É quase impossível iniciar um artigo sobre o “Rei da Selva”, o Leão, e não mencionar justamente que é o rei da selva. Não é mesmo? Afinal, parece clichê demais, óbvio demais, evidente demais porque isso já foi dito em bilhares de eventos.

Por outro lado, você sabe qual é a importância da juba do leão? De onde vem sua força? A virilidade do leão é mesmo incrível? Por quê? Ele é mesmo o animal mais forte do reino animal? Ou mais perspicaz? O deslizar suave e silencioso é mesmo mortal? E como ele consegue essa façanha?

Este artigo trata de uma infinidade de detalhes muito interessantes, como os destacados acima. E muito mais sobre o fantástico leão.

Importante: apesar de toda sua realeza, o leão está na lista vermelha de extinção, em especial a espécie asiática. As alterações ambientais em seu habitat – tanto por parte de caça irregular como por reações da natureza às modificações climáticas – dificultam sobrevivência desse animal.

Leão marsupial, o reizinho da selva neogênica

existia um leão marsupial há milênios de anos atrás.


Ele viveu na Austrália no período Neogeno, que compreende espaço de tempo entre 23 milhões e 30 mil anos atrás. (Você sabe que marsupial é a categoria de animais que levam seus bebês em espécie de bolsa no ventre.) Considera-se que foram extintos no fim desse período.

Houve 08 espécies de leão marsupial devidamente classificadas em 03 gêneros. Geneticamente, os parentes mais próximos de um desses 03 gêneros é o coala moderna. A gente já publicou artigo aqui sobre o coala.

O leão marsupial foi animal incrivelmente feroz. É grande a possibilidade de que se alimentava de cangurus, um marsupial também – vejam só! – e de vombate. Aliás, vombate é outro marsupial originário também da Austrália.

O leão, reizinho da selva neogênica, tinha dentes incisivos enormes e os usava como arma de caça. Entretanto, os caninos eram diminutos. Já os dentes molares eram mais adequados à mastigação de carne mole. Ou seja, não eram adaptados para roedura ou esmagamento de ossos.

Reinado pela força

Um aspecto inusitado do leão marsupial é que tinha a altura de um leopardo atual. Entretanto, o físico era muito mais rústico e musculoso. Os membros da frente tinham grande poder de destruição. Já as patas eram bem diferentes das do leão de hoje, pois os polegares se opunham aos outros dedos.

Aliás, por conta dessa robustez, o peso médio era semelhante ao do leão que conhecemos. Dessa maneira, é bem provável que o tipo de caça se dava por emboscada e não por perseguição.

Para variar, extintos pela ação humana

O leão marsupial não teve muitos contatos diretos com os humanos propriamente em função de diferenças geográficas. Entretanto, a ação dos nativos australianos, os aborígenes, já destruía a natureza naquela época. Assim, causaram problemas nos biomas que resultaram na extinção dos reizinhos.

Leão: seu reinado, suas características

São muitas as características interessantes sobre o leão.


O nome real da realeza – se nos desculpem pelo trocadilho – é Panthera leo. No auge do desenvolvimento, chega a quase 250kg e 2,5m do focinho à base da cauda que, aliás, tem acúmulo de pelos na ponta se for macho . A pelagem de cor ocre é uma de suas características de destaque. É também rala e fina.

O focinho largo convém à inacreditável abertura da bocarra. E capaz de abocanhar a cabeça da maioria de suas presas. Em proporções, os olhos são realmente pequenos. Entretanto, o leão tem enorme capacidade visual.

O ápice das atividades do leão se dá mais pelas manhãs e fins de tarde. Durante o dia, é capaz de dormir por até 14 horas.

É carnívoro, mamífero feroz. Encontra-se na África e Ásia (também conhecido como “Leão Indiano”). A espécie foi extinta das regiões a norte da África e a sul da Ásia há alguns milhares de anos. Naquelas eras, era o maior mamífero e felino mais intensamente ativo.

Em vida selvagem, vive entre 12 e 15 anos por conta das dificuldades de sobrevivência (brigas, alteração no meio ambiente, dificuldade de caça etc.). Porém, em cativeiro, pode chegar a 30 anos de vida.

A juba do leão

Mas a juba… ah! A juba! Não há característica em um animal que o destaque tanto. A juba do leão é desenhada, pintada, esculpida, copiada, admirada. É tida como expressão de beleza, poder e magnanimidade.

Aliás, pesquisas mais antigas informavam que a juba do leão servia como meio de defesa durante brigas sangrentas. Assim, ao brigar por território ou por comando de grupo ou por fêmeas, ela protegeria a região do pescoço ou, no mínimo, dificultaria identificação visual dessa área.

Entretanto, tais pesquisas foram contrariadas por outras mais recentes. Segundo estas, observações constataram que essa região não é prioridade em ataques. Então, a juba deveria outra função. E, depois de anos de análises de comportamento do animal, parece que pesquisadores chegaram a um consenso.

A quantidade e comprimento dos pelos da juba do leão demonstram que ele é sobrevivente. Ou seja, certamente enfrentou duras batalhas, mas sua juba continua intacta, bonita. Isso, para as leoas, significa poderJuba leonina como indicação de meio ambiente

Os pesquisadores ambientais Peyton West e Craig Packer, respectivamente pesquisador e professor da Universidade de Minnesota, descobriram forte relação entre o tamanho da juba do leão e as condições ambientais.

As pesquisas foram feitas no ecossistema Serengeti, região da África Oriental no norte da Tanzânia e sudoeste do Quênia. Descobriu-se que, mesmo sendo predador máximo da cadeia alimentar, o leão comporta-se segundo as condições do ambiente. Os estudos focaram a questão da juba do felino.

Assim, os cientistas notaram que a juba diminuiu de tamanho nos últimos 30 anos. Aprofundados os estudos, notou-se intensa relação entre aquecimento global e o tamanho da crina desse animal. Neste caso, quanto maior o aquecimento, menor é a juba do leão.

O habitat e a sobrevivência do leão

O leão prefere savana à florestas. De maneira geral, é difícil diferenciar esses ambientes entre si. Porém, é possível descrever “savana” como uma região florestal em que a vegetação predominante é baixa, rasteira. Ou seja, com poucas árvores.

O motivo de o leão preferir savanas se dá por conta de seu instinto de observação. Você tem mais informações sobre esse instinto ao longo deste artigo. Sendo “rei”, sua postura é mais de observação e espreita que propriamente de ação em si.

O leão é caçador por natureza. Ao longo da evolução de sua estrutura, foi desenvolvendo capacidade de atingir até 60km/h. Quando necessário, pode chegar até muito mais que isso.

Porém, essa mesma estrutura física poderosa não pode manter essa velocidade por muito tempo. Portanto, a própria natureza se incumbiu de dar ao leão um andar silencioso. Assim, seu ataque é quase sempre mortal. É praticamente impossível escapar das investidas de seus dentes, que chegam a 10cm de comprimento na parte visível.

Suas presas/vítimas são mamíferos de grande porte, como antílopes, zebras, búfalos e até rinocerontes. Porém, por algum motivo ainda desconhecido, o leão tem certa preferência por girafas. Estudos preliminares apontam que a cabeça da girafa, estando muito acima do chão, dificulta observação em área próxima. E o leão se aproveita disso.

Rei da Selva por que, afinal?

O leão é considerado o Rei da Selva pela sua fama de astuto e inteligência, entre outras características.


Essa é uma pergunta recorrente. Quando se pergunta qual animal é considerado “Rei da Selva”, qualquer criança conhece a resposta. Porém, por quais motivos ele é tido por “Rei da Selva”?

Dizem alguns que é porque ele não tem predador, ou seja, está no topo da cadeia natural de predação. Porém, há outros animais que também não possuem predadores naturais.O lado plástico do leão

Observe o perfil do bicho. O porte é majestoso, com o tórax sobressaindo, a juba funcionando como “auréola de santo”. Como você vai ver abaixo, seu dia a dia é de rei. Quando forma seu grupo, simplesmente para de caçar e espera que a caça chegue até si.

Deita-se em algum local, levanta a cabeça de forma que todos percebam sua soberba e observa o ambiente.

O lado comportamental do leão

O leão ruge para comunicar seu estado emocional. Aliás, seu rugido é outro motivo por ter adquirido o título de rei. É imensamente forte, belo e poderoso. É capaz de chegar a até 10km de distância. Por isso, é infinitamente dominador ao causar apreensão a animais ao redor.

Ele é extremamente sociável. É difícil ser visto isoladamente – isso ocorre, via de regra, quando está velho ou muito doente. Porém, sua capacidade de liderar grupos é impressionante. Apenas sua presença é mais que suficiente para que todo um bando ou se acalme ou entre em guerra.

Um bando é constituído normalmente por um macho e diversas fêmeas. Pode haver dois ou três machos, mas um deles é o senhor de todos. Ocasionalmente, alguns exemplares podem preferir viver na solidão, trocando de grupo de tempos em tempos.

Terrível ditador

Um leão dominante protege seu grupo com unhas e dentes. Literal e terrivelmente. Quando um macho invasor se aproxima ou um macho do grupo se rebela, o dominante toma as rédeas da situação.

Machos não dominantes acasalam somente se o macho dominante permitir. Caso contrário, todas as fêmeas do grupo pertencem ao dominante.

Importante: quando um macho invasor derrota o macho dominante de um grupo, ele passa ser o “imperador” do local. Se houver filhotes recém-nascidos no bando, o novo macho dominante vai exterminá-los a fim de gerar sua própria prole.

Ele é protetor; ela, caçadora

De maneira geral, o macho tem função de proteção dentro do grupo. É comum encontrá-lo em estado de alerta constante, observando o ambiente. Está à espreita de invasores ou perigo.

Enquanto isso, as fêmeas e eventual macho não dominante de seu bando caçam nos arredores. Não é raro ver que primeiro deixam que o “rei” se alimente; depois, se alimentam.

A incrível capacidade de cobertura do leão

O universo selvagem detém suas próprias regras. E elas funcionam como regulador para todas as situações que os animais enfrentam. Perfis físicos, “coreografias”, “canto”, postura das orelhas e caudas são alguns exemplos de instrumentos de divulgação daquelas regras.

Entretanto, a atividade sexual é o elemento mais forte dentre todos no comportamento animal. O segundo instrumento mais importante é alimentação. Portanto, a esmagadora maioria dos animais vive para saciar suas necessidades sexuais e alimentares.

Nesse contexto, o leão faz jus a sua posição de rei. Nenhum outro animal é tão voraz quando precisa se alimentar nem tão potente quando precisa de sexo. Ele é capaz de ingerir até 20% de seu peso e copular com todas as fêmeas do bando.

Por toda uma semana. Ininterruptamente (apenas para dormir, claro). Várias vezes ao dia. Com cada uma delas.

Considerando que processo sexual é importantíssimo no mundo animal e que o leão é operador máximo nesse processo, nada mais óbvio que manter a coroa de rei sobre sua cabeça.

Algumas espécies de leão

Há algumas espécies de leão.


Via de regra, boa parte dos biólogos entende que há apenas duas espécies de leões: Africana e Asiática. Entretanto, há outros que consideram existência de 08 tipos (ou subespécies).

Panthera leo bleyenberghi

O nome popular é leão-do-katanga ou ainda leão-angolano. Vive mais no sudoeste da África. Apresenta juba de formato único, ou seja, diferente das demais espécies, sendo mais escura e mais densa.

Panthera leo leo

Também conhecido como “leão-do-atlas” ou “leão-da-barbária”, está extinta desde muitas décadas. Vivia em territórios nortistas da África. Passou a ter nomeado como “leo leo” a partir de 2017 de acordo com semelhanças genéticas encontradas por biólogos.

Muitos cientistas consideram que o Panthera leo leo foi a maior de todas as espécies encontradas.

Panthera leo krugeri

Uma das características genéticas dessa subespécie faz nascerem alguns indivíduos brancos. Não se trata propriamente de leões albinos, mas de pelos brancos.

Proteja animais; proteja o leão

É muito difícil que você tenha um leão em casa. Óbvio. Entretanto, não é difícil compreender, e você compreende, que todos os animais precisam de proteção.

Não obstante o poder de muitos deles, a capacidade de fuga, a perspicácia para se proteger, há outro animal do qual nenhum outro consegue se proteger o suficiente: o homem insensível.

Assim, colabore na proteção do leão. Uma das maneiras de fazer isso é divulgar artigos como este ou participar de movimentos presenciais ou virtuais de proteção animal. E, tendo qualquer outra dúvida sobre o leão, deixe nos comentários abaixo.

Por Serg Smigg

Serg Smigg é jornalista, redator, revisor e analista textual, além de roteirista e escritor. Extremo defensor das causas animais, cria seus textos apresentando conceitos claros sobre a importância desses para a humanidade e caminhos para sejam cada vez mais respeitados. A paralelo, ministra palestras inspiracionais corporativas na área de comunicação interna, externa e interpessoal social. Oferece dicas de gramática e expressividade em seu site smiggcomcorp.wordpress.com.

Deixe uma resposta