in

Dandie Dinmont Terrier

Dandie Dinmont Terrier

O Dandie Dinmont Terrier é uma raça canina de origem escocesa da família terrier. Originalmente criado para caçar lontras e texugos, e apelidado de “cavalheiro da família terrier”, devido ao seu comportamento calmo e reservado, ele ainda retém a sua tenacidade terrier e amor pela caça. O Dandie Dinmont Terrier é amável, atencioso, e afetuoso. São excelentes companhias por terem um temperamento equilibrado. Mas como muitos terriers, eles também são teimosos, persistentes, independentes e determinados.

Índice de conteúdo:

Ficha Técnica da raça Dandie Dinmont Terrier

Origem: Reino Unido (Escócia)
Data de origem: 1700
Grupo de Raças: FCI Grupo 03 – Cães Terriers / AKC Terrier / UKC Terrier.
Função original: cão trabalhador, caça
Função atual: cão de companhia
Outros nomes ou apelidos: Dandie, Hindlee Terrier
Tamanho: porte pequeno
Altura: de 20 cm a 28 cm
Peso: de 8 kg a 11 kg
Cores: preto azulado, castanho dourado (pimenta e mostarda)
Pêlos: mistura de pêlos duros e macios, longos, lisos.
Manutenção: regular, escovações semanais
Expectativa de vida: cerca de 11 a 13 anos.
Filhotes: cerca de 3 a 6 filhotes de Cairn Terrier por cria.
Reconhecimento (Canil): ACA / ACR / AKC / ANK / APRI / CET / CKC / CKC / DRA / FCI / KCGB / NAPR / NKC / NZKC / UKC.

Introdução à raça Dandie Dinmont Terrier

cao-dandie-dinmont-intro
Dandie Dinmont Terrier adulto em meio a um campo de flores amarelas.(Créditos/Copyright: “Por Vera Zinkova/Shutterstock”)

O Dandie Dinmont Terrier possui uma aparência única e a distinção de ser o único cão a receber um nome em homenagem a um personagem fictício de um romance literário de Sir Walter Scott, “Guy Mannering”, publicado em 1814.

No livro, o escritor descreve um fazendeiro que possuía seis pequenos terriers — três com a cor “sal e pimenta” e três na tonalidade “mostarda”, cores características da raça. O nome do fazendeiro era Dandie Dinmont e os cães ficaram conhecidos como os terriers do Dandie Dinmont, adotando assim o nome para a raça. Até as designações de cores da raça vieram do livro. O fazendeiro os chamava com variações entre mostarda e pimenta, e até hoje as duas cores da raça são conhecidas por Pimenta (preto azulado) e Mostarda (tons de marrom dourado).

Este cachorro baixo, de corpo mais longo que alto e um “tufo” de cabelo na cabeça tem sido reproduzido por muitos anos antes que ele ganhasse fama com o livro. O seu tamanho pequeno e necessidades moderadas de exercícios faz dele um cachorro super adequado para viver tanto na cidade como no campo, precisando apenas de longas caminhadas diárias ou brincadeiras em locais seguros e calmos. Uma vez com suas necessidades satisfeitas, ele ficará feliz em deitar-se ao seu lado ou seguí-lo pela casa enquanto você faz suas atividades diárias.

Embora seja considerado um “cavalheiro”, o Dandie é puro Terrier quando a oportunidade se apresenta. Qualquer oportunidade para perseguir alguma presa em potencial traz de volta a sua natureza terrier, e pode torná-lo agressivo com outros cães que ele não conheça. Alguns Dandie Dinmont Terriers machos podem ser agressivos com outros machos mesmo vivendo na mesma casa. Por esta razão, não é recomendável juntar dois machos no mesmo convívio.

Com a sua família, ele é afetuoso e cômico, mas estranhos serão saudados com reserva, pois são desconfiados. Porém, com uma socialização adequada, eles são capazes de evoluir em novos ambientes. Eles possuem instintos protetores naturais com relação ao lar e seus familiares. Dandies que vivem com gatos desde pequenos podem ter um bom convívio e se dar bem, mas outros gatos da vizinhança podem não desfrutar da mesma cortesia.

A sua natureza alerta também faz dele um excelente vigia, capaz de soar o alarme quando qualquer um se aproxime, conhecido ou estranho. De bônus, ele ainda será capaz de livrar a sua casa de qualquer roedor que se atrever a entrar.

Por causa do seu alto nível de inteligência, o Dandie não é difícil de ser treinado. Eles possuem uma certa teimosia, por isso podem não obedecer a todos os comandos. Seja paciente. Treine o Dandie com firmeza e consistência, mais muito esforço positivo na forma de elogios, brincadeiras e recompensas com comida.

Eles ficam entediados com tarefas repetitivas, por isso faça do treinamento uma tarefa divertida, e você se surpreenderá com a rapidez que o Dandie aprende e o quanto ele é esperto.

Dandies são mais quietos que outros terriers, mas qualquer terrier pode se tornar um incômodo de tanto latir se deixado sozinho por muito tempo ou sem supervisão. Ensine-o quando ele puder latir e quando terá que ficar quieto.

É melhor mantê-los também sempre na coleira em áreas que não sejam cercadas, pois eles podem sair correndo atrás de qualquer coisa que se mova. Confine o Dandie Dinmont em um jardim seguramente cercado e não terá problemas. Uma cerca eletrônica não é capaz de detê-lo se ele enxergar algo que deseje perseguir. Lembre-se também que, como um terrier, eles também gostam de cavar. Dê a ele o seu próprio local para cavar ou ele fará um novo paisagismo no seu jardim todos os dias.

Dandie Dinmont Terriers normalmente são bons com crianças se forem criados juntos. Sempre supervisione cachorros e crianças para evitar que ambos se comportem bem uns com os outros.

Lembre-se que crianças não devem ser deixadas sozinhas com cachorros de raça algum, incluindo o Cairn, e adultos responsáveis devem supervisionar sempre a interação entre crianças e cachorros.

Origem da raça Dandie Dinmont Terrier

A maioria dos Terriers são originários da Inglaterra e muitas vezes desenvolvidos para trabalhar em um tipo específico de terreno ou pedreira. Há evidências de que Dandie Dinmont Terriers foram criados em meados de 1700s, mas as histórias sobre como a raça foi desenvolvida são conflitantes.

A origem da raça

Os cães que se tornaram Dandie Dinmont vieram de Cheviot Hills, área de fronteira entre a Inglaterra e a Escócia, onde eles costumavam caçar lontras e texugos. Alguns acreditam que eles sejam cruzamentos entre Otterhounds e terriers locais. Outros dizem que a raça evoluiu de terriers de pêlos-duros muito comuns em fazendas.

Há também quem diga que a raça foi desenvolvida a partir de cruzamentos entre terriers e Dachshunds (embora não esteja claro como Dachshunds, sendo desenvolvido na Alemanha, poderia ter tal proximidade com terriers). Seja qual for a teoria, o fato é que os Dandies são uma das raças de terriers mais antigas, conhecidos por cerca de 300 anos, e provavelmente desenvolvidos a partir do Terrier Escocês (agora extinto) e do Skye Terrier.

A origem do nome

Ao contrário de outras raças, o Dandie não mudou muito desde 1700s, e por toda a sua existência, o Dandie foi apreciado por todas as classes, desde nômades, fazendeiros, nobreza e até realeza. Inicialmente, o Dandie foi criado por ciganos e utilizado por fazendeiros para caçar pestes.

E embora Dandies fossem bem estabelecidos e criados de acordo com os seus padrões por muitos anos, eles não tinham um nome até que foram mencionados no romance de Sir Walter Scott — Guy Mannering —, publicado em 1814. Antes disso, terriers de todos os tipos eram simplesmente chamados de terriers. Como dono de vários Dandies, o autor descreve estes cães em seu livro como sendo de um fazendeiro chamado Dandie Dinmont.

E assim, por causa do livro, a raça passou a ser chamada Dandie Dinmont Terrier. Sem dúvida, a Rainha Victória conheceu os Terriers em uma das suas viagens à Escócia — talvez até depois de ler o romance de Sir Walter Scott — e acabou ficando com um para ela.

O padrão Dandie Dinmont Terrier oficial

Em 1875, o Clube Dandie Dinmont Terrier foi formado na Escócia, sendo hoje o terceiro clube de raça mais antigo do mundo. Seu padrão de raça foi criado, apesar de muitos criadores não concordarem sobre o seu tamanho correto na época, e logo depois um acordo foi feito e Dandies passaram a ter o mesmo tamanho através de emenda em 1920.

Em contrapartida, o padrão permaneceu o mesmo na Inglaterra e em outras partes do mundo como foi inicialmente escrito em 1876 para mais de 100 anos. Em 1987, o Clube Inglês e muitos outros alteraram um pouco da descrição deste padrão, e através dos anos, o padrão americano tem sido modificado e revisado. Hoje o Clube Canadense Dandie Dinmont Terrier é o único no mundo que ainda usa o padrão original da raça como guia.

O Dandie no mundo até os dias de hoje

Dandie Dinmonts se tornaram muito populares na Inglaterra ao final do século XIX. Não se sabe quando eles foram levados para os Estados Unidos, mas a AKC registrou o primeiro Dandie em 1886.

Anos antes da Segunda Guerra Mundial haviam muitos canis que reproduziam Dandies. Durante a guerra, no entanto, muitos destes canis foram desfeitos, alguns até mataram seus cães pois não havia comida suficiente e disponível para alimentá-los ou pessoas para cuidar deles.

Depois da guerra, criadores dedicados trabalharam duro para restabelecer a raça. Um dos canis mais famosos, Bellmead Kennels, na Inglaterra, reproduziu um exemplar que chegou a vencer em muitas exposições, e Bellmead continuou a reproduzir Dandies até o início de 1990, quando o canil foi vendido.

Embora ainda possuam muitos dos seus talentos naturais de caçador, os Dandie Dinmont Terriers são normalmente usados como cães de companhia nos dias de hoje. Eles são uma das raças mais raras e mais em perigo de extinção de todas as raças puras, e muitos temem que a raça desapareça por completo.

Aparência do Dandie Dinmont Terrier

cao-dandie-dinmont-aparencia
Dandie Dinmont Terrier na cor mostarda e toda a sua exuberância e topete. (Créditos/Copyright: “Por Capture Light/Shutterstock”)

Dandie Dinmont Terriers são cães de aparência muito distinta que, infelizmente, estão ficando raros. Ao contrário da maioria dos terriers, Dandies possuem um corpo proporcional, levemente mais longo que alto, com muitas curvas em sua forma.

Suas costas se arcam sobre o seu quadril e cai levemente na base da sua cauda, que se curva como uma cimitarra (espécie de espada de lâmina curvada). Dandies possuem peito e costas longas. As pernas da frente são curtas e poderosas com patas que se viram levemente para fora para cavar. As pernas traseiras são levemente mais longas que as da frente, e não tão pesadas.

O crânio é largo entre as orelhas, afinando gradualmente até os olhos, castanhos escuros também, grandes. Eles possuem cabeças grandes, abobadadas, com um topete sedoso, pescoço musculoso, testa robusta, parada pronunciada e bem definida, focinho profundo e nariz escuro. Seus dentes se fecham em mordida de tesoura e seus lábios escuros. As orelhas são pendentes, caídas sobre as bochechas, nada comum entre terriers, abaixo do crânio e franjadas nas pontas.

A pelagem tem cerca de 5cm de uma mistura de pêlos duros e macios. Os pêlos da parte de cima do corpo do cão são mais duros que os pêlos da parte de baixo que são mais sedosos e à prova d’água. Sua cabeça é coberta por um topete ainda mais sedoso e macio.

Tipicamente, as pernas e patas são mais escuras com as cores mais claras do corpo se misturando devagar entre as pernas. As cores possuem duas variedades: “pimenta” ou “mostarda”. A primeira varia entre um preto azulado escuro até um cinza bem mais claro quase prateado, enquanto o mostarda varia de castanhos avermelhados até o bege onde a cabeça parece quase branca.

A cor dos pêlos irão mudar durante toda a sua vida, normalmente se fixando aos 8 meses de idade, mas o Dandie continua a amadurecer fisicamente até atingir 2 anos de idade. Filhotes mostarda nascem com pêlos castanho escuro que clareia até vários tons de vermelho até a idade adulta. Filhotes pimenta nascem preto e castanho que vai prateando mais tarde na vida. Pêlos pimenta possuem topetes prateados e pêlos mostarda possuem topetes cremes.

Ambiente Ideal para o Dandie Dinmont Terrier

cao-dandie-dinmont--ambiente
Dandie Terrier descansando sobre o deck do jardim de sua casa. (Créditos/Copyright: “Por Czesznak Zsolt/Shutterstock”)

O Dandie Dinmont Terrier é altamente adaptável e pode viver feliz tanto na cidade ou no campo. Dandies são bons para a vida em apartamento ou lares menores desde que tenha tempo para conviver com a sua família. São pouco ativos dentro de casa, e um pequeno jardim é o suficiente para brincar se ele tiver chances de sair para fazer suas caminhadas diariamente.

Temperamento & Personalidade do Dandie Dinmont Terrier

cao-dandie-dinmont-temperamento
Dandie Dinmont Terrier “pimenta” dormindo tranquilo entre as cadeiras da varanda. (Créditos/Copyright: “Por Czesznak Zsolt/Shutterstock”)

O temperamento de qualquer cão é afetado por inúmeros fatores, incluindo hereditariedade, treinamento, e socialização. Como todo cão, o Dandie Dinmont Terrier precisa de socialização desde filhote — o exponha à diferentes pessoas, locais, sons, cenas e experiências. A socialização ajuda a garantir que o seu Dandie cresça saudável tornando-se um cão bastante sociável.

O Dandie Dinmont é uma companhia deliciosa e alegre. Ele é afetuoso e se desenvolve bem na companhia de sua família. O Dandie é uma boa companhia para crianças, especialmente se forem criados juntos, mas se daria melhor em lares com crianças maiores. Ele costuma entender quando a criança está feliz ou alegre, e adapta o seu próprio comportamento de acordo com o humor da criança.

Embora tenha uma boa natureza, o Dandie tem um lado independente na sua personalidade, graças a sua herança Terrier: cheio de vida, corajoso, tenaz e inteligente. Com as pessoas que conhece, são afetuosos, mas tendem a ser reservados com estranhos. Enquanto possuem suas próprias ideias sobre as coisas, também são ávidos para agradar seus donos e brincar com eles.

Mas também por causa da sua herança de terrier caçador, não é recomendável colocá-lo para viver com outros animais de estimação que não sejam caninos, como por exemplo hamsters, coelhos, ratinhos e porquinhos da índia. Gatos, tudo bem, se forem criados juntos desde filhotes com uma socialização e treinamento adequados, pode ser que não hajam problemas.

Como a maioria dos terriers, Dandies também possuem uma enorme auto-confiança, mas não costumam ter um temperamento explosivo como muitos deles. Dandies não costumam provocar brigas ou arrumar confusão, mas também não irão desistir de uma se forem provocados ao limite. Em geral, seu lema é: “viva, e deixe viver”.

Por serem cães mais do tipo reservados, não costumam ficar latindo muito, se comparados aos seus primos terriers. Dandies latem quando necessário, e seu latido é profundo e alto. Eles podem ser ótimos vigias e irão latir ao som de novos visitantes ao lar. Eles só não irão continuar latindo após terem soado o alarme e alguém notado ou apenas para ouvir o som do seu próprio latido.

Por causa do seu tamanho, muitos Dandie Dinmont Terriers desenvolvem Síndrome do Cão Pequeno, comportamentos humanos induzidos em que o cachorro pensa ser o rei da casa. Cães com esta síndrome são levados a acreditar que são donos de seus humanos e tudo ao redor, e assim, fazem o que for possível para defender aquilo que possuem.

Este tipo de comportamento pode causar vários níveis de problemas comportamentais como teimosia extrema, determinação exagerada, guarda excessiva de objetos e locais, ansiedade de separação, dificuldade em obedecer, timidez, surtos de agressividade com estranhos ou até mesmo familiares, ataques de mordidas, latidos excessivos, cavar e roubar comida, enquanto o cachorro tenta manter seus humanos e todo mundo ao seu redor na linha.

Estas não são características naturais do Dandie Dinmont, mas comportamentos que surgem pela falta de liderança firme e consistente do dono que deve impor regras e limites sobre o que pode e o que não deve ser feito pelo cachorro dentro de casa, junto a caminhadas diárias com o líder do bando.

“Problemas podem surgir quando a pessoa não consegue distinguir um comportamento natural canino confundindo com emoções humanas, acabando com um cão que pensa que é o dono da casa. Mesmo sendo uma raça de porte pequeno, a pessoa PRECISA entender e seguir à risca o conceito de como manter um cachorro na linha em casa”.

Logo que os humanos tomam o controle da situação, e os instintos naturais dele forem supridos, os comportamentos negativos irão regredir dando espaço para que o seu Dandie Dinmont seja uma companhia maravilhosa e leal que ele sabe ser.

O Dandie Dinmont Terrier perfeito não nasce perfeito, ele é produto da sua hereditariedade e criação. Seja lá o que você deseja dele, procure por um que tenha tido pais com boa personalidade e que tenham sido socializados desde filhotes. Qualquer cão pode desenvolver níveis desagradáveis de latidos, cavações e outros comportamentos inadequados se estiver entediado, destreinado ou não supervisionado.

Compre um filhote que tenha sido criado em casa e tenha certeza de que ele foi exposto a diferentes locais e sons, assim como pessoas antes de ir para outro lar. Continue socializando-o sempre levando a casa de amigos e vizinhos, assim como a passeios públicos.

Antes de comprar um filhote, procure saber como escolher o filhote ideal e não deixe de conversar com o seu criador, descreva exatamente o que você procura em um cãozinho, e peça ajuda para escolher um filhote. Os criadores costumam conviver com filhotes todos os dias e podem dar excelentes recomendações uma vez que saibam um pouco sobre o seus estilo de vida e personalidade.

Os filhotes que possuem bons temperamentos costumam ser curiosos e brincalhões, costumam se aproximar das pessoas e gostam de ser carregados por elas. Escolha sempre o filhote que seja um meio-termo, não aquele que estiver mordendo ou judiando dos outros filhotes, nem aquele que estiver timidamente acuado em um cantinho.

Tente sempre conhecer um de seus pais — normalmente é a mãe que fica disponível — para garantir que que ele tenha um temperamento que te faça sentir-se confortável com ele. Conhecer irmãos ou outros parentes também ajuda a avaliar como o filhote será na idade adulta.

Cuidados e Manutenção do Dandie Dinmont Terrier

Comece a acostumar o seu Dandie Dinmont Terrier à ser escovado e examinado desde filhote. Mecha em suas patas com frequência — os cães costumam ser sensíveis com relação às suas patas — e olhe dentro de sua boca e orelhas.

Torne essa manutenção uma experiência positiva cheia de elogios e recompensas, e assim você irá construir a base para exames veterinários e idas ao petshop mais fáceis de se lidar. Uma introdução cedo mostra para o independente Dandie que manutenção é um hábito normal da sua vida, e o ensina a aceitar com paciência todo o processo.

Ao checá-lo, procure por machucados, arranhões, feridas ou sinais de infecção como vermelhidão, inchaço, ou inflamação na pele, nas orelhas, nariz, boca, olhos e patas. Este rápido exame pode levar a diagnósticos mais cedo e evitar maiores problemas de saúde.

Escove os seus dentes 2 ou 3 vezes na semana para remover tártaro e bactéria que proliferam dentro da boca – diariamente é ainda melhor para prevenir gengivite e mau hálito e ainda evitar o caimento de dentes precoce.

Corte suas unhas uma ou duas vezes ao mês se não forem gastas naturalmente para evitar lágrimas dolorosas e outros problemas. Se você pode ouvir suas unhas batendo no chão, elas estão longas demais. Unhas caninas possuem artérias, se você cortá-las demais causará sangramento — e o seu cão pode não querer cooperar nas próximas vezes. Por isso, se você não tiver experiência ou não se sentir confiante para a tarefa, procure ajuda profissional. Cheque também suas orelhas uma vez por semana por sujeira, vermelhidão ou mau cheiro que possam indicar infecções. Limpe-as semanalmente usando loção de de PH equilibrado para evitar maiores problemas.

O Dandie Dinmont Terrier possui uma aparência bastante peculiar que exige cuidados e manutenção regulares. Seus pêlos devem ser cortados à tesoura e moldados a cada 4 a 6 semanas para manter a sua boa aparência. Se você cortar os pêlos ao invés de desfiá-los, a cor e a textura irá mudar, ficando mais macia e mais leve. Escovações regulares são necessárias para esta raça de pêlos longos.

Em casa, ele precisa ser escovado várias vezes na semana, 2 a 3 vezes, com uma rasqueadeira macia para evitar e remover nós e embaraços. Complete a sua manutenção cortando os pêlos da parte de cima do focinho, e mantendo os cantos dos olhos sem pêlos.

O resto das penugens — os pêlos longos das patas, debaixo do corpo e cabeça — podem ser cortadas com tesouras, assim como os pêlos entre as almofadinhas das patas. Pêlos das orelhas devem ser arrancados de maneira gentil regularmente.

A boa notícia é que a raça não solta muitos pêlos, e parte da sua boa manutenção involve arrancar pêlos mortos uma ou duas vezes por ano. Cachorros de exposição exige mais vezes. Eles são arrancados para encorajar o crescimento de novo. Banhos apenas quando necessário. Um profissional familiarizado com a raça pode fazer este trabalho se você não tiver tempo ou a habilidade necessária, ou você mesmo pode aprender a fazer tudo isso.

Saúde do Dandie Dinmont Terrier

Sabe-se que cada raça de cachorro tem predisposição a determinadas doenças. O Dandie Dinmont Terrier, não passa ileso à essa regra. Isso, porém, não significa que todos os indivíduos da raça terão as patologias descritas no artigo, e sim que há chance de desenvolvê-las ao longo da vida.

Por isso, é muito importante que o tutor conheça os riscos de condições de saúde e doenças comuns, para preveni-los ou tratá-los o quanto antes.

Primeiramente, quando decidimos comprar um cão de uma raça específica, é muito importante comprá-los de criadores éticos e responsáveis. Por isso, procure conhecer o trabalho do criador e os pais do seu filhote. Verifique se os pais possuem alguma doença que possa ser eventualmente transmitida à próximas gerações. Questione o criador sobre isso.

Problemas oculares

O Dandie Dinmont Terrier tem predisposição ao desenvolvimento de glaucoma primário. Ou seja, uma doença caracterizada pela elevação da pressão intra-ocular e pela morte de células da retina e do nervo óptico. Pode causar cegueira irreversível. Provoca vermelhidão nos olhos, aumento de volume do globo ocular, lacrimejamento, edema de córnea e dor.

Distúrbios bucais

Doença Periodontal

A doença periodontal é, certamente, o distúrbio mais comum da cavidade oral de cães, principalmente de pequeno porte. Inicia-se por acúmulo de bactérias na superfície dos dentes e progride até os tecidos de sustentação que formam o periodonto, que são gengiva, osso alveolar, cemento e ligamento periodontal.

O principal sinal clínico observado pelo proprietário é, sem dúvida, a halitose. Dependendo do estágio da doença periodontal, esta pode conduzir a conseqüências locais e sistêmicas, como: inflamação e sangramento da gengiva, presença de tártaro, mobilidade dos dentes, salivação excessiva, dentre outras.Além disso, pode levar à perda dos dentes e pode comprometer o coração, pulmão, fígado, rins e outros órgãos vitais.

A melhor forma de prevenir esta doença é, portanto, utilizar alimentos, brinquedos e cremes dentais específicos. Todavia a escovação diária dos dentes é o método mais eficaz para remover a placa bacteriana e manter a saúde clínica do animal.

Problemas osteoarticulares

Displasia coxofemoral

A displasia coxofemoral é um distúrbio muito comum em cães. Trata-se de uma instabilidade causada pela alteração no acetábulo, colo e cabeça do fêmur.

Hereditariedade e o ambiente em que o cachorro vive influenciam, certamente, o surgimento da enfermidade. Por ser transmitido geneticamente, machos e fêmeas que tenham esse problema de saúde não são recomendados para reprodução.

O animal pode começar a desenvolver essa complicação ainda quando jovem. Normalmente surge entre quatro meses e um ano de idade.

Luxação de Patela

Um dos distúrbios ortopédicos mais comuns no Dandie Dinmont Terrier é, certamente, a luxação de patela. Trata-se de deslocamento da patela (ou rótula) de sua posição anatômica normal, que fica no sulco troclear do fêmur, durante a fase de crescimento e adulta dos cães. A causa pode ser congênita ou traumática.

Em caso de luxação da rótula, a pata afetada poderá elevar-se do solo, ou seja, o pet irá tirar claudicar. Esse sinal geralmente costuma aparecer por volta dos 4 meses de idade.

Doença do Disco Intervertebral

A doença do disco intervertebral é uma condição em que os discos de amortecimento entre as vértebras da coluna vertebral causam uma protuberância (hérnia) no espaço da medula espinhal. Estes discos, em seguida, pressionam os nervos que correm através da medula espinhal causando dor, danos nos nervos, e até mesmo paralisia.

Doenças endócrinas

Síndrome de Cushing

Esta doença, também chamada de Hiperadrenocorticismo, afeta principalmente cachorros mais idosos. Entretanto, existem relatos em cachorros jovens. Os sintomas são muito semelhantes aos de outras doenças endócrinas pois provoca letargia, aumento da frequência com que o cachorro urina e aumento da ingestão de água.

Todavia, um sinal muito característico desta doença é a distensão abdominal, ou seja, o cachorro fica com o abdômen bem arredondado. O seu médico veterinário precisa realizar algumas provas complementares, como a análise sanguínea, para chegar a um diagnóstico.

Hipotireoidismo

Distúrbio no qual ocorre uma diminuição na produção de hormônios da tireoide. Provoca letargia, enfraquecimento dos pelos, obesidade e pode ocorrer também escurecimento da pele.

Conduto Auditivo

Otite

A otite canina é, certamente, uma das afecções mais comuns em cães. Trata-se de uma inflamação muitas vezes acompanhada de infecção que acomete o ouvido e que provoca, certamente, muito desconforto e dor aos pets. Pode ter várias causas e afetar partes diferentes do ouvido dos cães. Ela é denominada otite externa, otite média ou otite interna, variando de acordo com o local prejudicado pelo problema.

As otites podem ser causadas por infecções bacterianas, infecções fúngicas, corpos estranhos (água durante o banho, pêlos), alergias (dermatite atópica ou hipersensibilidade alimentar), doenças hormonais, presença de ácaros (Demodex ou Otodectes cynotis), traumatismos e a própria conformação auricular (tipo de orelha).

Outras observações

Certamente, o Dandie Dinmont Terrier, assim como todos os outros cachorros, pode desenvolver outras doenças ao longo da vida, mesmo não tendo predisposição racial. Entretanto, há relatos de que cães desta raça desenvolvem neoplasias com bastante frequência.

Por isso, o acompanhamento anual do médico veterinário, assim como conhecer bem seu próprio cachorro, é essencial para detectar precocemente a presença de alguma patologia.

A raça pode viver de 12 a 16 anos, o que não quer dizer que ele não possa viver por mais tempo. De fato, qualquer cachorro pode estender a sua longevidade desde que se tomem os devidos cuidados com a sua saúde, como oferecer alimentação completa e balanceada, manter o seu peso controlado e estimular corretamente de forma física e mental.

(Correções e revisões feitas pelo médico(a) veterinário(a) Dra. Valentina Vecchi, CRMV/SP:21838)

Atividade & Exercícios do Dandie Dinmont Terrier

cao-dandie-dinmont-atividades
Dandie Terrier dando o seu passeio diário pelo parque exibindo sua pelagem única na cor “mostarda”. (Créditos/Copyright: “Por Capture Light/Shutterstock”)

Dandie Dinmont Terriers precisam de caminhadas diariamente, cerca de duas de 20 a 30 minutos ou sessões de brincadeiras no jardim, no parque ou qualquer outra área segura. Como todos os terriers, cavar está no sangue deles, portanto supervisione enquanto ele brinca no jardim ou dê à ele um local próprio para cavar.

Nunca permita que ele saia correndo sem coleira em áreas abertas que não sejam seguras, o seu instinto de caça pode fazê-lo sair em perseguição a qualquer minuto, seja o animal um esquilo, pássaro outro cachorro ou gato.

O importante é dar os estímulos certos e mais adequados à raça do seu cachorro. Para entender melhor o que pode ou não pode ser feito em termos de exercícios e estímulos, é preciso saber como estimular a mente do seu cão, e ter sempre em mente quais são os cuidados básicos na hora de exercitar o seu cachorro. Existem diversos motivos para exercitar e estimular o seu cão, mas o mais importante deve ser a saúde física e mental dele, sem falar que um cachorro saudável pode viver por muito mais tempo ao seu lado.

Treinamento do Dandie Dinmont Terrier

Treinamento e socialização (o processo em que filhotes ou adultos aprendem como ser amistosos e se dar bem com outros cachorros e pessoas) são essenciais para o Dandie Dinmont Terrier. Comece a treinar o seu filhote no momento que trazê-lo para casa.

Mesmo com 8 semanas de vida ele é capaz de absorver tudo o que você puder ensiná-lo. Não espere até que ele faça 6 meses de idade para começar o seu treinamento ou você terá que lidar com um cachorro muito mais teimoso e difícil de controlar.

Treinar o seu Dandie é relativamente simples, pois eles são uma raça muito inteligente, mas irá requerer um pouco de paciência. Como todos terriers, Dandies pensam de forma independente, e muitas vezes eles podem parecer relutantes a responder aos seus comandos um pouco teimosos. O Dandie Dinmont Terrier exige um dono firme, porém gentil.

Eles também costumam ficar entediados com tarefas repetitivas e possuem um intervalo de atenção curto. Faça do treinamento algo divertido para o Dandie, e você ficará surpreso com a rapidez com que ele aprende e como é inteligente.

Quando o treinamento é divertido, ou seja, mistura técnicas de adestramento com diversão, o resultado é sempre muito mais positivo. Algumas dicas de como se divertir exercitando o seu cachorro poderão ajudar você a treiná-lo brincando. É importante conhecer o seu cão e entender quais são as atividades preferidas do cachorro.

Ao treiná-lo, seu dono deve sempre manter o cachorro ao seu lado ou atrás quando caminhando com ele. O objetivo do treinamento desta raça é obter sucesso no status de líder do bando. É natural para um cachorro haver uma ordem no seu bando. Quando seres humanos vivem junto a cachorros, nós nos tornamos o seu bando. O bando inteiro deve cooperar sob um único líder; os limites são claramente definidos e as regras são colocadas.

O dono e todos as outras pessoas de seu convívio DEVEM estar em uma ordem acima do cachorro. É a única maneira de se obter sucesso nesta relação. Quando treinado e socializado de maneira adequada, o Dandie Dinmont Terrier é capaz de ser um excelente cachorro e companheiro da família.

Ensinar o seu cachorro a deitar, sentar e ficar no lugar é vital para o treinamento de um filhote, procure se informar sobre como adestrar o seu cachorro, é muito comum cometer erros durante o processo de treinamento. O treinamento da caixa é algo também fortemente recomendado para o Dandie.

Não só ajuda no treinamento dentro de casa, mas também serve como um espaço para se acalmar e relaxar, além de evitar que ele saia mastigando tudo por ai enquanto você estiver fora. A caixa é apenas uma ferramenta, não uma jaula, por isso não mantenha-o preso ali por longos períodos. O melhor lugar para o seu Dandie Dinmont Terrier é sempre com você.

Atenção tutores! Todo o conteúdo publicado no portal Vidanimal é de caráter APENAS informativo e não pretende substituir o aconselhamento médico ou a consulta veterinária com relação à sintomas, tratamentos ou diagnósticos.

O nosso compromisso e objetivo é levar a informação até você através de conteúdos relevantes e gratuitos sem qualquer pretensão de prescrever substâncias, receitas, remédios ou tratamentos veterinários ou de substituir a opinião e orientação de profissionais especializados e qualificados em suas respectivas áreas de atuação.

O Vidanimal Não recomenda que seus leitores façam tratamentos ou utilize substâncias em seus animais por conta própria, mesmo que naturais, sem a indicação de um veterinário. Não automedique o seu animal sem antes consultar um veterinário!

Assim, por mais completo e detalhado que o artigo aqui publicado venha a ser, ele é apenas complementar e para fins informativos. Portanto, nenhum conteúdo aqui produzido substitui uma consulta veterinária.

Os conteúdos aqui fornecidos não possuem qualquer tipo de garantia, sendo a sua utilização de risco assumido pelo próprio usuário. No entanto, jamais publicaremos alguma informação ou produto que não tenha sido pesquisado, que não tenha respaldo técnico ou que não tenha sido avaliado por um especialista.

Todas as correções e revisões passam pela nossa equipe editorial, sendo avaliadas pelos profissionais capacitados de nossa equipe.
(Correções e revisões feitas pelo médico(a) veterinário(a) Dra. Valentina Vecchi, CRMV/SP:21838)

Equipe Editorial

Written by Equipe Editorial

O Vidanimal.com.br acredita que compartilhar um bom conteúdo é a melhor maneira de fazer com que a informação chegue ao seu destino ou público alvo. Educar e conscientizar as pessoas é a nossa missão. Procuramos criar parcerias com profissionais empenhados em fazer parte dessa missão. Contamos com uma equipe de colaboradores que amam aquilo que fazem e se dedicam todos os dias para levar até você um conteúdo informativo de qualidade.

One Comment

Leave a Reply
  1. Dandies são extremamente afetuosos e companheiros incríveis para qualquer tarefa. Eles não são muito ocmuns aqui no Brasil, mas tivemos a sorte de encontrar o nosso em um abrigo muito bacana. Ele é amável, gosta muito de agradar a todos, é super inteligente e aprende tudo muito rápido. Não tivemos nenhum probelma com o nosso, mesmo ele tendo vindo pra casa já adulto e ter sido abandonado. Por ser terrier, ele tem um pouco de dificuldade em lidar com gatos e outros animais de pequeno porte, mas com paciência e muita socialização é posssível ajustá-lo a conviver bem com eles. O nosso Buster já conquistou a todos em casa e hoje parece ter vivdo conosco desde que nasceu, totalmente involvido e integrado na família.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cao-manchester-terrier-ambiente

Manchester Terrier

Cairn Terrier

Cairn Terrier