Menu fechado

O que é uma raça “Bully” ou de “Briga”?

raca-bully-briga

Você pode se surpreender ao saber que algumas das raças favoritas de cachorros em boa parte do mundo são consideradas por muitos como “bullies”.

O termo “Bully” vem do inglês e quer dizer pessoa que usa de força superior, influência ou poder para machucar ou intimidar outras mais fracas, ou forçá-las a fazer algo que não queiram. Em termos gerais, significa valentão, opressor, mandão ou tirano.

racas-bully-briga
O pequeno Boston terrier e sua cara de “badboy” (Crédito/Copyright: “Kellymmiller73/Shutterstock”)

Traduzindo isso para o mundo canino, seriam raças que, desde destemidos Boxers a pequenos e robustos Boston Terriers, possuem más e injustas reputações de serem perigosamente agressivas demais — os famosos “cães de briga ou rinha”, especialmente as raças Pit Bull como o Staffordshire Bull Terrier, o Staffordshire Terrier Americano e o Pit Bull Terrier Americano — mas que são raças extremamentes leais e amáveis quando criadas da maneira correta.

Há uma variedade de cães que caem nesta categoria, mas como eles conseguiram este título? Seria mesmo apenas injustiça ou parte integrante de sua genealogia e origem histórica? Vamos começar do início.

O que há com o título “Bully”

racas-bully-briga
Buldogue inglês filhote interagindo com um gatinho no jardim (Crédito/Copyright: “Grigorita Ko/Shutterstock”)

Já que o termo “bully” costuma invocar um senso de terror e intimidação, não é à toa que muita gente acredita que estas raças representam um certo perigo à sociedade. Contudo, o termo não tem nada à ver com o temperamento ou comportamento do cachorro, mas tudo à ver com a origem e história da raça. Todas estas raças veem da mesma origem ancestral conhecida por Molossóide, que é uma raça originária da antiga Grécia.

Molossóides eram cães enormes e robustos, de ossatura larga, musculosos, de orelhas pendentes e focinhos curtos. As raças que conhecemos hoje foram criadas a partir de combinações genéticas entre Molossóides e outras raças, como o Old English Buldogue e o Mastife.

Embora, originalmente, estas raças tivessem sido criadas para proteger gado e propriedades, alguns criadores passaram a usá-las para outras finalidades não muito agradáveis. Por exemplo, durante o século XIX na Inglaterra, estes cães, como por exemplo, o Buldogue Inglês, foram massivamente criados e usados para esportes populares sangrentos como o Bull Baiting, e é a partir daí que muitos acreditam que descendentes de Mollossóides tenham obtidos o título de raças “bully.”

Heróis Americanos

Pit Bull Terrier Americano posando para uma foto
Pit Bull Terrier Americano posando para uma foto (Crédito/Copyright: “everydoghasastory/Shutterstock”)

Na vida do século XX, o parlamento Inglês estabeleceu leis para banir estes tipos de esportes sangrentos e desumanos e muitos imigrantes acabaram viajando para os Estados Unidos à procura de novas oportunidades trazendo consigo seus cães. Uma vez na América, estes filhotes, descendentes de raças de “briga” acabaram tendo uma infinidade de papéis profissionais.

Por exemplo, um Pit Bull conhecido pelo nome de Stubby se tornou o primeiro cão Americano de guerra durante a Primeira Guerra Mundial, quando serviu junto a um pelotão na Alemanha. Ali, este cão ajudou a salvar inúmeras vidas e se tornou um cão herói condecorado em seu retorno aos Estados Unidos. Este exemplo antigo de uma raça, antes considerada agressiva e agora capaz de ser heróica e leal acabou impulsionando estas raças para o status de queridos animais de estimação.

A sua popularidade continuou a crescer até meados dos anos 90s, e uma imagem de um “cão de briga” apareceu em uma propaganda de materiais durante a Segunda Guerra Mundial. Foi aí que que todas estas raças se tornaram as favoritas nos anos 1950s. Então, o que mudou de lá pra cá?

De reputação injusta à amáveis animais de estimação

racas-bully-briga
Stadffordshire Bull Terrier Americano (Crédito/Copyright: “Mario Dias/Shutterstock”)

Provavelmente podemos traçar o início das especulações sobre estas raças serem agressivas demais lá pelos anos de 1980s, quando gangues passaram a usar raças Pit Bull para proteção ou como símbolo de status, força e poder. De acordo com a ASPCA, outra causa bastante provável é a identificação equivocada da mídia de cães involvidos em ataques. As pessoas se esquecem do fato de que qualquer cão é capaz de atacar se for negligenciado, abusado ou treinado para ser agressivo.

As raças “Bully” ou de “Briga” são normalmente cães gentis quando criados da maneira adequada, e possuem muitas qualidades que fazem deles excelentes animais de estimação para pessoas ativas que possuem tempo a dispensar à eles. Elas são muito sociais e extremamente leais aos seus donos. Graças aos seus corpos atléticos e inteligência excepcional, são muito energéticos e geralmente obtém sucesso em competições de agility.

Acredite ou não, raças “bully” ou de “briga” são também raças excelentes para ciranças também, como por exemplo o Boxer, o Buldogue inglês, entre outros. Mas, tenha sempre em mente, que, como todo cachorro, estas raças devem ser supervisionadas ao redor de estranhos, crianças pequenas e outros animais. Não há dúvida que estas raças receberam um título ou reputação ruim, mais muitos amantes de animais dedicam-se incansavelmente para restaurar a imagem merecida e provar que eles merecem voltar a ser uma das raças favoritas no mundo inteiro.

Pergunte ou Responda

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *