Digamos que você se encontra na situação de ter um cachorro e bebê a caminho, e não tem certeza do que deve fazer a respeito. Muitos casais ficam na dúvida sobre como o cachorro vai reagir à chegada de um novo bebê em casa.

Embora isso seja muito comum e os receios normais, lidar com essa nova relação pode ser mais simples do que você imagina.

Não se preocupe, você não vai ter que se desfazer do cachorro, nem vai precisar isolar o animal do resto da família. Isso seria crueldade demais com ele, e nem bom para nenhum de vocês.

Na verdade, por mais complicado que pareça ser, a convivência do cachorro com o bebê pode ser muito boa para ambos e trazer muitas vantagens. No entanto, vocês terão que tomar alguns cuidados importantes e fazer alguns ajustes na rotina. Mas isso vocês já esperavam, não é mesmo?

Veja como fazer com que cachorro e bebê convivam bem um com o outro e como fazer o seu animal lidar com esse processo da forma mais natural possível.

Nos acompanhe abaixo!

Cachorro e bebê juntos em casa? O que fazer agora?!

Cachorro e bebê podem conviver muito bem juntos em casa.

Com a chegada de um novo bebê em casa, a convivência entre a criança e os animais de estimação pode se tornar uma preocupação para os pais, principalmente os de primeira viagem.

No entanto, não há motivos para se preocupar. Há diversas formas suaves de fazer a introdução da nova rotina e do novo integrante na família, tornando essa convivência tranquila para todos.

Em primeiro lugar, é preciso criar um período de adaptação e ter muita paciência com ambos, cachorro e bebê.

As principais preocupações são em relação à higiene e ao comportamento do cachorro, que é difícil de prever como ele vai reagir. Como resultado, muitos tutores acabam se desfazendo do animal, contribuindo para que o índice de abandono de cães seja ainda maior.

Mas essa não é nem de longe a melhor solução, por mais difícil que seja o período de adaptação. Na verdade, o cachorro precisa participar do convívio familiar em todos os momentos para entender que as mudanças na rotina fazem parte da casa.

Aliás, se ele puder participar normalmente de tudo o que acontece, sendo parte daquilo, ele vai conseguir lidar melhor com as mudanças e não vai se sentir excluído, que é quando a maioria dos problemas acontecem. Inclusive há bons motivos para estimular a convivência do cachorro e bebê e não o contrário.

Motivos para estimular a convivência do cachorro com o bebê

Há muitos bons motivos para o cachorro e bebê conviverem e crescerem juntos.

Muitas são as vantagens que a convivência com animais podem trazer para a vida das pessoas, bem maiores que algumas dificuldades. Quando a introdução é feita de forma adequada e o cachorro já tem um comportamento aceitável dentro de casa, a família não vai encontrar problemas no convívio entre o cachorro e bebê.

Os maiores problemas surgem quando o cachorro já foi criado de maneira inadequada, como sendo o centro das atenções e o “bebezinho” da casa. é preciso lembrar que por mais que a gente ame nossos bichinhos de estimação, eles são animais e não humanos.

Por isso devem ser tratados como tal, com todos os cuidados, amor, carinho e respeito que eles merecem, mas como animais que são, com limites, regras e treinamento que precisam.

Dessa forma, só haverão bons motivos para estimular a convivência entre o cachorro e bebê. Veja a seguir quais são eles:

Cachorro e bebê podem ser grandes amigos

Cachorro e bebê podem fazer grandes laços reais de amizade. É muito bom para a criança poder crescer convivendo com um cachorro, pois isso ajuda muito a desenvolver suas habilidades sociais e testar a compaixão pelo próximo.

Uma pesquisa em Desenvolvimento Social Psicológico publicada pelo psiquiatra Matt Cassels, PhD Psiquiatria, pesquisador da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, apontou que a criança tem o cachorro um amigo confidente para todos os momentos.

Cachorro e bebê juntos pode aumentar a imunidade

A presença do cachorro pode aumentar a imunidade da criança.

Ao contrário de muitas preocupações de pais em relação à higiene e saúde, inúmeros estudos confirmam ter vários benefícios a convivência do cachorro e bebê. Claro que isso vai depender muito da saúde criança,seu estado imunológico e alérgico.

Obviamente, uma criança com problemas imunológicos de saúde e alergias vai precisar de maiores cuidados quanto à higiene em casa, mas nada que a presença de um animal possa prejudicar.

Inclusive, uma pesquisa realizada pela Universidade da Suécia, publicado na revista médica JAMA Pediatrics, mostrou que crianças que convivem com cachorros em casa têm uma menor probabilidade de desenvolver asma. Contraditório, não? Mas é fato cientificamente comprovado!

Cachorro e bebê gera maior responsabilidade

Geralmente, ter um animal em casa exige cuidados básicos, como alimentá-lo e mantê-lo limpo. Isso também vai auxiliar a criança a ter responsabilidades consigo mesma e para com ele.

De fato, os pais terão que ensinar a criança sobre os fatos e obrigações básicas da vida, e o animal é capaz de ser um exemplo na prática se ela for incumbida de certas tarefas para o seu cuidado.

Como ter que passear com ele todos os dias, mantê-lo seguro, alimentá-lo, brincar, etc. Isso vai fazer com que a criança cresça responsável e independente.

Dicas para ajudar na convivência do cachorro e bebê

Há formas de preparar o animal para a chegada do bebê, e ambos, cachorro e bebê se dar muito bem.

Agora que já pudemos entender que a convivência entre o cachorro e bebê possui suas vantagens, sendo inclusive recomendada para o bom desenvolvimento da criança ao longo da vida e bem estar do animal, veja algumas dicas interessantes abaixo para ajudar nessa introdução.

Veja a seguir:

1. Vá preparando o cachorro na gravidez:

A maioria dos psicólogos e veterinários indicam mudanças graduais na rotina para qualquer tipo de período de adaptação em todas as situações. Portanto, durante a gravidez vá preparando o cachorro para as mudanças que estão por vir.

Da mesma forma que você foi fazendo a introdução do filhote na rotina da casa, agora é chegada a hora de fazer a familiarização do cachorro com a chegada do bebê. Isso pode ser feito através de muita conversa com o animal, apresentando os novos objetos do bebê, o quarto, carrinho, brinquedos.

Parece bobagem, mas os animais sentem o clima no ar e conseguem perceber que algo está mudando ou ainda vai mudar. Deixe que ele se acostume com os novos objetos, os cheiros e até horários. Vá introduzindo na rotina dele horários em que você terá que se dedicar apenas ao bebê, mesmo que a presença dele na casa ainda não seja concreta.

2. Não mude a forma de tratamento com o animal:

Muitas vezes, os problema de comportamento animal surgem por culpa de seus tutores. Nós é que introduzimos as manias e deixamos de impor limites, tratando-os como pequenos “humanos”, por que é bonitinho tê-los como bebês.

Mas se antes ele era o centro das atenções, mimado como criança, cheio de vontades com até um lugar só dele no sofá, você vai ter problemas se mudar esse tratamento de uma hora para outra.

Portanto, nada de proibir de subir no sofá, colocar para fora do convívio interno, isolá-lo em outro local da casa e dar menos atenção, principalmente se ela não está acostumado com isso. Senão, ele pode se tornar agressivo, ter ciúmes, começar a fazer necessidades onde não deve e destruir objetos.

Ao invés disso, comece a adaptação o quanto antes e vá introduzindo novos limites e regras aos poucos, pois quando o bebê chegar ele nem vai notar a mudança na sua rotina.

3. Tente associar o bebê a coisas boas:

Sempre associe apresença do bebê a coisas boas.

Associar o bebê a coisas boas é uma técnica muito eficiente para ganhar a confiança do cachorro. Você pode fazer isso de diversas formas. Ao invés de enxotá-lo para longe toda vez que o bebê estiver por perto ou no colo, dê-lhe petiscos e atenção.

Ou seja, sempre que estiverem juntos na presença da criança, procure conversar com ele, chamá-lo para ficar perto, agradá-lo, dar carinho e atenção com afagos no cão. Deixe que o bebê toque nele também para que ele sinta o seu cheiro.

Durante a gravidez, você pode colocar sons de bebês em volume baixo enquanto conversa com o cachorro, elogiando o comportamento dele e recompensando-o se ele se manter calmo. Depois, vá aumentando gradativamente o volume do som e até introduza choros e gritos, para que ele se acostume. Se quiser, pode até pegar uma boneca e simular que está cuidando dela, passeando com ela no colo pela casa. Rs!

4. Não deixe de dar atenção nem exclua o cachorro:

Na prática sabemos o quanto é difícil conciliar a mesma rotina com a chegada do recém-nascido em casa. Tudo muda. Nem o casal consegue se dar a mesma atenção, por isso é normal que o cachorro fique um pouco de escanteio.

Porém, tente fazer com que a mudança de atenção não seja radical para que o cachorro não se sinta excluído da família. Divida as tarefas com o seu marido. Enquanto um estiver com o bebê, o outro dá uma atenção extra ao cachorro.

Se antes vocês passeavam com o cachorro, inclua o bebê no passeio no mesmo horário, assim ele vai entender que só ganhou mais companhia e não perdeu nada com a sua chegada.

Se antes ele dormia dentro de casa, ou mesmo dentro do quarto dos donos, crie um local especial para ele, em um outro local onde ele possa ir e vir quando tiver vontade. Mas faça essa adaptação de forma gradual, para que ele entenda que agora todos tem o seu local para dormir, mas ficarão juntos em outros locais.

5. Não force essa convivência entre cachorro e bebê:

Nunca force a connivência do cachorro e bebê.

Caso essa convivência entre cachorro e bebê esteja realmente difícil, talvez seja necessário procurar ajuda profissional. Pode acontecer que mesmo fazendo tudo certo o cachorro não consiga lidar bem com a situação, ficando agressivos ou se isolando.

Mas não se preocupe, essa convivência vem naturalmente. Você pode introduzir outras crianças no seu convívio para ele vá se acostumando. Mas não force a adaptação. Se o cachorro demonstrar não gostar do bebê, tenha mais paciência, dê tempo ao tempo e vá aos poucos, sem forçar.

Se nós humanos demoramos para nos acostumar com os choros, gritaria, exaustão e toda a demanda de uma bebê, é natural que o cachorro também fique irritado. Ele vai superar, acredite!

Então, para concluir…

De qualquer forma, qualquer mudança em nossas vidas requer preparo e adaptação, não seria diferentes para os animais. Afinal, quem é que não sentiria se estivesse acostumado a viver de uma forma, e de uma hora para outra tudo mudasse e, para pior?!

Sabemos o quanto é difícil esse período de bebê recém-nascido em casa para todos, e o seu “amigão peludo” também vai sentir a mudança. A dica é não levar tão a sério tudo o que dizem por aí – vocês irão se acostumar e ele também – juntos!

Não será preciso afastá-lo da criança. Comece a preparação desde cedo, deixe que ele cheire o enxoval e os objetos do bebê e não imponha grandes mudanças de comportamento ou regras da casa.

E claro, não se esqueça de manter a vacinação dele em dia e manter as suas consultas veterinárias em dia para garantir que ele esteja saudável. Além disso, por mais que o cachorro e bebê convivam bem, NUNCA deixem o animal sozinho com a criança sem supervisão.

Fazendo tudo como falamos e seguindo essas dicas a relação do cachorro e bebê com certeza vai fluir naturalmente e ser bem tranquila. Boa sorte!

Por Equipe Editorial

O Vidanimal.com.br acredita que compartilhar um bom conteúdo é a melhor maneira de fazer com que a informação chegue ao seu destino ou público alvo. Educar e conscientizar as pessoas é a nossa missão. Procuramos criar parcerias com profissionais empenhados em fazer parte dessa missão. Contamos com uma equipe de colaboradores que amam aquilo que fazem e se dedicam todos os dias para levar até você um conteúdo informativo de qualidade.

Deixe uma resposta