O Chihuahua é uma das menores raças de cães no mundo de grande personalidade dentro de um minúsculo corpo, e um animal espirituoso para qualquer tamanho de lar.

Seu nome vem da região de Chihuahua no México e ele é descrito como um animal extremamente delicado, gracioso, afetuoso e possessivo. Pequeno e compacto, o Chihuahua tem um corpo levemente mais comprido que alto, sempre carregando uma expressão atrevida e alerta, em uma atitude tipo terrier.

Existe uma variedade enorme de cores de pelagem, macia, brilhante e suave, com pelos lisos ou ondulados, e orelhas com penugens.

A origem do Chihuahua não é totalmente conhecida, embora se saiba que suas raízes são mexicanas. Mesmo assim, cogita-se a possibilidade dele ter ancestrais do Império Asteca, de uma ilha Cubana, do Egito e da China.

Seu reconhecimento mundial deu-se no final do século XIX, mais precisamente em 1890, quando as importações da raça começaram a alcançar o mundo. Assim, como todo cão de luxo, estes animais de companhia não são propriamente cães de caça, muito embora sejam bem eficientes para guarda doméstica, devido ao seu territorialismo e instinto protetor.

Por conta do seu tamanho, facilidade de adaptação e intensa devoção ao dono, é um dos animais de estimação favoritos, e uma das raças mais populares e mais vendidas no mundo.

Saiba mais sobre o Chihuahua abaixo!

Índice de conteúdo:

Ficha Técnica da raça Chihuahua

Origem: México
Data de origem: final do século XIX, 1890.
Grupo de Raças: FCI Grupo 09 – Cães de Companhia / AKC Grupo Toys.
Função original e atual: cão de companhia
Outros nomes ou apelidos: cão de colo, chi, chico.
Tamanho: porte pequeno / miniatura
Altura: de 15 cm a 23 cm
Peso: de 1 kg a 3 kg
Cores: todas as cores
Pêlos: variantes de duro e longo
Manutenção: fácil, escovações semanais
Expectativa de vida: cerca de 12 a 18 anos
Filhotes: 2 a 4 filhotes
Reconhecimento (Canil): CKC, FCI, AKC, UKC, KCGB, CKC, ANKC, NKC, NZKC, APRI, ACR, DRA, NAPR, ACA.

Introdução à raça Chihuahua

O Chihuahua é um animal muito carinhoso e apegado ao dono. (Créditos/Copyright: “taro911 Photographer/Shutterstock”)

Chihuahuas simplesmente adoram estar perto de seu dono por tempo integral, seguindo-o por todo canto – o que justifica o seu apelido de “cão de colo”, pois não tem nada nesse mundo que os agrade mais que o colinho do seu dono.

Assim, é muito comum Chihuahuas desenvolverem uma forte ligação com uma única pessoa na família. Porém, se forem mimados podem se tornar bastante exigentes, dependentes e temperamentais.

Eles costumam ser bem reservados com estranhos, alguns ousados; outros tímidos. Mas, apesar de temperamentais, são inteligentes e aprendem rápido. Por isso, podem competir em agilidade e obediência com o mesmo entusiasmo que os cães maiores.

Chihuahuas também não precisam de muita manutenção e nem de exercícios; sendo que alguns latem bastante. No entanto, é importante levar em consideração o seu tamanho reduzido que limita suas atividades e gera graves problemas ósseos. Por outro lado, o Chihuahua é uma das raças de maior longevidade canina.

Por serem curiosos e atrevidos, também se esquecem que são pequenos e costumam provocar cães maiores com agressividade; por isso o Chihuahua precisa de supervisão em locais públicos.

Embora achem que mandam em qualquer situação, podem se acidentar ou ser machucados facilmente. Pelo mesmo motivo, não são recomendados para crianças menores de 8 anos. mas, independente da família, é importante socializá-lo desde cedo com crianças, adultos e outros animais.

Sua enorme popularidade também lhe rendeu grande procura, o que o tornou uma das raças mais caras no mercado, e isso infelizmente fez com que o Chihuahua se tornasse alvo de criadores e gente mal intencionadas. Por isso, Chihuahuas estão entre as raças mais roubadas e visadas por ladrões.

Origem da raça Chihuahua

Os cães Chihuahua tem origem no México e são muito populares.

O Chihuahua é uma das raças mais antigas do continente Americano e uma das menores do mundo. Apesar da sua origem exata ser um tanto obscura, havendo algumas teorias diferentes e inúmeras controvérsias, o Chihuahua de pêlo curto que conhecemos hoje foi descoberto em 1850 no México.

Por isso, recebeu o nome do Estado Mexicano de Chihuahua, e foi trazido para a Europa ao final do século XIX.

As diferentes teorias sobre o seu surgimento

No que diz respeito às especulações, existem teorias de que o Chihuahua teria vindo de uma ilha cubana ou do Egito, devido a ossadas encontradas serem bastante semelhantes à ele.

Mas, uma das teorias mais prováveis são as de que a raça tenha se originado na China e trazidas ao Novo Mundo por comerciantes espanhóis, onde foram cruzadas com outros cães nativos menores, sagrados para os índios da civilização Pré-colombiana.

A outra é de que a raça é de origem inteiramente na América do Sul e Central, descendendo do cão nativo Techichi, um pequeno cão vermelho considerado sagrado pelos nativos da tribo Toltec conquistados pela civilização Asteca.

Ele costumava ser sacrificado em rituais religiosos e enterrado junto aos membros da sua família, por acreditarem que tivessem poderes místicos, como a habilidade de ver o futuro, curar doentes e guiar suas almas ao mundo dos mortos com segurança.

Embora nenhuma das teorias tenham sido realmente comprovadas, é bem provável que a sua origem seja uma combinação das duas: o nativo Techichi foi provavelmente cruzado com pequenos cães chineses pelados e trazidos quando expandiu-se o estreito de Bering, ou mesmo trazidos por comerciantes espanhóis.

Do México para o resto do mundo

Quando os espanhóis conquistaram o território Asteca no século XIV, estes pequenos cães foram abandonados à própria sorte. Porém, cerca de 300 anos mais tarde, em 1850, três pequenos cães foram encontrados em Chihuahua, no México.

Alguns foram disseminados pela Europa e outros trazidos para os Estados Unidos por visitantes na cidade do México, onde começaram a ganhar uma certa popularidade devagar.

Eles começaram a participar de exposições em 1890, e o primeiro exemplar a ser registrado pela AKC foi em 1904. Foi a partir deste momento, que o “refinamento” da raça tornou-se constante, e com isso, reduziu-se o seu tamanho o tornando mais magro, criando a variação de subpelo.

Já a variedade de pelos longos, provavelmente, foi criada a partir de cruzamentos entre Papillons ou Pomeranians.

Chihuahuas até os dias de hoje

A sua popularidade aumentou em 1930 e 1940, embora durante a Segunda Guerra Mundial, tenha sido quase extinta. Posteriormente, a sua criação voltou ao normal e a raça foi conquistando pouco a pouco espaço como cão de companhia pelo mundo afora.

O Chihuahua tem sido uma das raças mais populares registradas pela AKC desde 1960. Essa popularidade deve-se a sua excentricidade, aparições em filmes, comerciais e programas de televisão, além da sua fragilidade, tamanho e dependência características, que o ajudaram a conquistar o apelido de “cão de colo”, ao despertar o instinto maternal e a necessidade do ser humano em acolher e cuidar do seu cãozinho.

Aparência do Chihuahua

O Chihuahua tem a estrutura pequena e frágil.(Créditos/Copyright: “Anneka/Shutterstock”)

Chihuahua é um cão de tamanho bem pequeno com uma construção robusta e feições bem distintas, quase que humanas. O seu corpo é robusto, mais comprido que alto, com membros retos.

Eles possuem uma cabeça arredondada, em formato de maçã com um focinho cônico, curto e pontudo e uma parada bem definida. As orelhas são grandes, triangulares e eretas deslumbrantes, bem características da raça.

Seus olhos, bem separados, também são grandes, redondos, escuros, podendo ser até cor de ruby ou coloridos, e mais claros em cães brancos.

Os filhotes de Chihuahua possuem um local mole no topo do cérebro, que acaba se fechando à medida que vão se tornando adultos, conhecido por “moleira”, como a dos bebês recém-nascidos.

Eles possuem uma cauda em forma de foice que se curva para trás ou para um dos lados, mas não encaracolam. Por isso, a cauda que curvar para um lado ou encaracolar é sinal de desenvolvimento impróprio da espinha que pode estar linkada a outros problemas de saúde.

A pelagem do Chihuahua

Chihuahuas vêm em uma variedade de pelagens: curto, longo, ondulado ou liso. Mas a variedade mais comum é o Chihuahua de pêlo curto, que possui pelagem brilhante, curta e macia bem rente ao corpo com penugens mais grossas e mais compridas no pescoço.

Os pelos na cabeça e orelhas são mais finos e a cauda mais peluda. O de pelo longo também tem pelos lisos ou levemente ondulados; tão macios como os de pelo curto, mas com franjas nas orelhas, penugens no pescoço, uma cauda completamente emplumada e penugens nas patas.

As patas traseiras são cobertas por pêlos mais longos, parecendo uma calça e os pelos no estômago são mais longos. Ambos podem ter uma variedade de cores que incluem castanho, areia, amêndoa, prata, branco, chocolate, preto, azul aço, preto e castanho ou tricolor – podendo ser sólidos ou manchados.

Nota: Chihuahuas Deer, Micro e Tea Cup são termos de marketing usados por alguns criadores para vender cães menores, subdesenvolvidos ou cruzados de maneira imprópria — não aceite estas variações.

Ambiente Ideal para o Chihuahua

O Chihuahua precisa ficar próximo ao seu dono. (Créditos/Copyright: “Annette Shaff/Shutterstock”)

Um Chihuahua pode ser muito feliz em uma casa pequena ou apartamento, pois são muito sensíveis ao frio, e preferem os climas mais temperados. Embora não precisem de muita quantidade de exercícios e seja tentador carregá-los no colo por aí, é importante que eles se exercitem. Eles adoram caminhar, e não devem ser confinados a espaços muito pequenos.

Por mais que gostem de brincar na área externa, Chihuahuas não devem morar do lado de fora. Eles são presas fáceis para gaviões, coiotes ou outros cães maiores que podem invadir o jardim. Além disso, sentem muito frio e não ficariam confortáveis. Eles foram criados para serem cães de companhia, e o seu local ideal é junto ao seu dono.

Temperamento & Personalidade do Chihuahua

Chihuahua pode ser tímido e bastante nervoso. (Créditos/Copyright: “cynoclub/Shutterstock”)

O temperamento de qualquer cão é afetado por inúmeros fatores, incluindo hereditariedade, treinamento, e socialização. Os filhotes que possuem bons temperamentos costumam ser curiosos e brincalhões, se aproximam das pessoas e gostam de ser carregados por elas.

Como todo cão, o Chihuahua precisa de socialização desde filhote — o exponha à diferentes pessoas, locais, sons, cenas e experiências. A socialização ajuda a garantir que o seu Chico cresça saudável tornando-se um cão bastante sociável.

O Chihuahua é um excelente cão de companhia. Ousado e confiante, ele é muitas vezes descrito como um terrier – destemido, corajoso, extremamente vívido, orgulhoso e aventureiro.

Ele também é sensível e adora atenção, carinho, afeto e a companhia do seu dono. É capaz de conquistar a todos com a sua personalidade gentil por natureza, amável e doce.

Geralmente, costumam se afeiçoar a uma única pessoa, e serem muito devotados, protetores e extremamente leais à ela, seguindo-a por todo lugar, principalmente quando há estranhos presentes.

Mesmo assim, ele é capaz de ser amistoso com os outros quando introduzido de maneira adequada. É normal que os Chihuahuas sejam um pouco reservados primeiro, pois são naturalmente tímidos e desconfiados, mas se socializados desde pequenos são capazes de se darem bem com qualquer pessoa.

Os Chihuahuas podem ser muito teimosos sem a liderança adequada. Por isso, muitas vezes possuem a reputação de mimados e difíceis de treinar. Mas são inteligentes, costumam aprender rápido e respondem bem a treinamento adequado e firme, porém gentil. Chihuahuas são como todos os outros cães: precisam de regras consistentes e estrutura já que aprendem com tanta eficácia.

Não se deve reforçar certos comportamentos

Geralmente, raças pequenas como Chihuahuas também possuem tendência a ser tensos e suscetíveis a mordiscar, surtar e até morder quando ameaçadas, com medo, ou para defender o seu território ou dono.

Por esta razão, não são o tipo de cachorro mais adequado para crianças pequenas que podem vê-los como brinquedo, e suas provocações podem irritá-lo até que surte ou morda. Portanto, é melhor não deixá-los juntos sozinhos com menores de 12 anos, à não ser que ele seja bem ensinados ou supervisionados.

Este tipo de comportamento é muitas vezes reforçado pela forma como o dono trata o seu animal. Infelizmente, muitas pessoas permitem que eles se tornem pequenos tiranos, mimando-os demais, e deixando que apresentem comportamentos que seriam inaceitáveis em cachorros maiores. Isto acaba mudando o temperamento do cão, e ele passa a mandar na casa.

Não deixe que o seu Chihuahua saia fazendo coisas que normalmente você não deixaria um cão maior fazer só porque ele é pequeno e fofinho, como pular nas pessoas, isso acaba passando a mensagem errada de dominância.

Se você deixar que ele pense que é o líder da casa, isso acarretará em muitos problemas de comportamento como ciúmes, agressão e muitos outros mais difíceis de serem corrigidos depois.

A liderança do tutor é fundamental

É muito comum, por exemplo, Chihuahuas desenvolverem a Síndrome do Cão Pequeno, uma série de comportamentos induzidos por humanos em que o cão acredita ser o líder do bando, podendo causar vários níveis de comportamentos negativos, incluindo tornar-se obstinado demais, teimoso, ciumento, ansioso, latir, morder e surtar ao tentar mandar em seu dono. Algumas destas tendências podem ser corrigidas através de treinamento e socialização.

Os Chihuahuas precisam de treinamento consistente desde filhotes para controlar esses comportamentos, assim como a tendência a provocar cães maiores. Como muitos outros cães menores, Chihuahuas não têm consciência do seu tamanho e não hesitam em provocar uma briga com cães maiores que eles.

É preciso suprir suas necessidades de forma adequada

Cachorros pequenos também possuem tendência a andar menos, pois as pessoas assumem que eles obtém exercícios suficientes apenas por correrem pela casa. Contudo, uma caminhada diária significa muito além de apenas exercícios físicos, pois fornece estímulos mentais que satisfazem o instinto de migração que todo cão possui.

Tremedeiras também não são comuns, mas não uma característica normal da raça, e podem significar baixo teor de açúcar no sangue ou sinais de estresse.

É extremamente necessário suprir as necessidades de seus cães de forma natural, para que eles não sejam superprotegidos e se tornem neuróticos. Os Chihuahuas devem ter limites e regras a seguir sempre. Quando o dono sabe mostrar liderança de forma adequada, o Chihuahua é doce e amável, podendo ser confiável com qualquer um, até com crianças pequenas.

O Chihuahua perfeito não nasce perfeito, ele é produto da sua hereditariedade e criação. Seja lá o que você deseja dele, procure por um que tenha tido pais com boa personalidade e que tenham sido socializados desde filhotes.

Qualquer cão pode desenvolver níveis desagradáveis de latidos, cavações e outros comportamentos inadequados se estiver entediado, destreinado ou não supervisionado. Compre um filhote que tenha sido criado em casa e tenha certeza de que ele foi exposto a diferentes locais e sons, assim como pessoas antes de ir para outro lar.

Continue socializando-o sempre levando a casa de amigos e vizinhos, assim como a passeios públicos. Antes de comprar um filhote, procure saber como escolher o filhote ideal e não deixe de conversar com o seu criador, descreva exatamente o que você procura em um cachorrinho, e peça ajuda para escolher um filhote.

Os criadores costumam conviver com filhotes todos os dias e podem dar excelentes recomendações uma vez que saibam um pouco sobre o seu estilo de vida e personalidade.

Cuidados & Manutenção do Chihuahua

Chihuahuas necessitam de cuidados constantes e companhia. (Créditos/Copyright: “Athiporn Phumnicom/Shutterstock”)

Comece a acostumar o seu Chihuahua à ser escovado e examinado desde filhote. Mecha em suas patas com frequência — os cães costumam ser sensíveis com relação às suas patas — e olhe dentro de sua boca e orelhas.

Torne essa manutenção uma experiência positiva cheia de elogios e recompensas, e assim você irá construir a base para exames veterinários e idas ao petshop mais fáceis de se lidar.

Ao checá-lo, procure por machucados, arranhões, feridas ou sinais de infecção como vermelhidão, inchaço, ou inflamação na pele, nas orelhas, nariz, boca, olhos e patas. Este rápido exame pode levar a diagnósticos mais cedo e evitar maiores problemas de saúde.

Como cuidar do Chihuahua

Escove os seus dentes 2 ou 3 vezes na semana para remover tártaro e bactéria que proliferam dentro da boca – diariamente é ainda melhor para prevenir gengivite e mau hálito e ainda evitar cair os dentes precocemente.

Corte suas unhas uma ou duas vezes ao mês, se não forem gastas naturalmente. E cheque suas orelhas uma vez por semana por sujeira, vermelhidão ou mal cheiro que possam indicar infecções. Limpe-as semanalmente usando loção de de PH equilibrado para evitar maiores problemas.

O Chihuahua é um cão muito fácil de ser cuidado – só leva alguns minutos por semana para mantê-lo com boa aparência e controlar a perda de pelos. Escove-o semanalmente com uma luva de borracha própria para cães ou uma escova com cerdas curtas e naturais para o Chihuahua de pelo curto e uma escova de pinos para Chihuahuas com pelos longos. Um pente fino de pulgas ajuda a remover pêlos soltos.

Com escovações regulares, ele não precisará de banhos mais que uma ou duas vezes ao mês. Use um shampoo próprio para cães para não ressecar os pelos. Alguns Chihuahuas desenvolvem manchas debaixo dos olhos, que podem ser limpas com produtos especialmente desenvolvidos para isso. Chihuahuas soltam pouco pelo durante o ano, uma maior quantidade na primavera e no outono.

Atividades & Exercícios do Chihuahua

Chihuahuas adoram atividades como seu dono, mas não pode se cansar muito. (Créditos/Copyright: “padu_foto/Shutterstock”)

Apesar do seu tamanho, o Chihuahua precisa de exercícios e treinamento. A quantidade de energia que um Chihuahua possui pode ser surpreendente!

Embora seja tentador sair carregando-o no colo o tempo inteiro, o Chihuahua deve se exercitar. Brincar pode ser suficiente para as suas necessidades. Mas brincadeiras não irão satisfazer os seus instintos primitivos de andar.

Os cães sem costume de caminhar diariamente por algumas horas podem apresentar uma série de problemas de comportamento, assim como questões neuróticas.

A maior parte das suas necessidades de exercícios pode ser suprida dentro de casa com brinquedos e sessões de brincadeiras. Ele poderá correr atrás de uma bola por horas até você se cansar. Eles adoram estar com seus donos o tempo inteiro, e preferem caminhadas e passeios, corridas supervisionadas no jardim, e brincar de buscar objetos.

Chihuahuas são capazes de continuar em intensa atividade até exaustão, por isso é importante não deixar que exagerem, especialmente em dias muito quentes. O importante é conhecer o seu cão e entender quais são as atividades preferidas do cachorro, e dar os estímulos certos e mais adequados à raça do seu cachorro.

Para entender melhor o que pode ou não pode ser feito em termos de exercícios e estímulos, é preciso saber como estimular a mente do seu cão, e ter sempre em mente quais são os cuidados básicos na hora de exercitar o seu cachorro.

Existem diversos motivos para exercitar e estimular o seu cão, mas o mais importante deve ser a saúde física e mental dele, sem falar que um cachorro saudável pode viver por muito mais tempo.

Saúde do Chihuahua

O Chihuahua possui a saúde frágil.(Créditos/Copyright: “Javier Brosch/Shutterstock”)

Sabe-se que cada raça de cachorro tem predisposição a determinadas doenças. O Chihuahua não passa ileso a essa regra, infelizmente. Isso, porém, não significa que todos os indivíduos da raça terão as doenças que serão descritas abaixo, mas que há chances de desenvolvê-las no decorrer da vida.

Para quem compra ou adota um cachorro de uma raça específica, ajuda muito já conhecer os riscos. É muito importante, também, comprar cães de criadores éticos e responsáveis.

Procure sempre conhecer, portanto, o trabalho do criador e os pais do seu filhote. Verifique se os pais possuem alguma doença que possa ser eventualmente transmitida à próximas gerações. Questione o criador sobre isso.

Problemas ortopédicos

Devido ao seu tamanho e fragilidade, Chihuahuas são, sem dúvida, suscetíveis a fraturas e outros acidentes. As doenças ortopédicas mais comuns em Chihuahuas são:

Luxação de Patela

Trata-se do deslocamento da patela (ou rótula) de sua posição anatômica normal, que fica no sulco troclear do fêmur, durante a fase de crescimento e adulta dos cães.

A causa pode ser congênita ou traumática. Acredita-se que a causa da luxação medial de patela, ou seja, na direção interna do joelho em cães de raças toy ou de raças pequenas, seja hereditária.

Em caso de luxação da rótula, a pata afetada poderá elevar-se do solo, ou seja, o pet irá tirar o pé do chão. Esse sinal geralmente costuma aparecer por volta dos 4 meses de idade. As fêmeas são mais afetadas do que os machos.

Subluxação atlantoaxial

É uma anormalidade que pode ser congênita ou adquirida. Nesta afecção ocorre uma instabilidade articular das duas primeiras vértebras cervicais (atlas e o áxis).

Os sinais clínicos, todavia, variam de acordo com o grau de luxação, podendo apresentar desde rigidez e dor cervical até paraparesia espástica, e às vezes tetraplegia. Estes sinais podem surgir lentamente ao longo de alguns meses ou até mesmo de forma aguda.

Luxação de ombro

Lesão na qual ocorre perda do contato e congruência entre as duas superfícies da articulação do ombro ou articulação glenoumeral (cabeça do úmero e cavidade glenóide).

Problemas oculares

Os problemas oculares mais comuns em Chihuahuas são os seguintes:

  • Glaucoma – caracterizada pela elevação da pressão intra-ocular e pela morte de células da retina e do nervo óptico. Pode causar cegueira irreversível, por isso é considerado uma emergência oftálmica. Costuma ser congênita em cães da raça Chihuahua. Provoca vermelhidão nos olhos, aumento de volume do globo ocular, lacrimejamento, edema de córnea e dor.
  • Distrofia Endotelial – de caráter genético, que acomete a córnea e pode resultar em perda parcial da visão. A predisposição têm sido descrita no Boston Terrier, Dachshund e Chihuahua. A condição acomete geralmente os cães idosos e manifesta-se com sinais de edema de lenta progressão.

Distúrbios respiratórios

Colabamento traqueal

Condição de origem congênita comum em cachorros de raça pequena como Poodle, Yorkshire Terrier, Chihuahua, Lulu da Pomerânia, Maltês, Pequinês, entre outros.

Trata-se da deformação da traqueia, tubo que conecta a parte superior do sistema respiratório com a inferior, e cuja obstrução impede que circule quantidade de ar suficiente. Além disso é uma doença progressiva e degenerativa.

Costuma ser diagnosticada entre os 6 e os 7 anos do cachorro, e quando se manifesta antes dos 12 meses, indica uma condição mais grave.

Doenças cardíacas

O Chihuahua sofre principalmente de insuficiência mitral. Esta condição ocorre quando uma “peça” do coração, chamada de válvula mitral, fica com um defeito, prejudicando, assim, a circulação sanguínea e causando sintomas como cansaço, falta de ar.

Condições neurológicas

A raça é conhecida por ter epilepsia e convulsões, muito comuns aos 2 anos de idade em raças cruzadas precariamente. Além disso, Chihuahuas também não metabolizam adrenalina muito bem.

Dessa forma, excitação ou estresse podem fazer com que ele trema. Embora também possa ser um sinal de baixo teor de açúcar no sangue (especialmente em filhotes). Um ambiente calmo pode ajudar o Chihuahua a ser menos estressado.

Outros problemas neurológicos comuns na raça são:

Hidrocefalia

A hidrocefalia é o acúmulo excessivo de líquido cerebrospinal nos ventrículos do cérebro e normalmente é observada em filhotes jovens das raças Pinscher, Chihuahua, Maltês, Lhasa Apso, Shih Tzu entre outros.

Sua causa mais comum de hidrocefalia em animais jovens é defeito congênito ou seja, ele já nasce com esse problema que vai se agravando já nos primeiros meses de vida.

Lipofuscinose ceróide neural

Doença neurodegenerativa em que os pigmentos de gordura do cérebro causam a perda progressiva das funções cerebrais. Causa, portanto, sintomas variados de dificuldades psicomotoras e déficit visual.

Fontanelas abertas

Frequentemente, Chihuahuas permanecem com as fontanelas (também conhecidas como moleiras) abertas. Um Chihuahua com moleira pode viver de forma saudável, mas fica mais suscetível a traumas cranianos e hidrocefalia.

Distúrbios metabólicos

Hipoglicemia

Por causa do seu tamanho, o Chihuahua não consegue comer a quantidade suficiente para se sustentar o dia inteiro. Dessa forma, deve comer pequenas quantidades, várias vezes ao dia.

Além disso, Chihuahuas muito pequenos também podem vir a desenvolver baixo nível de açúcar no sangue ou hipoglicemia, entrando em colapso muito rápido. Portanto, as pequenas refeições são necessárias.

É preciso dar atenção especial a produtos tóxicos como chocolate ou fertilizante, por serem muito pequenos não será preciso uma grande quantidade para envenená-los acidentalmente.

Esteatose hepática (Síndrome do Fígado gorduroso)

Chihuahuas também podem nascer com um defeito no fígado. O órgão pode, de fato, não ser capaz de realizar suas funções de metabolização e depuração de substâncias tóxicas.

Como prevenir o aparecimento de doenças

Claramente, o Chihuahua, assim como todos os outros cachorros, pode desenvolver outras doenças ao longo da vida, mesmo não tendo predisposição racial. O acompanhamento do médico veterinário, assim como conhecer bem seu próprio cachorro, é essencial para detectar precocemente a presença de alguma patologia.

Criadores responsáveis costumam investigar e testar seus cães para evitar doenças genéticas e reproduzir apenas as espécies mais saudáveis e de melhor aparência. Entretanto, um filhote pode, de fato, desenvolver uma destas doenças mesmo em reproduções cuidadosas.

Em geral, qualquer cachorro pode estender a sua longevidade canina desde que se tomem os devidos cuidados com sua saúde. Muitos Chihuahuas vivem por muitos anos uma vida vida saudável. A raça, de fato, é considerada uma das raças com as maiores expectativas de vida comparado à outras.

(Correções e revisões feitas pelo médico(a) veterinário(a) Dra. Valentina Vecchi, CRMV/SP:21838)

Treinamento do Chihuahua

Chihuahuas podem ser treinados a fazer várias atividades. (Créditos/Copyright: “CobraCZ/Shutterstock”)

Embora Chihuahuas não costumem ser treinados, eles são ávidos e rápidos para aprender. Mas apesar da dificuldade de treinamento, com paciência, amor e consistência qualquer um pode obter sucesso.

Eles respondem bem à técnicas de esforço positivo, usando sempre técnicas de recompensa com alimento, elogios, brincadeiras. Logo você vai saber que ele é capaz de aprender qualquer coisa que você quiser ensiná-lo.

Quando o treinamento é divertido, ou seja, mistura técnicas de adestramento com diversão, o resultado é sempre muito mais positivo. Algumas dicas de como se divertir exercitando o seu cachorro poderão ajudar você a treiná-lo brincando.

Socialização extensiva e desde cedo é praticamente uma exigência para esta raça. Além disso, ensiná-lo a sentar, deitar e ficar no lugar, é vital para o seu treinamento.

É preciso muito esforço e paciência para treiná-lo a fazer suas necessidades em locais específicos ou fora de casa; por esta razão recomenda-se o método de treinamento com tapete higiênico.

Contudo, se você não estiver só procurando por um método para ensiná-lo a fazer suas necessidades, mas também interessado em adaptá-lo a um ambiente mais seguro e confinado por razões de segurança e conforto, o método da caixa é outra alternativa.

Como Chihuahuas não são tão fáceis de treinar, exige-se manter um itinerário consistente. Filhotes precisam sair logo que acordam de manhã, depois de cada refeição, sonecas, de brincar e antes de irem pra cama dormir.

Usar a caixa para confiná-lo quando não puder supervisioná-lo irá ensiná-lo a controlar a bexiga e prevenir os acidentes em casa. Se não for usada a caixa, deve-se planejar sair a cada 2 horas, e nunca deixar na caixa por mais de 2 a 4 horas de cada vez, exceto quando estiver dormindo durante a noite.

Nota aos leitores!

Atenção tutores! Todo o conteúdo publicado no portal Vidanimal é de caráter APENAS informativo e não pretende substituir o aconselhamento médico ou a consulta veterinária com relação à sintomas, tratamentos ou diagnósticos.

Nosso compromisso e objetivo é levar a informação até você através de conteúdos relevantes e gratuitos sem qualquer pretensão de prescrever substâncias, receitas, remédios ou tratamentos veterinários ou de substituir a opinião e orientação de profissionais especializados e qualificados em suas respectivas áreas de atuação.

O Vidanimal NÃO recomenda que seus leitores façam tratamentos ou utilize substâncias em seus animais por conta própria, mesmo que naturais, sem a indicação de um veterinário. Não automedique o seu animal sem antes consultar um veterinário!

Assim, por mais completo e detalhado que o artigo aqui publicado venha a ser, ele é apenas complementar e para fins informativos. Portanto, nenhum conteúdo aqui produzido substitui uma consulta veterinária.

Os conteúdos aqui fornecidos não possuem qualquer tipo de garantia, sendo a sua utilização de risco assumido pelo próprio usuário. No entanto, jamais publicaremos alguma informação ou produto que não tenha sido pesquisado, que não tenha respaldo técnico ou que não tenha sido avaliado por um especialista.

Todas as correções e revisões passam pela nossa equipe editorial, sendo avaliadas pelos profissionais capacitados de nossa equipe.
(Correções e revisões feitas pelo médico(a) veterinário(a) Dra. Valentina Vecchi, CRMV/SP:21838)

Por Equipe Editorial

O Vidanimal.com.br acredita que compartilhar um bom conteúdo é a melhor maneira de fazer com que a informação chegue ao seu destino ou público alvo. Educar e conscientizar as pessoas é a nossa missão. Procuramos criar parcerias com profissionais empenhados em fazer parte dessa missão. Contamos com uma equipe de colaboradores que amam aquilo que fazem e se dedicam todos os dias para levar até você um conteúdo informativo de qualidade.

Perguntas & Respostas

  1. Chihuahuas são adoráveis e engraçados, mas não são pra todo mundo. Eu tive um e acabei doando pra uma prima que morava sozinha, sem filhos. Eles precisam de muita atenção, estranham as pessoas, desenvolvem tremores e costumam ficar muito assustados ocm qualquer coisa que fuja da rotina. Na epoca eu comprei o meu porque morava sozinho em apartamento – queria uma companhia, mas uma raça pequena, de pelo curto e que não ocupasse muito lugar e nem desse muito trabalho ou fizesse grandes sujeiras.

    O problema é que eu ficava fora muitas horas trabalhando e ele ficou muito carente. Quando eu estava em casa me seguia o tempo inteiro, chorava quando eu me afastava. Um verdadeiro inferno. Sem falar que latia sem parar pra tudo quanto era visita – latia e corria. Não ficava confortável ao redor de outras pessoas. Eu sei, foi culpa minha. deveria ter me informado melhor sobre a raça e dado mais atenção e oportunidades de socializar. Mas às vezes, chegava cansado e acabava me irritando ainda mais com tamanha carência.

    Sem falar que sou solteiro e gosto de sair à noite. Ele sacava o movimento e já começava a choramingar ao meu redor tods vez que pressentia que eu ia sair. Minha prima se amarrava nele, é dessas que bota na bolsa e leva pra tudo quanto é lugar. Uma vez reclamando ele ela se ofereceu pra ficar com ele. No início ele sentiu minha falta, eu visitava, mas hoje vou lá e ele nem parece que lembra de mim. faz festa, vem no meu colo, mas é outro cachorro. Eles se deram muito bem e hoje tenho certeza do que ele é muito mais feliz com ela. For aisso, o Chihuahua é uma raça muito alegre e amável, mas recomendo que seja pra pessoas que tenham disponibilidade de dar muito carinho e atenção.

  2. Oi Maura, cada cachorro possui um temperamento, e neste caso, tudo vai depender da eficácia do treinamento dele. Mas é verdade, os machos possuem uma tendência em marcar território com a urina. Você vai ter que ser paciente durant eo treinamento dele. Hoje existem mtas opções, como os tapetes higiêncos e as fraldinhas. Dê uma pesquisada nisso antes.

  3. Estou pensando em adquirir um chihuahua macho, porém tenho receio quanto as necessidades, fazendo xixi pela casa. Alguém tem alguma avaliação sobre isso? Obrigada

  4. Os Chihuahuas são excelentes cachorros, mas para as pessoas certas, são muito afetuosos e possuem muita personalidade.Eles não tem noção do próprio tamanho, o que pode colocá-los em muita confusão e preferem a companhia de outros chihuahuas ao invés de outras raças. Podem ser muito tímidos também, e medrosos, por isso precisam de socialização. O meu por exemplo, não curte muito crianças, ele se bota logo a tremer e fugir. Eles preferem pessoas calmas, que podem lhe dar muita atenção e mimo. Eles adoram te seguir pela casa inteira.

    Tome cuidados especiais com ele, não deixe que ele pule muito de um local para outro, isso pode machucar suas articulações. Ele também não é do tipo que gosta de ficar sozinho, se tiver um, planeje levá-lo com voê pra tudo quanto é lugar. Ele é capaz de dar muit amor em troca e vai ser sua companhia pra sempre!

  5. Eu tenho um Chihuahua que é linda mas também é uma cachorrinha muito abusada porém amável e calorosa. Nunca tive nenhum problema com ela perto de crianças, mas ela é muito tímida quando tem muitas pessoas ao seu redor. Ela vai se aconchegar quando precisar de alguém para mantê-lo aquecido e adora sentar-se no meu colo enquanto estou no computador. Quando eu estou cansada ela adora dorminr comigo bem pertinho. Ela está sempre pronta e disposta a ficar do meu lado e não importa o que estou fazendo. Para não mencionar que ela é um tamanho perfeito para um apartmento. A única coisa sobre Chihuahua é que eles são cães pequenos e muito sensíveis a estarem sozinhos.

  6. Corações sensíveis, atitude difícil. Os chihuahuas são verdadeiramente uma raça muito sensível, mas isso não significa que eles não têm atitude porque causa disso! Eu tenho um macho de dois meses de idade e ele nunca deixa de me fazer sorrir – para não mencionar a risada. Que palhaço! Eu recomendaria um Chihuahua a qualquer pessoa, exceto famílias com crianças de cinco anos ou menos. Crianças pequenas são muitos novas para ter que lidar com a responsabilidade de possuir um Chihuahua. Eles são animais surpreendentemente resistentes, mas tabém são um pouco frágeis quando se trata de ser pisado, sentado, puxar rabo, etc.

Deixe uma resposta