O gato Persa é, sem dúvida, uma das raças mais populares no Brasil e no mundo. Isso deve-se ao fato de ser um animal lindo, mas também pela sua índole de ‘bonachão’.

Gatos persas são animais muito tranquilos, que se dão bem com crianças, outros animais e apreciam ambientes calmos. Adoram brincar e passar tempo ao lado de seus tutores. Além disso, gostam de receber carinho e atenção, mas não ficam pedindo.

Para famílias mais agitadas, o gato persa pode ser considerado muito “quieto”. De olhos redondos e grandes e focinho pequeno e achatado, eles receberam esse nome por causa da região da onde vieram: a Pérsia, onde atualmente fica o Irã.

Conhecido pela sua característica física mais marcante, a face plana e arredondada com grandes olhos, o gato persa é um dos mais facilmente identificáveis.

Ficha Técnica do Gato Persa

Origem: Irã
Data de origem: século XIX
Temperamento: Equilibrado, extremamente dócil, meigo e companheiro, afetuoso, brincalhão.
Tamanho: Grande
Peso: 3,5-5,5 kg
Cores: Branco, Vermelho, Creme, Preto, Azul, Chocolate, Lilás, Prata, Dourando, Cameo, Escama de Tartaruga (Tortoiseshell), Azul Creme, Cálico, Foca (Seal)
Padrão: Cor sólida, Escama de Tartaruga (Tortoiseshell), Bicolor, Tricolor/Cálico, Rajado, Fumaça (Smoke), Sombreado (Shaded), Points (pontas coloridas)
Pelos: longos e macios
Expectativa de vida: 8-11 anos
Reconhecimento: CFA, ACFA , FIFe, TICA

História da raça

O gato Persa é uma raça antiga. Portanto, assim como outras raças antigas, a sua história é um pouco nebulosa e cheia de mistérios.

Os gatos de pelo longo chegaram na Europa no fim do século XVI. Conta-se que Pietro della Valle, um viajante italiano, trouxe um gato da Pérsia para a Itália para começar sua criação.

No entanto, a raça persa surgiu somente no século XIX, quando esses gatos criados na Itália foram levados a Inglaterra, onde sofreram cruzamentos com gatos da raça angorá. Logo em seguida foi feito um trabalho de melhoramento genético visando se obter maior variedade de cores e padrões de pelagem.

No suplemento semanal da revista americana Harper’s Magazine, de 27 de janeiro de 1872, aparece uma ilustração de várias exposições felinas do Palácio de Cristal de Londres, incluindo um espetáculo de gatos persas.

Em 1950, foram cruzados exemplares de gatos persas com gatos siameses, tendo sido criada uma nova raça, os gatos Himalaios. Desde 1984, os gatos Himalaios foram considerados pela ‘Cat Fanciers’ Association’ – CFA como sendo uma variante dos gatos persas, apesar da objeção dos criadores destas raças.

Hoje em dia, existem mais de 100 diferentes combinações de cores para gatos da raça Persa, variando desde o branco neve até o malhado (casco de tartaruga).

O Gato persa e o meio artístico

O gato Persa, sem dúvida, conquistou muita gente com seu jeito aparentemente preguiçoso e seus pelos macios e esvoaçantes. Por isso, foi também muito usado no cinema, quadrinhos e outros meios artísticos. Conheça os gatos Persas mais famosos:

  • É impossível não mencionar em primeiro lugar o Garfield. Certamente, o gato Persa mais famoso do mundo.
  • Snowbell, dos filmes de Stuart Little.
  • Mr. Tinkles dos filmes ‘Como Cães e Gatos’ 1 e 2,
  • Bichento, gato de estimação da Hermione, na saga do Harry Potter.
  • O gato Persa aparece também em filmes do agente 007 – James Bond. De fato, o gato aparece em primeiro plano sendo acariciado por seu dono, nos filmes ‘From Russia with Love’ de 1963 e Thunderball de 1965. O gato, é animal de estimação do vilão Ernst Stavro Bloveld, conhecido como Number 1, uma posição numérica de ranking atribuída a membros da organização SPECTRE.

Aparência do gato Persa

O gatos Persas têm esqueleto pesado, membros anteriores e posteriores grossos e curtos. Suas patas são grandes. Possuem musculatura forte e  são considerados de porte médio a grande.

O pescoço é curto e grosso, os ombros e peito largos. A cauda é curta e proporcional ao corpo.

Têm cabeça grande e ampla, grandes olhos, bem separados, redondos e expressivos. Orelhas pequenas, de pontas arredondas e nitidamente separadas. É um animal braquicefálico, ou seja, de focinho achatado. Essa, foi uma das heranças da modificação genética ao longo dos anos.

A expressão geral é doce.

Pelagem do gato Persa

Uma das características mais chamativas da raça é, certamente, a pelagem excepcionalmente cheia composta por duas camadas com dois tipos de pelo: um mais curto macio e lanoso e outro mais longo e firme.

Sua pelagem confere ao felino uma aparência espetacular. No entanto, essa característica tão apreciada e desejada apresenta também um grande problema: a muda. De fato, a maioria dos Persas faz a troca do pelo o ano todo, o que significa que é necessário escovar sua pelagem diariamente para impedir que fique emaranhada e que acumule pela casa.

A gama de cores padrão é vasta. Vai do branco mais puro ao preto profundo.

  • Persas de cores Sólidas: são os Persas tradicionais, nas cores Preta, Azul, Ruiva (Vermelho), Creme, Escama ou Azul Creme.
  • Bi colores e tricolores: a principal característica pretendida nesta criação, é um V branco invertido sobre os olhos, o que ocorre com mais freqüência nos Ruivos, Pretos e Azuis, assim os que possuem esta característica são muito apreciados
  • No caso dos Bi colores, temos ainda as cores: Creme e Branco, Lilás e Branco e Chocolate e Branco, todos com os olhos cor de cobre. O colorido cobre em média 2/3 do corpo destes Persas e podem ser para exemplares Machos ou Fêmeas.
  • Exclusivo para as Fêmeas temos as cores: Escama de Tartaruga ( Fios Pretos misturados a cor Ruiva e Cinza, muito parecido com um casco de tartaruga ), Azul / Creme, Azul / Creme / branco ( Cálico Diluído ), Escama de Tartaruga / Branco (Cálico Sólido). Nestes exemplares a cor Branca deve ocupar 1/3 de seu corpo e suas manchas devem ter as cores bem definidas.
  • Nesta categoria, temos ainda os Escama de Tartaruga / Chocolate, e os Persas com manchas coloridas restritas a cabeça e cauda.

Unindo-se a todas as cores acima a cor Fumaça, obtêm-se o o reconhecido Persa Bicolor Fumaça.

Além desses, há ainda o Persa branco. Esse pode ter olhos laranjas, azuis ou um de cada cor. No entanto, os que possuem olhos azuis, no geral, apresentam também surdez.

Ambiente ideal para o gato Persa

O gato persa é bem tranquilo. Como mencionado antes, adora uma tarde de muitos cochilos,embora também goste de brincar.

Justamente por ser assim tão tranquilo, esse gato precisa de estímulos para fazer exercícios para evitar que se tornem obesos. O tutor, deverá portanto ter criatividade e um espaço em seu dia para poder brincar com o gato.

Para evitar que seu amiguinho tenha esse tipo de problemas, controle a alimentação e faça exercícios sempre.

Organize desafios para que ele possa explorar sua casa sem riscos, esconda brinquedos e tudo o mais, para distrair o bichano e o estimular a sair do sofá e brincar.

Temperamento e Personalidade

Os persas são gatos gentis e tranquilos. Apreciam ambientes serenos e pessoas que os tratem com carinho e gentileza.

Ao contrário de gatos mais atléticos, eles preferem, sem dúvida, descansar em um sofá do que escalar os móveis da casa.

Aceitam crianças, desde que elas respeitem seu espaço.

O gato Persa não se importa de passar o tempo sozinho, mas a presença de seu tutor sempre o deixará feliz.

Cuidados e Manutenção

Persas requerem cuidados diários. Por trocarem constantemente a pelagem, precisam de escovações diárias. Esse hábito pode prevenir três problemas: embolamento dos pelos, ocorrência de bolas de pelo no estomago, excesso de pelos no ambiente.

Além disso, o gato Persa precisa de atenção para não ficar obeso. A alimentação adequada e execícios diários são essenciais.

Saúde

Para que cresçam fortes e saudáveis, é importante investir em alimentos completos, ou em rações desenvolvidas especialmente para essa raça. Em alguns casos, pode ser necessário a suplementação alimentar, mas para tomar essa decisão converse sempre com um profissional de confiança.

Algumas empresas criaram alimentos industrializados específicos para a raça. Esse tipo de produto pode ser interessante pois possuem nutrientes de primeira qualidade que melhoram a condição da pelagem, evitam o acumulo de bolas de pelo no estomago, possuem quantidade correta de nutrientes e calorias. Além disso, a alimentação adequada pode evitar o aparecimento de algumas doenças típicas da raça.

Doenças mais comuns do gato Persa

Primeiramente, o gato Persa possui uma característica física que o torna mais suscetível a doenças respiratórias. De fato, trata-se de um gato braquicefálico (ou seja, possui focinho achatado). Portanto, o gato persa torna-se predisposto ao desenvolvimento da síndrome braquicefálica, consequência de múltiplas anormalidades anatômicas.

Essas irregularidades impedem o fluxo de ar através das vias aéreas superiores, causando uma sintomatologia clínica característica, ou seja, respiração ruidosa, cianose e, em casos mais graves, síncope.

O fato do nariz da raça ter sido reduzido ao longo dos anos, prejudicou gravemente o seu funcionamento. Além disso, o formato do focinho faz com que os olhos fiquem mais proeminentes e expostos a distúrbios.

Distúrbios Oculares

Os distúrbios oculares mais comuns em gatos Persas são:

  • Anquilobléfaro congênito – anomalia hereditária que costuma ocorrer no gato persa azul. Trata-se da união entre a pálpebra superior e inferior.
  • Epífora – Ocorre quando os canais nasolacrimais estão obstruídos. A lágrima escorre pela face, causando manchas escuras debaixo dos olhos. Em algumas raças, a obstrução pode ser hereditária.
  • Entrópio – Malformação que causa o reviramento da pálpebra para dentro causando sérias irritações que podem levar à graves doenças no olho do animal. O Entrópio pode acometer a pálpebra superior ou a inferior de um olho ou de ambos os olhos. Pode ser de origem congênita ou adquirida.
  • Glaucoma primário. Consiste em uma pressão sanguínea excessivo no olho, cujo efeito se traduz na opacidade e perda de visão.

Doença Periodontal

A doença periodontal é, sem dúvida, o distúrbio mais comum da cavidade oral de gatos. Inicia-se por acúmulo de bactérias na superfície dos dentes e progride até os tecidos de sustentação que formam o periodonto, que são gengiva, osso alveolar, cemento e ligamento periodontal.

O principal sinal clínico observado pelo proprietário é, sem dúvida, a halitose. Dependendo do estágio da doença periodontal, esta pode conduzir a conseqüências locais e sistêmicas, como: inflamação e sangramento da gengiva, presença de tártaro, mobilidade dos dentes, salivação excessiva, dentre outras. Além disso, pode levar à perda dos dentes e pode comprometer o coração, pulmão, fígado, rins e outros órgãos vitais.

A melhor forma de prevenir esta doença é, portanto, utilizar alimentos, brinquedos e cremes dentais específicos. Todavia a escovação diária dos dentes é o método mais eficaz para remover a placa bacteriana e manter a saúde clínica do animal.

Cardiomiopatia Dilatada Felina

A cardiomiopatia dilatada (CMD) é uma doença degenerativa do miocárdio caracterizada por dilatação ventricular e diminuição da contratilidade cardíaca. Nos anos 80, foi associada à deficiência de taurina na dieta dos gatos. A partir daí, a suplementação desse aminoácido nas dietas comerciais de felinos diminuiu muito a incidência dessa doença.

Os sinais clínicos são variados, sendo que a dispneia é o sinal mais comum. O diagnóstico definitivo é definido através do exame eco doppler.

Ocorre mais frequentemente em gatos machos, de 6 a 9 anos, de raças como Ragdoll, Persas e Maine Coons.

Rim Policístico

A doença renal felina, comumente conhecida como a Síndrome dos Rins Policísticos, é uma doença genética que acomete frequentemente os gatos. É caracterizada pelo crescimento de múltiplos cistos nos rins, que acabam por comprometer a função renal e causam falência do órgão, ou seja, causa insuficiência renal.

A doença, no entanto, pode estar presente desde filhote, e pode não apresentar sintomas até os 7-8 anos de idade, quando o dano renal já pode ser importante.

Intertrigo

Intertrigo é o nome dado ao distúrbio causado pelo atrito de dobras cutâneas.

Acomete as regiões de pregas e dobras cutâneas, tais como as pregas da face dos gatos braquicefálicos, como o Persa. 

O atrito entre as dobras, a umidade acumulada entre elas, a pouca exposição ao ar e sol destas, podem acabar causando uma infecção de pele. Isso, gera um habitat ideal para proliferação bacteriana, pois torna-se úmido, quente e protegido da luz.

Tricobezoar

Tricobezoar é o nome complicado para bola de pelo. De fato, os Persas, por terem um pelo tão denso e uma troca tão frequente, estão propensos a formarem bolas de pelos maiores do que o aceitável que podem se tornar obstruções do sistema gastrointestinal.

Normalmente os gatos regurgitam as bolas de pelo. No entanto, por vezes elas acumulam-se no estômago. Quando isto acontece, o veterinário deve intervir o quanto antes para resolver o problema.

Para prevenir as bolas de pelo deve-se, portanto, escovar o gato persa diariamente, eliminando assim o pelo morto.

Considerações finais

Antes de mais nada, quem opta por adotar ou comprar um gato, deve assumir a responsabilidade de cuidar do animal providenciando alimentação de qualidade, higiene, entretenimento, amor e cuidados veterinários sempre que necessário.

Outro fator importante que muitas vezes é esquecido ou até mesmo subestimado pelos tutores de gatos é providenciar o devido confinamento. Ou seja, recomenda-se que os tutores de gatos utilizem telas na residência, providenciem um gatil, mas não permitam que seus gatos passeiem livremente na rua.

Isso é recomendado porque na rua há, sem dúvida, grande chance de brigas, acidentes, contaminações que podem causar a morte de seu felino. Além disso, sendo o Persa um gato lindo e amigável, pode ser facilmente roubado.

Referências Bibliográficas:

BICHARD,S. J.; SHERDING,R. G. Manual Saunders: Clinica de Pequenos Animais. 2 ed. Sao Paulo, Roca, 2003.

KINDERSLEY, D. GATOS. Rio de Janeiro: JB indústrias gráficas S.A.