O gato Sphynx é, sem dúvida, um daqueles exemplares que dividem opiniões. Alguns acham a raça incrivelmente linda devido a suas peculiaridades e características físicas. Outros acham muito estranho, ou até mesmo feio, pois trata-se de um gato sem… pelos.

Os gatos não são, no entanto, totalmente sem pelos. De fato, são cobertos por uma pelugem fina e macia, o que faz com que, ao tato, se pareça com a casca de um pêssego. Além disso, este gato não tem bigodes ou cílios.

Ficha Técnica do Gato Sphynx

Origem: Canadá

Data de Origem: 1966

Temperamento: Leal, esperto e carinhoso.
Tamanho: Médio
Peso: machos e fêmeas pesam de 3 a 7 kg.
Cores: Todas as cores são aceitas. As mais comuns são preto, rajado, vermelho, creme, cinza chumbo.
Pelos: Não tem.
Manutenção: fácil
Expectativa de vida: 14 anos
Filhotes: 2 a 6 filhotes.
Reconhecimento: CFA, TICA, ACFA

Introdução à raça – a história do gato Sphynx

Primeiramente, o surgimento de gatinhos pelados foi na verdade natural e acidental. O Gato Sphynx, surgiu, de fato, de mutações espontâneas em gatos de pelos curtos.

Em 1966, um gato doméstico deu à luz um gatinho sem pelos em Ontário, Canadá. Foi descoberto que tratava-se de uma mutação genética natural e o gato Sphynx, como o conhecemos hoje, passou a existir.

Estes gatos pelados foram utilizados em cruzamentos e deram origem a uma nova raça felina, cujos exemplares começaram a ser chamados “Moon’s Cats” (Gatos da Lua), e em seguida de “Canadian naked”(Canadense nu) e finalmente com o nome que têm atualmente, SPHYNX. Esse nome foi atribuído em homenagem às esfinges egípcias com as quais os gatos se parecem tanto.

Muitas criações por todo o mundo começam a trabalhar na nova raça para tentar fixar as características. Foram feitos também cruzamentos sucessivos com outras raças, principalmente com Devon-Rex, Cornish-Rex e o American Shorthair.

Os cruzamentos com Devon-Rex foram entretanto abandonados devido a uma doença genética mortal chamada Síndrome Miastênica Congênita.

Em 1970, a Cat Fanciers’ Association (CFA) concedeu um estatuto provisório de raça ao pelado Canadense  mas, no ano seguinte esse reconhecimento foi retirado devido a problemas de saúde e dificuldades na criação. Acreditava-se, portanto, que o gene associado à falta de pelos fosse letal.

O Sphynx como o conhecemos hoje em dia nasceu, finalmente, em 1975, quando dois agricultores descobriram um gatinho sem pelo numa ninhada de Jezabelle, uma gata vira-lata com pelagem normal. Essa gatinha, filha de Jezabelle, foi chamada carinhosamente de Epidermis. No ano seguinte, o mesmo fenômeno ocorreu, e nasceu outro gatinho pelado chamado de Dermis.

Os dois foram vendidos a uma criadora do Oregon, que os usou para produzir a nova raça.

Em Fevereiro de 1998, o registo do Sphynx foi aceito pela CFA.

Aparência do gato Sphynx

A característica mais marcante do gato da raça Sphynx é, sem dúvida, o seu corpo sem pelos e a sua pele enrugada. No entanto, como foi dito anteriormente, eles possuem uma pelagem muito fina, quase invisível. A pele do Sphynx é, ao tato, muito parecida com a casca de um pêssego.

Outra característica particular do Sphynx é a sua oleosidade. De fato, em outras raças o óleo passa da pele para os pelos. Por isso, no Sphynx, essa oleosidade acaba ficando em sua própria pele.

Devido a este visual totalmente diferente, o Sphynx está longe de agradar a maior parte das pessoas que preferem sempre gatos mais peludos e atraentes.

Estruturalmente, o Sphynx é um gato que possui uma ossatura fina e corpo bem musculoso. Além disso, possui uma cauda longa. Sua cabeça não é redonda nem mesmo cuneiforme, se alarga até os olhos e daí para cima apresenta-se com a forma de um bloco retangular.

Seus olhos dourados ficam sempre localizados para trás e ligeiramente inclinados. Suas orelhas são inseridas na base maior e superior de sua cabeça, são grandes e ainda ligeiramente arredondadas em suas pontas.

Ambiente ideal para o gato Sphynx

O Sphynx é um gato que não pode ficar em área externa em dias frios, já que não possuem pelos para protege-los das temperaturas mais baixas. Além disso, o mesmo pelo que o protegeria da sensação térmica, é aquele que o protegeria da ação dos raios solares. O ideal é, portanto, que o Sphinx fique em casa. No entanto é necessário que tenha horários para seus banhos de sol.

É muito importante que tenham espaço e brinquedos para promover o exercício físico, já que tem tendencia à obesidade.

A ausência de bigodes, os tornam muito desajeitados. Por isso, as vezes não conseguem subir em lugares altos, desequilibrando-se facilmente.

Os gatos da raça Sphinx gostam de acrobacias, são leais e seguem os humanos para todo o lado.

Temperamento e Personalidade do gato Shpynx

O gato Sphynx é extrovertido, malicioso, gosta de pessoas e adora atenção. Esses gatos costumam cumprimentar seus donos quando chegam em casa e são muito falantes e ronronam muito.

Eles são altamente inteligentes, brincalhões e fofinhos. Eles gostam de dormir com seus donos, de preferencia debaixo das cobertas. Sua temperatura corporal é um grau ou dois acima da média para gatos normais. Têm apetite voraz para compensar a perda de calor, por isso é tão importante cuidar para que não se tornem obesos.

Cuidados e Manutenção

Os tutores de um gato Sphynx devem saber que manter a pele deste gato limpa e macia requer muitos cuidados. A pele precisa ser banhada ou limpa a cada semana para remover sua oleosidade natural.

Além da pele, o ouvido externo também requer atenção e limpeza para evitar excesso de sujidades e infecções no ouvido.

Saúde do gato Sphynx

Todos os gatos podem viver uma vida saudável, assim como podem desenvolver problemas de saúde ao longo da vida. No entanto, gatos de raças específicas possuem predisposições a determinados distúrbios e patologias. Isso não significa que todos os indivíduos da raça terão as doenças que serão descritas no artigo, e sim que há chance de desenvolvê-las no decorrer da vida.

Para que cresçam fortes e saudáveis, é importante investir em alimentos completos e balanceados. Em alguns casos, pode ser necessário a suplementação alimentar, mas para tomar essa decisão converse sempre com um profissional de confiança.

Para quem compra ou adota um gato de uma raça específica, é primordial conhecer os riscos para saber como cuidar melhor do próprio animal de estimação. Além disso, é muito importante, também, comprar gatos de criadores éticos e responsáveis. Questione, portanto, o criador. Além disso, peça para ver os pais do gatinho escolhido e pergunte sobre eventuais distúrbios da linhagem.

Doenças mais comuns do gato Sphynx:

Doença Periodontal

A doença periodontal é, sem dúvida, o distúrbio mais comum da cavidade oral de gatos. Inicia-se por acúmulo de bactérias na superfície dos dentes e progride até os tecidos de sustentação que formam o periodonto, que são gengiva, osso alveolar, cemento e ligamento periodontal.

O principal sinal clínico observado pelo proprietário é a halitose. Dependendo do estágio da doença periodontal, esta pode conduzir a conseqüências locais e sistêmicas, como: inflamação e sangramento da gengiva, presença de tártaro, mobilidade dos dentes, salivação excessiva, dentre outras. Além disso, pode levar à perda dos dentes e pode comprometer o coração, pulmão, fígado, rins e outros órgãos vitais.

A melhor forma de prevenir esta doença é, portanto, utilizar alimentos, brinquedos e cremes dentais específicos. Todavia a escovação diária dos dentes é o método mais eficaz para remover a placa bacteriana e manter a saúde clínica do animal.

Cardiomiopatia hipertrófica

A miocardiopatia hipertrófica felina é, sem dúvida, a patologia cardíaca mais frequente em felinos domésticos e também está entre as principais doenças do gato Sphynx.

Trata-se de uma doença do músculo cardíaco na qual uma porção do miocárdio (músculo do coração) está hipertrofiado, ou seja, mais grosso, criando uma deficiência funcional do músculo cardíaco.

Embora possa afetar todos os gatos, é mais comum em felinos machos de idade avançada. Seus sintomas dependem do estado de saúde de cada gato e do progresso da doença, havendo também alguns casos assintomáticos. No entanto, os sintomas mais característicos da cardiomiopatia hipertrófica em gatos são os seguintes:

  • Apatia
  • Respiração dispneica
  • Vômitos
  • Dificuldade para respirar
  • Perda de apetite
  • Perda de peso
  • Depressão e letargia
  • Flacidez nos membros posteriores
  • Morte súbita

Cardiomiopatia Dilatada Felina

A cardiomiopatia dilatada (CMD) é uma doença degenerativa do miocárdio caracterizada por dilatação ventricular e diminuição da contratilidade cardíaca. Nos anos 80, foi associada à deficiência de taurina na dieta dos gatos. A partir daí, a suplementação desse aminoácido nas dietas comerciais de felinos diminuiu muito a incidência dessa doença.

Os sinais clínicos são variados, sendo que a dispneia é o sinal mais comum. O diagnóstico definitivo é definido através do exame eco doppler.

Ocorre mais frequentemente em gatos machos, de 6 a 9 anos, de raças como Ragdoll, Persas e Maine Coons.

Displasia Coxofemoral

Trata-se de uma instabilidade causada pela alteração no acetábulo, colo e cabeça do fêmur. O tamanho do gato, hereditariedade e o ambiente em que o animal vive influenciam, sem dúvida, o surgimento da enfermidade.

Por ser transmitido geneticamente, machos e fêmeas que tenha esse problema de saúde não são recomendados para reprodução. O animal pode começar a desenvolver essa complicação ainda quando jovem. De fato, normalmente os sintomas começam a surgir entre quatro meses e um ano de idade.

Obesidade

O gato Sphynx tem, sem dúvida, tendência a obesidade. Por isso, as porções de alimento precisam ser controladas com rigidez. Além disso, o tutor deverá estimular exercícios físicos diariamente através de diferentes brincadeiras.

A obesidade está se tornando um problema cada vez mais comum em animais domésticos e, se não tratada, pode causar muitos problemas de saúde ao animal.

Sua principal causa é o desequilíbrio entre o consumo e gasto energético. Ou seja, consomem-se mais calorias do que se gastam. Consequentemente, este excesso de calorias é acumulado em forma de gordura produzindo aumento de peso.

Miopatia hereditária dos gatos Shynx e Devon Rex

Gatos das raças Sphynx e Devon Rex possuem predisposição genética a uma patologia neuromuscular chamada Miopatia de Bastão de Nemalina. Trata-se de um grupo de desordens neuromusculares de etiologia genética que leva à fraqueza muscular.

A fraqueza muscular presente nesta desordem é resultante do acúmulo de corpúsculos bastonetiformes (bastões lineares) nas fibras musculares, especialmente na periferia dessas últimas. Animais com esta doença podem apresentar dificuldades de locomoção, respiratórias e de deglutição.

Urolitíase

O gato Sphynx tem predisposição à formação de cálculos urinários (urolitíases). Quatro hábitos ajudam a prevenir e tratar o problema:

  • Consulte um veterinário regularmente;
  • Ofereça apenas alimentos industriais de alta qualidade (Super Premium). Se for um adepto de alimentação natural, peça a um veterinário nutricionista montar a receita.
  • Deixe sempre à disposição do gato, água limpa e fresca. A hidratação é primordial.
  • Estranhe comportamentos diferentes do seu gato. Conhecer bem seu animal de estimação é essencial.

Predisposição à problemas dermatológicos.

Por não possuir pelos, o gato Sphynx tem uma predisposição maior a ter problemas de pele.

A raça tem predisposição ao desenvolvimento de alergias e infecções fúngicas. Além disso, a pele do gato pode se queimar facilmente ao sol.

Gatos possuem pelagem por importantes razões: promove proteção térmica, proteção física e ajuda na comunicação entre gatos. A ausência de pelame pode, portanto, trazer inúmeros efeitos deletérios ao animal, desde alterações comportamentais, como lesões em pele devido à exposição contínua da mesma à estímulos tóxicos do ambiente, além de radiação solar.

O acúmulo de oleosidade na pele desta raça também é uma consequência da ausência de pelagem.

Considerações finais

Quem opta por adotar ou comprar um gato, deve assumir a responsabilidade de cuidar do animal providenciando alimentação de qualidade, higiene, entretenimento, amor e cuidados veterinários sempre que necessário.

Outro fator importante que muitas vezes é esquecido ou até mesmo subestimado pelos tutores de gatos é providenciar o devido confinamento. Ou seja, recomenda-se que os tutores de gatos utilizem telas na residência, providenciem um gatil, mas não permitam que seus gatos passeiem livremente na rua.

Isso é recomendado porque na rua há grande chance de brigas, acidentes, contaminações que podem causar a morte de seu felino. Além disso, sendo o gato Sphynx um animal tão diferente e dócil, pode ser facilmente roubado.

Referências Bibliográficas:

BICHARD,S. J.; SHERDING,R. G. Manual Saunders: Clinica de Pequenos Animais. 2 ed. Sao Paulo, Roca, 2003.

KINDERSLEY, D. GATOS. Rio de Janeiro: JB indústrias gráficas S.A.