O Canguru é um grande marsupial encontrado apenas na Austrália. Suas principais características físicas são suas caudas musculares, membros dianteiros curtos, membros posteriores fortes e bem desenvolvidos, pêlo curto e orelhas longas e pontiagudas. Além disso, possuem pés grandes. De fato, os cangurus pertencem à família dos animais Macropus, literalmente “pé grande”.

Como todos os marsupiais, as fêmeas têm bolsas que contêm glândulas mamárias. Nelas, vivem filhotes até que tenham maturidade e independência suficiente para obter alimento sozinhos.

Os cangurus são da família Macropodidae que compreende cerca de 65 espécies, incluindo também wallabies, wallaroos, quokkas e pademelons. Entretanto, dentro dessa família, há quatro espécies de cangurus:

  • Canguru antilopine (Macropus antilopinus)
  • Canguru Vermelho (Macropus rufus)
  • Canguru cinzento ocidental (Macropus Fuliginosus)
  • Canguru cinzento-oriental (Macropus giganteus)

Origem do Canguru

o canguru é uma nimal marsupial.

o canguru é uma nimal marsupial.

A origem do Canguru ainda é incerta. Há relatos de que seria originário da China. De fato, segundo um grupo de cientistas australianos, os cangurus evoluíram na China e migraram por meio da América para Austrália e Antártida. Outras pesquisas, entretanto, afirmam se tratar de um descendente de um mesmo ancestral americano.

De acordo com uma pesquisa genética realizada na Alemanha pela equipe da Universidade de Muenster, em um artigo na Public Library os Science (PLoS) Biology, os cientistas sugerem que uma única espécie de marsupial se moveu das Américas para a Austrália.

Segundo essa pesquisa, portanto, os característicos coalas, cangurus e gambás da Austrália dividem um ancestral comum americano.

Etimologia do nome

A origem do nome Canguru é, na verdade, o que parece ser o resultado de um divertido mal entendido linguístico!

De fato, reza a lenda que quando os ingleses chegaram na Austrália, viram um animal muito estranho, que dava saltos e carregavam seus filhotes em uma bolsa natural em sua barriga.

Perguntaram, então, a um grupo de índios qual era o nome daquela estranha criatura, e logo responderam: “Khan Ga Ru”.

Os ingleses começaram a chamá-lo, portanto, de Kanguroo. Entretanto, mais tarde foi descoberto que “Khan Ga Ru” significava “Eu não entendo” na língua dos indígenas.

Classificação do Canguru

  • Nome científico: Macropus
  • Reino: Animalia
  • Filo: Chordata
  • Classe: Mammalia
  • Ordem: Diprotodontia
  • Família: Macropodidae
  • Gênero: Macropus
  • Período de gestação: aproximadamente 35 dias.

Características Físicas do canguru

O canguru possui patas traseiras e dianteiras poderosas e causa longa.

O canguru possui patas traseiras e dianteiras poderosas e causa longa.

Os cangurus possuem pernas traseiras poderosas, uma cauda longa e forte e pequenas patas dianteiras. Graças aos seus grandes pés, os cangurus podem chegar a pular até 9 metros em um único salto e viajar mais de 30 km/hora podendo chegar até mesmo a 70 km/hora.

Suas fortes caudas servem para sustentá-los proporcionando equilíbrio enquanto saltam. Além disso, esse recurso é usado também como uma terceira perna quando estão parados.

O pé do canguru possui quatro dedos, sendo que a quarta unha tem forma de casco e sustenta a maior parte do peso do corpo. Os segundo e terceiro dedos estão unidos e meramente vestigiais, uma condição conhecida como sindactilia.

Os membros anteriores são curtos, com cinco dígitos desiguais, com garras afiadas e polegar não oponível.

A cabeça é relativamente pequena e as orelhas são grandes e arredondadas. A boca é pequena, com lábios proeminentes.

As espécies maiores de cangurus têm dentes complexos e coroados. Os molares possuem sulcos transversais, de modo que plantas resistentes são cortada entre os dentes opostos.

As fêmeas, enfim, são marsupiais. Ou seja, possuem uma bolsa em sua barriga, feita por uma dobra na pele onde acomodam seus filhotes. Nela, de fato, ficam também suas mamas.

Por volta de 4 meses, o filhote começa a sair da bolsa para se alimentar de grama e pequenos arbustos. Aos 10 meses, ou seja, ao atingir a maturidade, o filhote deixa de se acomodar na bolsa.

As características físicas dos cangurus, entretanto, variam conforme a espécie. Então, vamos resumir as principais diferenças físicas entre estes incríveis animais:

Canguru cinzento-oriental (Macropus giganteus)

O canguru-cinzento é também conhecido como canguru-oriental, por ser encontrado na parte oriental da Austrália. Além disso, é conhecido também como canguru gigante, o que na verdade é um erro já que o canguru vermelho é o maior entre as espécies.

Todavia, o canguru cinzento oriental pode crescer até 2 metros de altura e alguns machos podem pesar em torno aos 66kg.

Sua expectativa de vida é de 8 a 10 anos.

Canguru Vermelho (Macropus rufus)

O canguru vermelho é encontrado em todo o interior da Austrália e é o maior e mais poderoso macropodídeo.

O macho pode chegar a pesar 90 kg. O corpo mede em torno de 1 a 1,60 m de altura em pé. Sua cauda pode medir de 90 a 110 cm. A pelagem é pardo-avermelhada.

A fêmea mede 1 m de altura em pé. Pode, portanto chegar a medir 1,70 de comprimento com cauda incluída. Sua pelagem é diferente da do macho, sendo cinzenta-azulada.

Podem viver cerca de 23 anos ou mais, e estão muito bem adaptados à vida no deserto podendo aguentar várias semanas sem beber.

Canguru antilopino (Macropus antilopinus)

O canguru antilopino (M. antilopinus) é menor que o canguru vermelho. De fato, os machos podem crescer até 1,8 metro de comprimento e pesar até 70 kg, enquanto as fêmeas são menores, pesando menos de 30 kg.

O canguru antilopino, assim como o canguru cinzento ocidental, apresenta dimorfismo sexual. Os machos têm cor avermelhada e as fêmeas são mais cinzentas.

Há relatos de machos que chegaram a pesar cerca de 70 kg sendo que o peso mais comum entre membros do sexo masculino é de aproximadamente 55kg.

As fêmeas costumam ser bem menores. Tanto que quando atingem 30 kg, são consideradas grandes.

Canguru cinzento ocidental (Macropus Fuliginosus)

Esta espécie também exibe dimorfismo sexual, ou seja, machos e fêmeas apresentam diferenças físicas visíveis. Nesse caso, os machos são maiores que as fêmeas.

Os cangurus cinzentos ocidentais variam em cor de marrom claro a tons avermelhados de marrom escuro. Seu peito, pescoço e abdômen são mais pálidos.

O focinho é distintamente diferente de outras espécies de canguru, pois é coberto com pêlos muito mais finos.

Estes cangurus podem crescer até 1m de altura, a cauda chega a tem 0,8-1m de comprimento. Seu peso, enfim, varia de 28 a 54 kg.

Comportamento do Canguru

O canguru vive em bando e tem hábitos noturnos e crepusculares.

O canguru vive em bando e tem hábitos noturnos e crepusculares.

Os cangurus não possuem um ritmo muito regular de atividade. De fato, geralmente, eles possuem hábitos noturnos ou crepusculares, ou seja, são ativos à noite e durante períodos de pouca luz. Entretanto, é bem possível encontrá-los ao ar livre sob luz solar intensa.

Não costumam ser animais muito sociais, todavia, viajam e se alimentam em grupos que podem ser alterados, uma vez que os membros individuais se movem em liberdade.

Os machos lutam pelas fêmeas mordendo, chutando e boxeando. Esses métodos também são usados ​​pelos cangurus para se defenderem contra predadores. São lutadores fortes e ágeis. Se ameaçados, de fato, os cangurus batem no chão com seus pés fortes em alerta. Se atacados, reagem com violência.

Com suas patas dianteiras, podem agarrar um inimigo enquanto se equilibram com a cauda, podendo balançar suas presas e empurrá-las com força com as patas traseiras. Com essa técnica, podem matar facilmente o inimigo.

Reprodução do Canguru

O canguru dá à luz afilhotes imaturos que completam seu desenvolvimento dentro da bolsa materna.

O canguru dá à luz afilhotes imaturos que completam seu desenvolvimento dentro da bolsa materna.

Os mamíferos marsupiais, como o canguru, dão à luz filhotes imaturos que completam seu desenvolvimento dentro da bolsa materna. O desenvolvimento do filhote é, provavelmente, a característica mais peculiar dos marsupiais.

As fêmeas de animais mamíferos normalmente produzem uma membrana que envolve o feto, chamada placenta. O canguru, entretanto, não produz esta membrana. Portanto, os fetos de dos cangurus absorvem todo seu alimento na parede do útero.

Antes de dar à luz, a fêmea limpa com a língua, durante horas, o interior da bolsa e sua região genital. O nascimento em si não demanda muito esforço já que o recém nascido possui um tamanho minúsculo. De fato, ele nasce medindo cerca de 2 cm de comprimento e pesa menos de um grama!

Surpreendentemente, assim que nasce, ele usa seus membros anteriores para rastrear o corpo da mãe e entrar na bolsa onde permanece durante meses. Lá, ele fica agarrado a uma das quatro mamas, apenas alimentando-se.

As fêmeas dos cangurus, entram no cio poucos dias depois do nascimento de seu filhote. Dessa forma, mesmo com um recém nascido em sua bolsa, ocorre novo acasalamento. Depois de apenas uma semana de desenvolvimento, o embrião microscópico entra em estado de dormência, chamado de diapausa. Esse estado dura até o primeiro filhote começar a sair da bolsa ou até que as condições sejam favoráveis.

O desenvolvimento do segundo embrião, em seguida, recomeça e procede ao nascimento após um período de gestação de cerca de 30 dias.

No entanto, nos cangurus cinzas que vivem em locais mais arborizados com um ambiente mais previsível, esse sistema não existe. Portanto, não há diapausa e a bolsa é ocupada por um filhote de cada vez.

Alimentação do Canguru

Os cangurus são herbívoros e comem uma variedade de plantas e, em alguns casos, fungos.

Possuem um estômago compartimentado que é funcionalmente similar àqueles de ruminantes como bovinos e ovinos. Portanto, uma vez que o canguru tenha ingerido o seu alimento é capaz de regurgitá-lo e mastigá-lo de novo até acabar todo o processo de digestão.

Habitat

Cangurus são animais muito versáteis e são capazes de viver em uma variedade de diferentes habitats. Alguns deles, de fato, prosperam nas florestas. Outros, no deserto seco.

O canguru vermelho é encontrado principalmente ao redor das planícies abertas. Eles se adaptam muito bem ao clima seco encontrado em muitas áreas da Austrália.

Tanto os cangurus cinzentos orientais quanto ocidentais preferem um clima mais úmido. Encontram-se mais facilmente, portanto, nas áreas densas da floresta.

No entanto, devido ao contínuo desmatamento, seu habitat acabou se sobrepondo ao habitat do canguru vermelho.

Predadores e formas de defesa

O canguru possui poucos predadores naturais.

O canguru possui poucos predadores naturais.

Cangurus enfrentam poucos predadores naturais. Entre seus inimigos estão os cães selvagens, chamados Dingos e infelizmente, os humanos.

Os cangurus foram desde sempre importantes para a sobrevivência dos povos indígenas da Austrália. Os aborígenes caçaram-nos durante centenas de anos, tanto pela sua carne como pela pele. Quando os europeus chegaram à Austrália em finais do séc. XVIII, também caçaram cangurus para sobreviver.

Atualmente, os cangurus são facilmente mortos por competirem forragem com o gado e por serem vítimas de caça.

De fato, suas peles ainda são usadas em tapetes e roupas. Sua carne, anteriormente usada como alimento para animais de estimação, agora é cada vez mais vendida para consumo humano. Entretanto, a caça está sob controle do governo. Todos os Estados e Territórios australianos possuem, de fato, legislação de proteção dos cangurus.

Somente as espécies mais abundantes de cangurus e um número limitado de duas espécies de wallabies podem ser caçados comercialmente, por caçadores com licença.

Risco de Extinção do Canguru

Além da ação do humano, o desmatamento representa um dos maiores perigos enfrentados pelos cangurus. De fato, reduzindo seu habitat natural, é automaticamente reduzido seu alimento. Além disso, aumentam o calor e a seca.

Entretanto, os cangurus são classificados como de menor importância no status de conservação pela IUCN (União Internacional para a Conservação da Natureza). As quatro espécies de cangurus que são caçadas comercialmente têm populações muito vastas e nenhuma delas está ameaçada ou em risco de extinção.

Referências Bibliográficas

Dawson, T.J. Kangaroos: Biology of the Largest Marsupials. Cornell University Press, 1995
WorldAtlas – How Many Species Of Kangaroos Are There?
Encyclopedia Britannica – Kangaroo.
Alina Bradford. Live Science – Kangaroo Facts.
National Geographic – Canguro Rosso.