Uma das situações mais difíceis de perceber é a doença de gato. Isso por serem os bichanos resistentes a várias doenças, e por normalmente eles não demonstrarem que estão doentes ou sentindo dor. Por isso, é que são conhecidos por possuírem sete vidas.

Gatos, assim como os cães também, são resultado de diversos cruzamentos ao longo do tempo, por isso possuem uma genética mais propensa a desenvolver determinadas doenças. Portanto, é necessário ter cuidado e estar sempre atento aos pets, para que essas doenças sejam tratadas logo no início.

Ao contrário do que se pensa, os felinos são animais extremamente sensíveis às mais variadas doenças! Portanto, são animais com facilidade de adquirir e muitas vezes mascarar as doenças, devido ao seu comportamento.

Abaixo segue alguns exemplos das doenças que podem acometer os gatos!

Algumas doenças de gatos

Os gatos são  independentes e podem portar alguma doença de gato.

Os gatos são independentes e podem portar alguma doença de gato.

Os felinos são animais independentes, e muitas vezes por falta de uma orientação adequada, seus proprietários permitem as ditas “voltinhas”.

Dessa maneira, seus bichanos se expõe as mais diversas doenças e situações de risco!
Abaixo segue alguns exemplos das principais enfermidades:

PIF – Peritonite Infecciosa Felina

São abscessos que se desenvolvem em lugares diferentes do corpo e que são transmitidos por vírus. Esses vírus podem ser contraídos de outros gatos ou pela mãe durante o aleitamento. Essa doença de gato é fatal e não há cura para ela, somente tratamento sintomático, com intuito de prolongar a qualidade de vida do animal.

FIV – Vírus da Imunodeficiência Felina

Transmitido por vírus durante as brigas, uma vez instalado no organismo começa a debilitar o animal. Mas, uma vez contraída, o gato pode viver muitos anos até que seja descoberta a doença. É também chamada de AIDS felina. Também tratamento sintomático, assim como no ser humano!

PKD – Rim Policístico

Causam disfunção renal e podem se desenvolver durante a gestação. O diagnóstico pode ser feito em gatos com dez meses de idade através do exame de DNA. Mas também pode ser feito em gatos com dez semanas e o resultado tem 100% de confiabilidade.

FELV – Vírus da Leucose Felina

Outra doença de gato é a Leucose felina. Tal como a FIV, é uma doença imunodepressiva que tira a capacidade do organismo de reagir à simples doenças. Portanto, debilitando o gato, o que pode vir a ser fatal. Para esta doença existe vacina.

Coriza

Essa doença do aparelho respiratório pode ser provocada por dois tipos de vírus: calicivírus e herpesvírus, que causam lesões na mucosa respiratória. Os sintomas são os mesmos nos dois casos e é bem debilitante.

Panleucopenia

É uma doença de gato que diminui os glóbulos brancos. Causada pelo parvovírus é uma doença letal. A fêmea gestante pode provocar malformações irreversíveis nos fetos.

Leucose

É uma doença de gato que diminui os glóbulos brancos. Causada pelo parvovírus é uma doença letal. A fêmea gestante pode provocar malformações irreversíveis nos fetos.

Raiva

Transmitida por um rabdovírus, pode ser evitada através da vacinação.

Clamidiose

Causada por bactéria, essa doença de gato afeta os olhos com conjuntivite severa e pode também atacar os pulmões. Por existirem vários tipos dessa bactéria, torna-se difícil a identificação exata do agente responsável pela doença.

Doença de gato transmitida ao ser humano

A doença de gato pode ser transmitida ao homem.

A doença de gato pode ser transmitida ao homem.

A única maneira de se proteger de uma transmissão de uma doença de gato, é cuidando bem do seu bichano. Embora existam zoonoses transmitidas pelos gatos, os cuidados básicos como boa alimentação, água limpa, limpeza da caixa das necessidades, como manter o gato dentro de casa, são medidas que podem fazer toda a diferença para a proteção. Algumas doenças transmitidas pelos gatos:

Alergia Respiratória

Algumas pessoas não podem ter gato por causa da alergia que eles podem provocar. Isso ocorre devido a uma proteína que os bichanos possuem no organismo, chamada glicoproteína. Tal proteína faz com que apareçam coceira nos olhos, espirros, falta de ar e asma em humanos.

Toxoplasmose

Causada pelo protozoário toxoplasma gondii, essa doença de gato é transmitida através das fezes do felino. Portanto, não deve ser dado ao gato carne e leite crus, pois podem estar contaminados com o protozoário. E em consequência disso, as fezes sairam contaminadas também. Deve-se usar luvas para recolher as fezes do gato. Vale se ressaltar que o animal não é o causador! O gato atua como agente intermediário da doença, sendo que ele se contamina uma única vez durante toda sua vida.

Bartonella Henselae

Essa é uma bactéria transmitida pelo arranhão do gato na pele humana. E atinge principalmente pessoas com imunidade baixa, devido ao uso de medicamentos para tratamento de AIDS, câncer ou transplantes. Essas pessoas devem evitar o contato com gatos.

Esporotricose

A esporotricose também conhecida por doença da roseira, é causada pelo fungo Sporotrix Schenkii, bastante comum na natureza. Portanto, é muito fácil do gato entrar em contato com ele, principalmente aqueles com acesso à rua ou o jardim que frequentam.

Normalmente, o fungo se desenvolve em locais quentes e úmidos, sendo muito comum em climas tropicais. A sua transmissão ao homem é através dos arranhões, e a melhor forma de prevenir a sua proliferação é mantendo sempre os locais do seu bichano devidamente limpos, especialmente a sua caixa de areia.

Ao contrário de outras doenças de pele, as lesões causadas pela esporotricose não costumam causar coceira, mas é comum a falta de apetite e a perda de peso.

Síndrome de Larva Migrans Visceral

A melhor maneira de se proteger dessa zoonose é dando vermífugo ao gato com regularidade. Principalmente se ele frequenta a rua. Vale ressaltar que essa administração de vermífugo deve ser acompanhada e monitorada sempre por um veterinário!

Ancilostomíase

É um parasita que entra no organismo da pessoa através da pele. Também nesse caso, a melhor maneira de evitar essa doença de gato, é vermifugar o bichano e ensiná-lo a fazer as necessidades sempre na caixa de areia.

Vamos falar um pouco sobre gatos em geral

Os gatos vem de uma família de felinos carnïvoros e também podem portar doença de gato.

Os gatos vem de uma família de felinos carnïvoros e também podem portar doença de gato.

Os felídeos são uma família de animais carnívoros, sendo mamíferos tigrados. Tal espécie surgiu há 25 milhões de anos na Terra no período oligoceno, que é o período em que menos surgiram novos mamíferos.

Existem duas famílias de felídeos: pantherinae que agrupa os grandes felinos como a onça, e a família dos felinae que agrupa os menores, como a jaguatirica e o nosso querido gato doméstico. A família Felinae surgiu há 12 milhões de anos.

Características dos felinos: todos, sem exceção são carnívoros. As espécies selvagens são naturalmente solitárias, e os domésticos se chegarem a viver livres na natureza, podem chegar a formar grupos. Portanto, normalmente não são gregários. E são esses últimos que podem transmitir as doenças de gato citadas anteriormente.

Vale à pena dizer, que os gatos tem hábitos noturnos. Também são discretos e preferem lugares de difícil acesso. No entanto, podem ser encontrados em ambientes diferentes, espalhados pelo planeta. Exceto em duas regiões: Australásia (parte oriental da Indonésia) e Antártida.

Gatos Domésticos

Gato doméstico pode portar e transmitir doença de gato.

Gato doméstico pode portar e transmitir doença de gato.

Os gatos domésticos atuais são uma adaptação evolutiva dos gatos selvagens. Foram feitos cruzamentos entre várias espécies para que chegassem ao tamanho e comportamento dos que vivem nas áreas urbanas.

Hoje são menores e menos agressivos. Mas consequentemente as doenças de gato as quais foram abordadas nesse artigo provém sempre dos gatos domésticos.

A interação entre homens e gatos começou há cerca de 9500 anos atrás nos vales férteis onde se desenvolvia a agricultura do Oriente Médio. Com o plantio, os roedores começaram a aparecer e foi quando o gato entrou em cena. Embora hoje exista a afirmativa de que os gatos são péssimos caçadores de ratos.

Do Egito eles foram levados clandestinamente para a Pérsia. E daí em diante sua popularidade começou a se espalhar pelo mundo. De simples caçadores de ratos, passaram a ser considerados animais de luxo, ostentados pelas damas da alta sociedade. E foi a partir de então também que as doenças de gatos passaram a ser transmitidas ao homem.

Em consequência dessa ascensão, a genética começou a ser melhorada e o primeiro gato com raça definida foi o Persa. Foi quando a raça foi levada para a Europa pelo italiano Pietro Della Valle. Daí tira-se uma boa curiosidade. A primeira exposição de gatos de raça que se tem notícia foi em Londres em 1871.

Características do gato doméstico

A média de peso do gato doméstico fica entre 2,5 e 7kg, mas, em algumas raças como o Maine Coon por exemplo, esse peso pode chegar até 12kg. Acima disso, se ocorrer, será por excesso de alimentação. A média de vida é de 15 a 20 anos, por isso, é bom manter o bichano dentro de casa para evitar contrair uma doença e assim viver mais. Doença de gato não é nada fácil de tratar!

Sabe como esses felinos caseiros conservam sua energia? Dormindo a maior parte do tempo. A duração média do período de sono varia em média entre 13 a 14 horas de sono. Alguns chegam a dormir 20 horas por dia.

São os mestres do equilíbrio e da flexibilidade, por isso, conseguem planejar o salto e até mesmo a queda para cair em pé. Eles precisam de apenas 90 cm para se virarem e preparar o salto. Verdadeiros ninjas! Os passos são precisos, portanto, conseguem colocar a pata diretamente sobre a pegada anterior, evitando ruídos e trilhas muito nítidas.

Popularidade

Desde que o gato passou a dividir os espaços com os seres humanos, que ele tem sido destacado para vários segmentos da sociedade. Além de presentes nos lares e na natureza, são símbolos místicos de muitas crenças e também muito requisitados no mundo artístico.

Prova disso, é a presença deles nos desenhos animados, nas tirinhas de jornais, nos contos infantis, fábulas, contos de fada e filmes para televisão e cinema. É sem dúvida uma figura carismática que agrada crianças e adultos. E por isso, para que essa presença se torne constante, é que precisamos cuidar de sua saúde e evitar que transmitam a nós uma doença de gato.

Atenção tutores! Todo o conteúdo publicado no portal Vidanimal é de caráter APENAS informativo e não pretende substituir o aconselhamento médico ou a consulta veterinária com relação à sintomas, tratamentos ou diagnósticos.

O nosso compromisso e objetivo é levar a informação até você através de conteúdos relevantes e gratuitos sem qualquer pretensão de prescrever substâncias, receitas, remédios ou tratamentos veterinários ou de substituir a opinião e orientação de profissionais especializados e qualificados em suas respectivas áreas de atuação.

O Vidanimal Não recomenda que seus leitores façam tratamentos ou utilize substâncias em seus animais por conta própria, mesmo que naturais, sem a indicação de um veterinário. Não automedique o seu animal sem antes consultar um veterinário!

Assim, por mais completo e detalhado que o artigo aqui publicado venha a ser, ele é apenas complementar e para fins informativos. Portanto, nenhum conteúdo aqui produzido substitui uma consulta veterinária.

Os conteúdos aqui fornecidos não possuem qualquer tipo de garantia, sendo a sua utilização de risco assumido pelo próprio usuário. No entanto, jamais publicaremos alguma informação ou produto que não tenha sido pesquisado, que não tenha respaldo técnico ou que não tenha sido avaliado por um especialista.

Todas as correções e revisões passam pela nossa equipe editorial, sendo avaliadas pelos profissionais capacitados de nossa equipe.

Correções e revisões feitas pelo médico(a) veterinário(a) Dr. Patrick Rafael Teixeira Batista, CRMV/SP:26050