Praticamente todo mundo já ouviu ou usou a expressão: “Eles brigam que nem cachorro e gato!”. Nos desenhos animados e filmes é comum ver o cachorro e o gato correndo um atrás do outro; como grandes rivais ou inimigos.

No entanto, quando introduzidos da forma correta, eles podem coexistir em um mesmo ambiente, e até se darem muito bem com o tempo, ficando até melhores amigos.

O problema é que a maioria das pessoas não se planeja ao adquirir um novo animal de estimação e acaba forçando uma situação de convivência forçada entre os animais.

Há vários erros comuns que podemos cometer, sem nem mesmo saber que estamos fazendo algo de errado. Com isso, tornamos a convivência de todos em casa estressante para todo mundo.

Vamos listar abaixo 7 erros muito comuns que as pessoas costumam cometer quando decidem introduzir um novo cachorro no convívio do gato já residente, ou vice-versa.

Se você estiver nessa exata situação, as dicas abaixo serão essenciais e vão lhe ajudar! Confira!

1. Não planejar o espaço do cachorro e o gato

O alimento do cachorro e o gato devem ser separados, especialmente no caso de Labradores.

Já sabemos que os gatos são bem territoriais e muito temperamentais com relação aos seus objetos pessoais. Como por exemplo, a caixa de areia deve ser colocada em local onde ele possa acessar sem problemas, mas com certa privacidade.

Já o cachorro não poderá ter acesso à ela, já que não conseguem evitar de meter o focinho onde não devem (literalmente).

Talvez ela tenha que ficar dentro de uma banheiro na casa ou algum outro local onde o cachorro não é permitido entrar. Ou você pode investir em uma caixa de areia com tampa fechada, porém com uma entrada para o gato entrar e sair.

Dependendo da personalidade dos animais, é provável que eles tenham que ser alimentados em locais separados também. Para que seus comedouros e bebedouros sejam acessados apenas por eles próprios.

Por exemplo, se você tiver um gato temperamental e trazer para casa um Labrador, cujo objetivo na vida é comer tudo que ele vê pela frente, a comida será uma questão estressante de se conviver.

Pode parecer estranho, mas muitos cachorros adoram comer comida de gato, pois é altamente gordurosa — ma isso não significa que seja bom pra eles.

Portanto, esteja preparado para descobrir uma forma de manter as refeições do cachorro e o gato separadas.

2. Não considerar a raça do cachorro em relação à outros animais

O Doberman é uma raça com forte instinto de predador.

Se for a primeira vez que você pensa em introduzir um cachorro ao convívio com o seu gato (ou gatos!), o ideal é iniciar com uma raça de cachorro amigável, calma, que tenha um instinto predador bem leve.

Idealmente, melhor seria que fosse uma raça de cachorro bem tranquila, tolerante e fácil de ser treinada, embora sabemos que nem sempre funciona dessa maneira.

Apesar de na maioria das vezes as pessoas já tenham suas preferências por certas raças, isso não significa que se encaixarão no seu estilo de vida.

Dito isso, tente evitar os Terriers, Dobermans, Weimaraners ou Greyhounds — estas raças de cachorro já são famosas por não se darem muito bem com gatos.

Obviamente, essa e apenas uma observação generalizada, pois cada animal vai ter o seu temperamento individual, o que pode fazer toda a diferença.

Mas pesquise bastante e pense a respeito antes e tomar uma decisão precipitada e se arrepender — a última coisa que precisamos agora é ter mais animais abandonados nos abrigos.

3. Não considerar as personalidades dos animais

Deve-se considerar as personalidades do cachorro e o gato.

Além da raça do cachorro, um fator ainda mais importante é considerar as personalidades de ambos os animais.

Se possível, tente conhecer o cachorro antes de trazê-lo para casa e apresentá-lo ao gato. Se for um filhote, faça perguntas suficientes sobre os pais do animal, bem como as características de comportamento predominantes da raça.

Não há como prever, mas há formas de se preparar. Afinal, é mais fácil treinar um filhote para conviver com um gato desde os primeiros dias.

No caso de uma cachorr adulto, você terá que descobrir como ele se costuma se comportar ao redor de gatos e outros animais.

Tem cachorro mais velho, com certa idade que já está mais tranquilo e não vai ligar muito para a presença do gato.

Da mesma forma, considere também o temperamento seu gato atual. Ele já esteve na presença de outros cachorros? Como foi essa interação? O gato lhe pareceu calmo, alheio ou teve medo e ficou na defensiva?

se você tiver uma ideia de como o seu gato provavelmente poderá reagir vai te ajudar a decidir a velocidade dessa introdução, ou a raça do cachorro, etc.

4. Apressar a introdução entre o cachorro e o gato

Não apresse a introdução entre o cachorro e o gato.

Mesmo que todos os sinais apontem para que o cachorro e o gato se deem bem, o ideal é sempre iniciar a introdução bem devagar.

Tentar manter o cachorro no início sempre na coleira pode ajudar a controlar a situação, caso as coisas não saiam como planejado.

Observe sempre a linguagem corporal do animal para tentar prever como eles respondem na presença de um ao outro. Normalmente, existe sempre algum tipo de curiosidade da parte de ambos, e os dois podem parecer calmos.

Mesmo assim, mantenha as interações curtas, tranquilas e controladas até que você se sinta confortável e confiante com a socialização do cachorro e o gato.

5. Não dar ao cachorro e o gato seus próprios espaços

Você deve dar espaços próprios ao cachorro e o gato.

Qualquer animal pode ser territorial, principalmente quando um deles já vive sozinho na sua casa sem dividir a atenção com outros animais ou pessoas.

Por isso, é importante oferecer ao gato um local seguro para se isolar quando el achar necessário. Você pode tirar vantagem da habilidade natural dos gatos e escalar coisas e usar os espaço verticais para ele se acomodar.

Como por exemplo, criar nichos ou prateleiras mais altas, onde o cachorro não alcança, mas em que o gato possa se encaixar para descansar e se isolar quando quiser.

Mas não permita que o gato sinta-se na obrigação de deixar os locais e se isolar a todo momento por conta da presença do cachorro. Continue observando o comportamento dos dois juntos, cada um no seu espaço e quando dividem o mesmo.

6. Deixar o cachorro e o gato sozinhos cedo demais

Nunca deixe o cachorro e o gato sem supervisão até que estejam se dando bem completamente.

Nunca deixe o cachorro e o gato sozinhos, sem supervisão, pelo menos no início até que eles estejam se dando muito bem.

Mesmo que eles convivam bem quando você está por perto, os animais costuma ser imprevisíveis, e você não vai querer que eles se envolvem em uma briga quando você não estiver por perto.

Até que você tenha certeza completamente de que eles podem ficar sozinhos na presença de um e de outro, na paz, mantenha-os separados quando estiver fora.

Isso pode ser feito colocando o cachorro em um cercado, canil, ou preso no quintal, por exemplo, com o gato confinado dentro de casa. No caso dos apartamentos é um pouco mais complicado.

7. Não possuir um segundo plano

Tenha sempre um plano B!

Na maior parte dos casos, se você tentar evitar os seis erros acima descritos, o cachorro e o gato vão se dar bem sem o menor problema, em pouco tempo.

No entanto, um cachorro mais agressivo ou um gato mais medroso e arisco podem ser mais desafiadores, e a tarefa de fazê-los se dar bem entre si pode não ser das mais fáceis ou talvez, nem seja possível.

Se a ideia é ter mesmo os dois, você terá que ter um plano B para mantê-los separados completamente em diferentes áreas da casa para que eles não possam interagir.

Então, prepare-se para organizar a sua casa para isso. É possível! Até porque os gatos são bem espertos e saberão o que fazer para se manterem longe do cachorro.

desde que essa introdução entre o cachorro e o gato seja feita da forma apropriada, o cachorro poderá se tornar parte da família, sem que você tenha que se livrar do gato ou desistir da ideia de ter um cachorro.

Portanto, se planeje com antecedência, considere as raças e personalidades dos dois animais, seja paciente e esteja preparado para supervisioná-los pelo tempo que for preciso.

Você tem um cachorro e gato vivendo juntos em casa? Eles se dão bem, ou nem convivem um com o outro? Conte pra gente nos comentários abaixo ou deixe suas dúvida e opiniões que teremos o maior prazer em responder.

Por Equipe Editorial

O Vidanimal.com.br acredita que compartilhar um bom conteúdo é a melhor maneira de fazer com que a informação chegue ao seu destino ou público alvo. Educar e conscientizar as pessoas é a nossa missão. Procuramos criar parcerias com profissionais empenhados em fazer parte dessa missão. Contamos com uma equipe de colaboradores que amam aquilo que fazem e se dedicam todos os dias para levar até você um conteúdo informativo de qualidade.

Deixe uma resposta