cardíacos

Cardiomiopatia dilatada

A cardiomiopatia dilatada é caracterizada como uma dilatação ventricular progressiva, com redução de função ventricular esquerda ou de ambos os lados. Em cães da raça Pit Bull afetados por esta anomalia, os ventrículos do coração se dilatam e o músculo cardíaco enfraquece na hora de contrair e bombear o sangue. Isso leva a insuficiência cardíaca e acúmulo de líquido no pulmão.

Doenças endócrinas

Hipotireoidismo

Distúrbio no qual ocorre uma diminuição na produção de hormônios da tireoide. Provoca letargia, enfraquecimento dos pelos, obesidade. Além disso, pode ocorrer também escurecimento da pele.

Obesidade

O Pit Bull tem, sem dúvida, tendência a obesidade. O apetite destes animais é certamente grande e, portanto, comem exageradamente se não houver um limite. Por isso, as porções de alimento precisam ser controladas com rigidez. Além disso, a obesidade canina está se tornando uma doença cada vez mais comum em cães. Se não tratada, pode causar muitos problemas de saúde ao animal.

Sua principal causa é o desequilíbrio entre o consumo e gasto energético. Ou seja, consomem-se mais calorias do que se gastam. Consequentemente, este excesso de calorias é acumulado em forma de gordura produzindo aumento de peso.

Problemas dermatológicos

Atopia

Trata-se de uma alergia genética e sem cura. Os animais que têm esse problema de saúde podem ser alérgicos à inúmeros alérgenos ambientais que podem ser ingeridos, inalados e até mesmo absorvidos pela pele do cachorro. Entre estes agentes estão o pó, ácaros, alimentos, bolores e pólen.

A atopia afeta cães de todas as idades e sexos, porém costuma se manifestar entre os três primeiros anos de idade do animal. E apesar de lesionar o corpo todo, aparece com mais evidência nas axilas, rosto, orelhas, virilhas, patas, periocular e perianal. Os sintomas podem variar, mas geralmente são:

  • Prurido intenso sem causa aparente;
  • Pele mais escura do que o normal;
  • Queda drástica dos pelos;
  • Pele ressecada, rachada, machucada e descamada;
  • Vermelhidão nas áreas afetadas.

Alergia Alimentar

As alergias alimentares constituem a terceira causa de doenças dermatológicas caninas, vindo depois das alergias a pulgas e da dermatite atópica. Cães com hipersensibilidade alimentar apresentam sinais de prurido intenso e pele avermelhada.

Dermatite Responsiva ao Zinco

Há relatos de que o Pit Bull seria predisposto ao desenvolvimento de dermatose responsiva ao zinco, ou seja, uma doença nutricionalmente responsiva.

Os sintomas iniciais são crostas grossas ou escamosas na pele e alopecia, especialmente em volta dos olhos e no focinho. Esse sintoma também pode ser visto nas orelhas, jarretes, sob os coxins e em volta dos órgãos genitais. Além disso, a pelagem pode ficar fosca e dura, e podem ocorrer infecções de pele secundárias.

Esta doença é causada por deficiência de Zinco, e pode ter duas origens: alimentar ou hereditária.

Quando provocada por questão alimentar, geralmente deve-se à dieta pobre em zinco, excesso de suplementos minerais (principalmente cálcio, ferro e cobre), ou alimentação com excesso de fitatos (substâncias encontradas em algumas dietas à base de cereais que interferem na absorção de zinco no intestino).

Em raças como Malamute do Alasca, Husky Siberiano e Samoieda, a origem é hereditária. De fato, esses cães possuem tendência à má absorção.

Outras observações

O Pit Bull, além de todos os problemas ao qual tem predisposição, pode ainda nascer com lábio leporino. Ou seja, uma abertura na lateral dos lábios superiores, entre a boca e o nariz que pode comprometer também dentes, gengivas, maxilar superior e o próprio nariz.

Além disso, muitas vezes, este problema está associado à Fenda Palatina, que é uma abertura no céu da boca que permite a comunicação direta entre a cavidade oral com o aparelho nasal.

O Pit Bull vive cerca de 10 a 12 anos. Todavia, não quer dizer que ele não possa viver por mais tempo. De fato, é possível estender a sua longevidade desde que se tomem os devidos cuidados com a sua saúde. Por isso, o acompanhamento do médico veterinário, assim como conhecer bem seu próprio cachorro, é essencial para detectar precocemente a presença de alguma patologia.

(Correções e revisões feitas pelo médico(a) veterinário(a) Dra. Valentina Vecchi, CRMV/SP:21838)

Atividade & Exercícios do Pit Bull Terrier Americano


pitbull-terrier-americano-atividades

Pit Bull Terrier Americano se refrescando na água após atividade física. (Créditos/Copyright: “Por Grigorita Ko/Shutterstock”)

Exercícios são muito importantes para o Pit Bull. Espere ter que gastar pelo menos meia-hora de caminhadas diárias, brincando ou fazendo qualquer outra coisa para exercitar esse cachorro. Embora eles amem pessoas, eles são muito fortes para o tamanho deles, e podem ser bastante teimosos se forem deixados a se manterem entretidos por si mesmos.

Talvez seja melhor não adquirir a raça se vocâ não planeja fazer algum tipo de esporte desafiador ou exercícios físicos — corrida, caminhada, natação, ciclismo, modalidades esportivas caninas como agility, flyball ou puxar peso, são algumas das coisas que eles adoram. Pit Bulls foram feitos para trabalhar e adoram uma tarefa ou desafio. Eles gostam demais dessa interação com o dono.

Socialização é uma das coisas mais importantes que você pode fazer por ele e graças a sua inteligência e desejo de agradar, muitos Pitties possuem ótimo desempenho nos esportes caninos. O importante é dar os estímulos certos e mais adequados à raça do seu cachorro. Para entender melhor o que pode ou não pode ser feito em termos de exercícios e estímulos, é preciso saber como estimular a mente do seu cão, e ter sempre em mente quais são os cuidados básicos na hora de exercitar o seu cachorro.

Existem diversos motivos para exercitar e estimular o seu cão, mas o mais importante deve ser a saúde física e mental dele, sem falar que um cachorro saudável pode viver por muito mais tempo ao seu lado.

Treinamento do Pit Bull Terrier Americano

pitbull-terrier-americano-treinamento

Pit Bull Terrier Americano com sua coleira pronto para o seu treinamento. (Créditos/Copyright: “Por Checubus/Shutterstock”)

Comece o seu treinamento cedo e continue treinando-o durante a vida toda. O Pit Bull Terrier Americano e muito obediente e ávido para agradar. Socialização intensiva e extensa desde cedo, assim como treinamento de obediência são a base para uma boa relação com o seu Pit Bull Terrier e absolutamente crucial para esta raça. Inicie o seu treinamento no momento que trazê-lo para casa. Mesmo filhote ele é capaz de absorver tudo o que você for capaz de ensiná-lo. Não espere até os 6 meses de idade, ou você terá que lidar com um cachorro muito mais teimoso.

O mínimo de treinamento e socialização desde sempre, junto a uma quantidade adequada de exercícios e uma liderança firme, fará com que ele seja um cachorro tranquilo e obediente. Socialize-o completamente desde pequeno para combater tendências agressivas e mantenha-o sempre sob controle na presença de outros cães. Ensine-o respeitar as pessoas não permitindo que ele pule em cima delas ou entre em casa primeiro que elas.

Seu dono deve sempre manter o cachorro ao seu lado ou atrás quando caminhando com ele. O objetivo do treinamento desta raça é obter sucesso no status de líder do bando. É natural para um cachorro haver uma ordem no seu bando. Quando seres humanos vivem junto a cachorros, nós nos tornamos o seu bando. O bando inteiro deve cooperar sob um único líder; os limites são claramente definidos e as regras são colocadas.

O dono e todos as outras pessoas de seu convívio DEVEM estar em uma ordem acima do cachorro. É a única maneira de se obter sucesso nesta relação com o seu cachorro. Quando treinado e socializado de maneira adequada, o Pit Bull Terrier Americano é capaz de ser um excelente cachorro e companheiro da família.

O Pit Bull Terrier Americano deve ser ensinado desde cedo a não puxar pela coleira, pois ele costuma ficar muito forte quando adulto. Ele é capaz de aprender e absorver muita coisa se for treinado com consistência. Pit Bull Terriers Americanos são obedientes e possuem um forte instinto para agradar o seu dono, mas não irão responder bem à métodos severos e agressivos.

O seu treinamento deve ser feito com respeito, elogios, firmeza, paciência e consistência. Eles precisam de comandos assertivos, firmes e consistentes, e respondem bem a recompensas. Quando o treinamento é divertido, ou seja, mistura técnicas de adestramento com diversão, o resultado é sempre muito mais positivo. Algumas dicas de como se divertir exercitando o seu cachorro poderão ajudar você a treiná-lo brincando. É importante conhecer o seu cão e entender quais são as atividades preferidas do cachorro.

Ensinar o seu cachorro a deitar, sentar e ficar no lugar é vital para o treinamento de um filhote. Há vários métodos de treiná-lo a fazer suas necessidades fora de casa. Considere o método da caixa se precisar adaptá-lo a um ambiente seguro e confinado por várias razões de segurança e conforto.

Atenção tutores! Todo o conteúdo publicado no portal Vidanimal é de caráter APENAS informativo e não pretende substituir o aconselhamento médico ou a consulta veterinária com relação à sintomas, tratamentos ou diagnósticos.
O nosso compromisso e objetivo é levar a informação até você através de conteúdos relevantes e gratuitos sem qualquer pretensão de prescrever substâncias, receitas, remédios ou tratamentos veterinários ou de substituir a opinião e orientação de profissionais especializados e qualificados em suas respectivas áreas de atuação.
O Vidanimal Não recomenda que seus leitores façam tratamentos ou utilize substâncias em seus animais por conta própria, mesmo que naturais, sem a indicação de um veterinário. Não automedique o seu animal sem antes consultar um veterinário!
Assim, por mais completo e detalhado que o artigo aqui publicado venha a ser, ele é apenas complementar e para fins informativos. Portanto, nenhum conteúdo aqui produzido substitui uma consulta veterinária.
Os conteúdos aqui fornecidos não possuem qualquer tipo de garantia, sendo a sua utilização de risco assumido pelo próprio usuário. No entanto, jamais publicaremos alguma informação ou produto que não tenha sido pesquisado, que não tenha respaldo técnico ou que não tenha sido avaliado por um especialista.
Todas as correções e revisões passam pela nossa equipe editorial, sendo avaliadas pelos profissionais capacitados de nossa equipe.
(Correções e revisões feitas pelo médico(a) veterinário(a) Dra. Valentina Vecchi, CRMV/SP:21838)