O cio da cadela é o estado fisiológico cíclico que se caracteriza por uma série de alterações preparatórias e favoráveis à fecundação e à gestação. O cio da cadela normal passa por 4 fases distintas, no entanto pode ocorrer um fenômeno chamado de cio silencioso ou seco.

Para entender melhor, vamos explicar como funciona o ciclo reprodutor das cadelas.

Cio da cadela – fases do ciclo estral.

Em geral, a cadela tem seu primeiro cio com idades que variam de 6 a 12 meses. O ciclo estral canino, outro nome para cio da cadela, passa por quatro fases distintas que duram em média seis a sete meses: proestro, estro, diestro e anestro.

Proestro

Proestro é a primeira fase do ciclo estral canino, mais conhecido como cio da cadela. É o estágio em que a maioria dos proprietários começa a perceber mudanças no próprio animal.

Esse estágio dura em média 9 dias, mas pode variar de 0 a 27 dias. Nessa fase a cadela apresenta uma alta concentração de estrógeno no seu corpo. Isso faz com que a vulva do animal aumente de tamanho, o cérvix fique dilatado e o endométrio espessado. Nesse momento, pode-se perceber um sangramento na vagina do animal.

A vulva geralmente fica inchada com uma descarga tingida de sangue. A citologia vaginal mostra, nessas fases, tipos mistos de células, geralmente com glóbulos vermelhos.

Além disso, nessa fase os machos começam a mostrar interesse em razão da liberação de feromônios. No entanto, a fêmea não aceita o acasalamento.

Estro

O estro é o estágio em que a fêmea se torna receptiva ao macho. É a fase do cio propriamente dito, que é caracterizado por uma diminuição nos níveis de estrógeno e um aumento nos níveis de progesterona.

Nessa fase, o sangramento cessa, o inchaço da vulva diminui e pode haver a liberação de um corrimento de cor clara. Esse período dura em média nove dias com base em sinais comportamentais, mas pode variar de 4 a 24 dias.

O período fértil ocorre durante este tempo. Após cerca de dois ou três dias do início do estro, ocorre a ovulação. Acasalamentos que ocorrem nessa fase, portanto, tem grande chance de resultar em gestação.

Diestro

É uma fase após o cio da cadela, na qual ela não é mais receptiva ao macho. Nesse período, que dura em média 75 dias, há os níveis máximos de progesterona. São verificados também um corrimento mais mucoso, diminuição do tamanho da vulva e um comportamento calmo da cadela.

A fase de diestro é muito semelhante em cadelas gestantes e não gestantes. Algumas vezes, elas apresentam uma síndrome conhecida por pseudo-gestação (ou gravidez psicológica), em que todas as características fisiológicas e comportamentais assemelham-se a uma gestação. Para tratar o problema, recomendam-se inibidores de prolactina, progestágenos e andrógenos.

O primeiro ciclo das cadelas varia entre as raças. Normalmente, em raças de portes pequenos, observa-se o primeiro ciclo entre o 6º e o 10º mês de vida. Já raças de portes grandes, o ciclo pode iniciar-se no 18º ao 24º mês. A periodicidade do ciclo estral também é variável, estando relacionada com a hereditariedade, raça, gestação e idade do animal.

ATENÇÃO:  nesse período ocorre maior incidência do desenvolvimento de piometra, ou seja, infecção uterina. Fique de olho para eventuais alterações e corrimentos e fale com seu médico veterinário de confiança se desconfiar de algo.

Anestro

Anestro é o tempo entre o diestro e o próximo proestro. É um período de total inatividade sexual, que dura em média 125 dias e caracteriza-se por uma involução do útero.

Nesse período, não há inchaço na vulva, nem corrimento vaginal. O corpo usa esse tempo para permitir que o útero se prepare para a próxima possível gestação.

Além disso, são observados na fase de anestro níveis de estrogênio e progesterona bem baixos. Todavia, há aumento do nível de estrogênio na fase final desse período.

Cio da Cadela Silencioso – O que é isso?

Muitas vezes os veterinários que se especializam em saúde reprodutiva são questionados pelos proprietários que ficam intrigados com o fato de que a própria cadela aparentemente não entra no cio. No entanto, existe uma grande possibilidade que a cadela já tenha entrado no cio e ninguém  tenha percebido.

O cio silencioso, de fato, é um cio que ocorre, mas não é perceptível. Nesse período, normalmente, a cadela torna-se receptiva aos machos, pode engravidar, mas não apresenta sinais de cio como inchaço na vulva e sangramento.

Na maioria dos casos, os sinais podem até estar presentes, mas são tão fracos que os tutores das cadelas nem os percebem. Além disso, não é incomum que raças menores de cães tenham um ou dois cios silenciosos antes que apareçam sintomas claros.

Como descobrir se o cio da cadela está presente?

Existem três formas de descobrir o cio silencioso:

  • Através do interesse de machos da casa ou da redondeza, o que é um risco para possível acasalamento indesejado pelo tutor.
  • Observação da mudança de comportamento da cadela, já que pode passar de momentos mais agressivos à de maior receptividade em relação aos machos.
  • Por meio de exames laboratoriais, através da dosagem hormonal de progesterona ou citologia vaginal.

Existe tratamento para cio da cadela silencioso?

Não há tratamento para cio silencioso. No entanto, isso pode representar um problema tanto para criadores quanto para famílias que não desejam ninhadas inesperadas.

Em relação aos criadores, pode representar um problema já que as fêmeas afetadas provavelmente não irão aceitar o acasalamento com os machos. Portanto, se houver interesse em cruzamento, deve-se optar por inseminação artificial realizada por um profissional especializado.

Como evitar gestações indesejadas.

Se o tutor tem uma fêmea, mas não quer que ela dê cria e pensou em aplicar algum tipo de hormônio para evitar que isso aconteça, saiba que este tutor está no caminho errado.

Hormônios aplicados com função anticoncepcional, são venenos para os cachorros. De fato, cadelas submetidas a esse tipo de tratamento desenvolvem piometra e tumores.

O método mais eficaz e seguro é, sem dúvida, a castração. Ou seja, uma técnica cirúrgica que visa a retirada de ovários e útero e que é altamente recomendada pelos médicos veterinários.

Um dos grandes benefícios da castração é a eficácia na prevenção de doenças. Castrar uma fêmea antes do primeiro cio, por exemplo, diminuirá consideravelmente as chances de desenvolvimento de neoplasias mamárias. Além disso, elimina-se a chance de desenvolver piometra.

Nas fêmeas, os ovários, útero e a maior parte do seu colo são removidos através de uma incisão no abdômen.

Além disso, os cachorros costumam ter uma recuperação muito rápida e costumam voltar para casa no mesmo dia. Podem sentir dores pós cirúrgicas, e por esta razão o veterinário ainda irá prescrever analgésicos para preveni-las ou aliviá-las.

Referências Bibliográficas:

JACKSON, P. Obstetrícia Veterinária. Roca, São Paulo, 2006.

TAYLOR, D. Cães – Manual Prático Ilustrado. JB Indústrias Gráficas. Rio de Janeiro, 1986.

VECCHI, V. Castração de cachorro: por que é necessário castrar cachorro?– Vidanimal