Categorias
Cuidados & Higiene Dicas & Curiosidades

Como fazer guia para cachorro personalizadas bem práticas e resistentes

Primeiramente, antes de mostrar como fazer guia para cachorro, é importante entender quais as características mais importantes para que esse acessório seja usado em segurança.

A guia de cachorro é, com certeza, um dos itens mais importantes para um tutor de cachorro. Guias são, de fato, acessórios de segurança usadas em conjunto com coleira para passeios cotidianos ou para fins de treinamento.

No inicio, cães que não tem o costume de usar guia, poderão estranhar e levarão algum tempo para se acostumar. Portanto, esse processo exigirá paciência da parte do tutor. Eventualmente, o cachorro irá associar a coleira a eventos felizes, como passeios diários.

Tipos de guias para cachorro

Como acontece com quase qualquer acessório para animais hoje em dia, há dezenas de modelos de guias disponíveis no mercado. Todas elas possuem finalidades diferentes e se adequam a temperamentos e portes diferentes.

Antes de mostrarmos como fazer uma guia de cachorro artesanal, é importante conhecer os vários modelos disponíveis no mercado.

Alguns tutores de cães podem preferir ter vários tipos de guias para usar para diferentes propósitos. Dependendo dos hábitos de cada um, é possível adquirir uma coleira para caminhadas diárias, para treinamento, passeios de bicicleta, entre outros.

Sugere-se, portanto, escolher  algo que seja funcional e se adapte ao seu estilo pessoal. No entanto, a principal característica que a guia deve ter é resistência, o que irá conferir segurança ao animal e possivelmente a terceiros.

Guias Comuns

As guias comuns são destinadas ao treinamento básico e ao uso diário. Normalmente possuem uma alça em uma extremidade e um clipe de metal na outra extremidade para fixar à coleira ou peitoral do cachorro.

Guias comuns são normalmente feitas em nylon, couro ou com correntes de aço. Podem ser fitas achatadas, entrelaçadas, arredondadas, em diferentes tamanhos e larguras. A escolha dependerá do porte do cachorro, força e nível do obediência ao passear na rua.

Guias de couro são, sem dúvida, muito bonitas e, se bem conservadas, podem ser duráveis. As guias de corda são geralmente redondas e são muito duráveis. Essas são indicadas para animais maiores e mais fortes.  ​

As guias feitas com correntes de aço são indicadas para aqueles cães que adoram mastigar seus acessórios, no entanto não são as mais recomendadas por causa do peso e barulho que produzem.

Guias retráteis

Guias retráteis geralmente são indicadas para cachorrinhos de portes pequenos. São guias feitas com fitas de nylon e podem ser encontradas em diversos tamanhos.

Foram fabricadas com um mecanismo semelhante ao usado nas fitas métricas. Ou seja, a guia estica e ao se aproximar do animal, retrai dentro de uma caixinha que possui externamente uma alça. Esse tipo de coleira possui também uma trava para poder controlar a distância entre o tutor e o cachorro na hora de passear.

Guias retráteis podem ser úteis para aqueles tutores que querem permitir que o cachorro ande sem coleira. No entanto, esse tipo de guia só deve ser usada depois que seu cão tiver sido treinado para andar com uma guia normal. Caso contrário, você ensinará ao seu cão um hábito muito ruim, ou seja, que é permitido puxar.

Mesmo assim, recomenda-se não deixar seu cachorrinho usar todo o comprimento da guia, a menos que o ambiente seja realmente seguro. A guia, de fato, pode ficar emaranhada ou o seu cão pode entrar em uma situação perigosa. Além disso, verifique periodicamente o estado da guia retrátil. Verifique, ao longo de toda a extensão,  se há áreas desgastadas ou danificadas de alguma outra forma.

Guias Ajustáveis

As guias ajustáveis ​ são semelhantes às coleiras padrão. No entanto, elas podem ser alongadas ou encurtadas. Os vários tamanhos podem ser úteis durante certos tipos de treinamento de cães.

Esse tipo de guia permite maior flexibilidade e usos diferentes. É possível até mesmo usa-la para correr com o cachorro. Basta prender a guia na cintura e a outra extremidade no cachorro.

Enforcadores

Enforcadores dispensam o uso de coleiras. Isso porque a coleira gira em torno de si e passa por cima da cabeça do cachorro. Se o cachorro puxar mais do que o necessário, a corda ou corrente irá automaticamente apertar o pescoço (por isso o termo enforcador).

Esse tipo de acessório pode ser perigoso se usado de maneira inadequada, pois pode fechar as vias respiratórias do cachorro, caso seja puxado com muita força. É bom saber também que existe um grande risco do cachorro se soltar desse tipo de guia.

É importante, portanto, que um cão use um colar separado com identificação ao usar um enforcador. Dessa forma, se ele se soltar, ainda terá algo para ajudar a identificá-lo.

Guias que se adaptam à necessidade do tutor

Existem várias guias feitas com uma combinação de recursos. Algumas guias padrão têm alças especiais. Outras ajustáveis ​​têm elásticos ou molas para ajudar a absorver o choque de um cão que puxa. Há, ainda, guias com faixas refletivas ou até mesmo equipadas com lanternas para caminhadas ou corridas noturnas.

Como fazer guia para cachorro

Agora que conhecemos os tipos de guias disponíveis podemos, finalmente, mostrar como fazer uma guia para cachorro.

Todavia, é importante lembrar que a guia é um acessório de segurança. Deve, portanto, ser muito resistente e confortável para o tutor e para o cachorro.

Segundo artigo escrito por Wes Siler, editor do Indefinitely Wild (coluna de estilo de vida da revista Outside), um dos melhores materiais para fazer uma guia para cachorro é a corda de alpinismo. Isso porque a corda para alpinistas são resistentes e, além disso, os cachorros não conseguem destruir com mordidas.

Como fazer uma guia para cachorro

Há algumas opções para fazer uma guia para cachorro artesanal. O primeiro passo, portanto, é escolher o material a ser usado. Para isso, leve em consideração o porte e força do seu cachorro.

Para fazer uma guia para cachorro com corrente, por exemplo, basta comprar uma corrente e colocar em cada extremidade um bom mosquetão de alpinismo.

Outra possibilidade, é fazer a guia com uma corda grossa como a de alpinismo. Nesse caso, pode-se, ainda, fazer uma guia para cachorro simples, ou trançada.

Fazer uma guia de cachorro simples

Materiais necessários

  • 2 metros de corda de espessura mais grossa;
  •  Mosquetão de alpinista;
  • Isqueiro.

Passo a passo
1) Pegue a corda e queime as pontas para que elas não se desgastem;
2) Crie uma alça e faça um nó maior (onde você vai segurar). Na outra extremidade, faça um nó menor (onde o gancho será colocado);
3) Coloque o gancho no nó menor;
4) Agora é só prender o gancho na coleira e pronto! Você já pode passear com o seu cão.

Fazer uma guia para cachorro trançada.

Trata-se de uma guia mais resistente e também bastante fácil de fazer.

Materiais necessários:

  • Corda grossa
  • Corda mais fina
  • Mosquetão
  • Tesoura,
  • Isqueiro
  • Cola quente

Passo a passo

  1. Passe a corda mais grossa pelo mosquetão de forma que as extremidades dela fiquem do mesmo tamanho.
  2. Pegue a corda mais fina, amarre no mosquetão, de forma que fique entre as duas partes da corda mais grossa.
  3. Faça uma trança apertada ao longo de toda a extensão das cordas.
  4. Uma vez feita a trança, queime as pontas para que não desgastem e cole com cola quente. Deixe secar.
  5. Faça, enfim, uma volta com a corda para criar a alça com a qual você irá segurar a guia. Cole com cola quente. Se preferir, poderá também fazer o acabamento com um tecido por cima.
  6. Outra opção, nesse último passo, é fazer a alça, e depois fixa-la com um nó forte.

 

Referências Bibliográficas

https://www.outsideonline.com/2048321/wes-siler

 

Categorias
Blog Cachorros Dicas & Curiosidades

Canil de cachorro – como achar um criador confiável.

Falar sobre canil de cachorro tornou-se um assunto muito polemico nos últimos anos. De fato, graças à tecnologia que permite filmar e fotografar, vieram a tona muitas histórias sobre maus tratos de animais nas redes sociais.

Por causa dessa evolução tecnológica houve, também, uma conscientização muito maior em relação ao abandono de cachorros sem raça definida, mais conhecidos como vira-latas. Por isso, muitas celebridades começaram a fazer campanhas contra a compra de animais já que muitas coisas negativas são ditas a respeito de criadores.

Mesmo assim, muitas pessoas são apaixonadas por determinadas características de raças específicas, e preferem adquirir um animal com aquele padrão físico ou comportamental.

Como escolher o melhor canil de cachorro?

Primeiramente, é importante não adquirir um cachorro em um pet shop ou em classificados. Isso porque normalmente os animais são oriundos de canis de cachorro que visam apenas o lucro sem pensar na saúde e bem estar dos animais.

Achar um canil sério, certamente, não é uma tarefa fácil e requer dedicação e pesquisa. Portanto, a primeira coisa a se procurar para evitar qualquer tipo de problema é um criador ético!

Código de Ética

A CBKC divulgou em seu site o código de ética e disciplina dos Cinófilos. No site, é possível ler o documento integralmente. No entanto, apresentaremos aqui somente a seção IV, que trata dos Deveres do Criador de Cães.

Art. 11 – São deveres do Criador de Cães:

I – manter em reprodução apenas animais sadios, não portadores de taras ou de faltas
desqualificantes;
II – não proceder ao registro de qualquer animal portador de tara, atipia flagrante ou
falta desqualificante;
III – denunciar ao Registro Genealógico a superveniência de faltas, taras ou atipias em
qualquer animal de sua propriedade ou criação;
IV – respeitar as áreas de jurisdição das diferentes entidades filiadas, abstendo-se de
registrar em entidades fora da jurisdição;
V – comunicar o óbito de cães ao Registro Genealógico;
VI – fornecer dados exatos em documentos ou atos cinófilos abstendo-se de:
a) alterar dados referentes a origem e ancestrais;
b) alterar datas de nascimento;
c) empregar títulos não devidamente homologados pela CBKC, ainda que
penas com fins publicitários.
VII – manter seus cães em boas condições de higiene, saúde, nutrição e salubridade, não
permitindo que de qualquer forma sejam submetidos a situação de maus tratos.
VIII – abster-se de veicular qualquer tipo de propaganda que mediante falsos dados,
possa induzir terceiros a erro.
IX – Permitir, caso se faça necessário, que seus cães e canil sejam vistoriados por pessoa
devidamente autorizada pela CBKC e entidades filiadas.
X – não atribuir ascendência a cães que não a tenham, nem tolerar que outros o façam,
denunciando o fato a autoridade cinófila competente.

Como encontrar um bom canil de cachorro?

Antes de mais nada, bons criadores dispõem de instalações limpas e organizadas. Além disso, os cães são ativos, felizes e saudáveis.

Um criador ético é aquele que tem auxilio constante de um médico veterinário de confiança, prezando pela saúde e qualidade de vida de seus animais. Além disso, é o criador que  utiliza os melhores produtos e serviços disponíveis no mercado pet atual, como por exemplo ração super premium tanto para mãe quanto para os filhotes.

Ao visitar o canil de cachorro de um criador ético, ele fará questão de te mostrar a infraestrutura, os pais da ninhada, os documentos e, provavelmente, vai lhe fazer muitas perguntas, para se certificar de que você vai cuidar bem do filhote que está levando para casa. Além disso, jamais entregará o filhote sem que tenha feito o período de desmame completo.

Evite, portanto, os criadores que:

• Não têm muito interesse em lhe atender;
• Não sabe muitos detalhes sobre a raça;
• Não pertencem a um clube de criadores;
• Não sabe sobre os problemas genéticos mais comuns à raça;
• Não puder lhe mostrar os documentos do animal ou veterinário.

Como encontrar um canil de cachorro?

Primeiramente, entre em contato com o Kennel Club de sua região. Eles, de fato, oferecem informações e detalhes sobre canis credenciados, com filhotes registados para venda.

A estrutura do canil de cachorro

Algumas estruturas devem ser planejadas, de acordo com o espaço disponível. No geral, recomendam-se estruturas como:

Baias

O ambiente deve ser, preferencialmente feito de alvenaria, com forro plástico (PVC) ou mesmo laje, o que facilita o controle térmico. Se houver um controle de temperatura adequado, o pé direito pode ser relativamente baixo (2,5 a 2,7). Por outro lado, se a temperatura não for um problema, o pé direito pode ser alto e o espaço pode ser aberto.

O piso deve ser adequado, estar devidamente inclinado e ter uma excelente drenagem, o que facilita muito a higienização correta do local.

Maternidade do canil de cachorro

Um dos locais mais importantes de um canil é sua Maternidade! É lá onde, eventualmente, nascem os filhotes e onde eles passam as primeiras semanas de vida.

Uma boa maternidade tem um ótimo controle térmico e equipamentos como termômetro, balança, luvas, ventilador, aquecedor, entre outros.

O piso deve ser adequado para dar firmeza aos filhotes e mesmo assim deve ser fácil de limpar.

Uma acesso visual via uma janela de vidro também pode estar presente, assim é possível efetuar o monitoramento dos animais, sem necessariamente entrar no recinto.

Cada Baia deve ter um local adequado para descanso, respeitando as características dos animais. Além disso, deve haver local para água e um local para a alimentação.

Área de Lazer

Um ou mais espaços amplos para os animais se exercitarem são indispensáveis. Nesse espaço podem haver brinquedos para estimulá-los tanto fisicamente quanto mentalmente.

O tamanho do espaço deve ser de acordo com o nível de energia que cada raça necessita. O ideal é que também existam espaços para pequenos repousos.

Quanto mais tempo os animais passarem nesses espaços, melhor. Mas o ideal é que sempre exista um acompanhamento para evitar eventuais conflitos.

Lavatórios

Ter lavatórios ou lavabos no espaço permite ao criador uma rápida higienização das mãos. Dependendo do Tamanho do Canil, ter alguns lavatórios irá incentivar uma higienização maior e, consequentemente, diminuição do risco de eventuais contaminações entre os animais.

Sala de Banho

Um local específico para banhar os cães é fundamental para a manutenção deles. De fato, com uma quantidade grande de animais, utilizar serviços terceirizados é inviável na maioria das vezes.

Além disso é possível adquirir produtos de higiene para cachorro em grandes volumes e reduzir os custos de insumos.

Depósito

Uma pequena área fechada, seca e com controle térmico é necessário para guardar os produtos como medicamentos, alimentos, produtos de higiene e produtos de limpeza. Esses últimos, de preferencia separados dos produtos de consumo. Devem, portanto, ser mantidos em quartinho ou armário separado.

É importante que os alimentos e medicamentos estejam protegidos para evitar infestações e contaminações. Além disso, o depósito deve ser muito bem fechado para evitar a entrada de roedores ou insetos.

Escritório

Um canil de cachorro pode permitir visitas e, portanto, deve ter um local adequado para recebe-las. Isso, no entanto, ocorre mais quando o canil é realmente grande.

Um bom escritório deve possuir, no mínimo, um espaço para uma mesa de trabalho, um espaço para conversas ou reuniões e um armário para guardar a documentação da criação. Além disso, um escritório é útil para separar o ambiente de trabalho da residência, quando as duas estão juntas.

Demais dependências

É possível que o canil de cachorro tenha outros ambientes, no entanto dependerá do espaço físico disponível. Entre esses espaços estão:

  • Quarentena – Um local destinado a cães recém chegados ou que estiveram um grande período fora. Esse espaço deve ficar relativamente afastado das baias dos demais animais e o contato com o animal em quarentena deve ser feito com muito cuidado.
  • Ambulatório – Um espaço para que o Veterinário possa fazer consultas e análises nos animais.
  • Lavanderia – Geralmente um espaço para lavar os materiais utilizados pelos funcionários, pelos animais, etc.
  • Cozinha – Se o criador utilizar AN ou para preparar pequenas refeições dos funcionários ou mesmo do criador.
  • Banheiro – Um banheiro para uso dos funcionários ou do criador quando estiver realizando as atividades do canil.

Mais dicas para a compra do seu filhote

Alguns passos simples irão ajudá-lo a garantir que você está adquirindo um filhote de um bom canil de cachorro.

• Visite sempre o criador nas suas instalações e observe a ninhada junto com a mãe.
• Certifique-se de o criador irá dar-lhe assistência integral, dicas sobre a dieta, dados de vacinação e informações sobre o pedigree.
• Pergunte ao criador sobre o Certificado de Registro no kennel club. Se ele ainda não tiver esse documento, solicite, por escrito, o compromisso de que irá enviá-lo a você, assim que estiver disponível.
• Certifique-se de que o criador assina o “Documento de registo de mudança de propriedade” com os dados do certificado de matrícula. E verifique se a data de venda está correta.

 

 

Categorias
Dicas & Curiosidades

Brinquedos para Cachorro Grande: As Melhores Opções

Cachorros são animais que podem possuir uma imensa diferença de tamanho entre uma raça e outra. Basta pensar em um pequeno Chihuahua perto de um imponente Dogue Alemão. No entanto, o que muitos não percebem é que o cachorro, grande ou pequeno, não deixa de ser um animal brincalhão. Ou seja, brinquedos não são só para filhotes ou cães de raças pequenas. Brinquedos para cachorro grande também são necessários.

Porque é importante dar um brinquedo para cachorro grande?

Os brinquedos para cachorro grande são necessários para evitar a solidão e a ansiedade.
Os brinquedos para cachorro grande são necessários para evitar a solidão e a ansiedade.

Cachorros de grande porte tem as mesmas necessidades emocionais de um cachorro de porte pequeno. Eles também sofrem por estresse e solidão. Se passar muito tempo sozinho, preso ou em local restrito então, pior ainda.

A junção destes fatores pode, de fato, provocar comportamentos indesejáveis como compulsão, ansiedade de separação e/ou comportamento destrutivo. Alguns cães podem ainda se automutilar por tédio.

É por isso, ou seja, para evitar o tédio e suas consequências, que veterinários e biólogos estudam há anos formas de enriquecimento ambiental. Ou seja, a criação de um ambiente mais interativo, promovendo desafios e novidades que simulam situações que ocorreriam na natureza.

De forma simples, enriquecer o ambiente é inserir no local onde seu cão vive elementos simples, criativos e de fácil interação, fornecendo opções de escolha e possibilidades para expressarem comportamentos e habilidades adequadas à espécie.

Criar alguns obstáculos pela casa, esconder a comida para que o cão a procure, pendurar algumas cordas para que estimule saltos e gastos de energia, utilizar brinquedos que promovam o desenvolvimento motor e cognitivo são algumas possibilidades de enriquecimento ambiental.

Uma das formas de promover o enriquecimento ambiental para cachorros de portes maiores é, de fato, através de brinquedos para cachorro grande. De preferência aqueles que estimulem a capacidade mental do cão. De fato, desviar a energia do seu cão para brincar com brinquedos apropriados, pode prevenir ou ajudar a resolver problemas como cavar e mastigar móveis, sapatos ou arbustos.

Pesquisa do Departamento de Medicina Veterinária da Universidade de Bristol

O Departamento de Medicina Veterinária da Universidade de Bristol, publicou uma pesquisa no jornal de comportamento animal ‘Animal Cognition’ no qual houve a intenção de descobrir qual é o brinquedo favorito dos cachorros.

Segundo John Bradshaw, um dos pesquisadores responsáveis pelo trabalho, os cães tem um comportamento em relação aos brinquedos como o dos lobos em relação a suas presas. De fato, muitos cães, principalmente os de porte maior, amam rasgar e despedaçar seus brinquedos. No entanto, esse mesmo hábito pode se tornar perigoso, já que o animal pode engolir algumas peças indesejáveis.

Para a pesquisa, foram utilizados cães da raça Labrador, por ser uma raça muito brincalhona.

Segundo a co-autora da pesquisa, Anne Pullen, os brinquedos perfeitos devem ser macios, facilmente manipuláveis, que podem ser mastigados com facilidade e / ou fazer barulho. De fato, segundo a mesma, os cães perdem rapidamente o interesse em brinquedos com superfícies duras e inflexíveis e aqueles que não fazem barulho quando manipulados.

Além disso, a pesquisa revela que os brinquedos só ficam realmente interessantes quando fazem parte de uma brincadeira com uma pessoa, ou seja, poucos brinquedos sustentarão o interesse de um cão por muito tempo se o proprietário não estiver por perto para incentivá-lo.

Quais são os melhores brinquedos para cachorro grande?

Os melhores brinquedos para cachorro grande são so interativos e resistentes.
Os melhores brinquedos para cachorro grande são so interativos e resistentes.

Como vimos anteriormente, os tipos de brinquedos perfeitos devem ser macios, facilmente manipuláveis, que podem ser mastigados com facilidade e / ou fazer barulho. No entanto, essas características podem não ser interessantes em brinquedos para cachorro grande. De fato, cães de portes maiores são mais fortes, mais destruidores e engolem peças mais facilmente.

No entanto, hoje em dia existe uma grande variedade de brinquedos para cachorro grande em pet shops que ajudam muito no controle da ansiedade. Mesmo assim, achar brinquedos para cachorro grande não é tarefa tão simples, já que precisam ter determinadas características, como: Resistência, segurança e atoxicidade.

Tipos de brinquedos para cachorro grande

Encontrar brinquedos sólidos e seguros para cães grandes não é fácil. Mas além de terem essas características, precisam distrair o animal para amenizar o stress, ocupando seu tempo. Os brinquedos podem ser interativos, de distração, e ter função também de conforto.

Brinquedos Interativos:

São brinquedos que exigem sua participação do dono como frisbees, brinquedos de borracha que saltam, brinquedos de corda para brincar de cabo-de-guerra.

Entre os brinquedos interativos estão os seguintes:

Bastão para lançar bolinhas – A empresa Ferplast produz esse brinquedo no Brasil. Trata-se de um bastão que ajuda a lançar bolinhas fazendo com que elas cheguem mais longe com muito menos esforço. Deve ser usado, portanto, em espaços amplos para permitir que o cachorro corra atrás da bolinha. O brinquedo contém o bastão e duas bolinhas, uma de tênis e uma que pisca. Além disso, para pega-las no chão, é possível pega-las com o próprio bastão, não sendo necessário pegar a bolinha suja com as mãos.

Kong – É o típico brinquedo multi uso, como veremos nesse artigo. Os brinquedos da marca Kong são, sem dúvida, os melhores brinquedos para cachorro grande. De fato, os brinquedos produzidos por essa empresa são extremamente fortes e duráveis. São feitos de borracha muito resistente, e pulam muito. Ideal para brincar de bolinha com o cachorro grande.

Chuckit – Esse brinquedo foi elaborado em borracha durável, super resistente e fácil de lavar. Possui superfície texturizada que ajuda o seu cão a ter uma aderência segura. Além disso, flutua na água e é, portanto, perfeita para brincadeiras na piscina ou lago. Possui um apito que chama a atenção do pet e avisa que é hora de iniciar a brincadeira.

Corda para cabo-de-guerra – Como estamos falando de brincadeiras com cães de grande porte, tenha certeza que pode ganhar de seu cachorro para manter sua posição de líder da matilha.

Brinquedos de Distração:

São aqueles que tem como objetivo manter o seu cão ocupado quando você não tem tempo para brincar. Entre eles estão:

Brinquedos dispersores de alimento: São brinquedos comedouros nos quais pode-se colocar algum tipo de guloseima ou até mesmo ração. Quando manipulados, soltam o alimento fazendo com que o cachorro se distraia por bastante tempo. Novamente, o Kong tem essa finalidade também. Basta colocar o alimento em seu interior e deixar que o cão se divirta. Muitas empresas brasileiras produzem, hoje em dia, brinquedos com o mesmo conceito. Entretanto, nem todos são brinquedos para cachorro grande. Verifique a qualidade do material antes de comprar.

Brinquedos para cachorro grande mastigáveis: São brinquedos de borracha resistente feitos para aguentar a mastigação. No brasil são facilmente encontrados os mordedores de borracha resistente em formato de pneu, ossinhos de Nylon e o Kong. Existem também, entre os mastigáveis, os brinquedos comestíveis, que distraem os animais por um bom tempo, como ossos de courinho ou petiscos para limpeza de dentes, que além de distrairem o pet, auxiliam a manter a higiene bucal.

Brinquedos para cachorro grande de conforto:

Os brinquedos de conforto, como os de pelúcia, são macios e bons para vários fins, mas não são apropriados para todos os cães. De fato, os bichinhos de pelúcia são mais indicados para cães de portes menores e temperamentos tranquilos. Não são indicados para cachorros grandes pois há risco de engolirem pedaços do brinquedo podendo causar danos severos ao trato gastrointestinal, como obstruções.

Brinquedos para cachorro grande de conforto podem ser substituídos por roupas velhas, como camisetas, fronhas, toalha ou cobertor que tenha sido usado anteriormente pelo tutor, ou seja, com seu cheiro. Claramente, existe uma grande possibilidade que o cachorro destrua os itens.

Segurança dos brinquedos para cachorro grande

brinquedos para cachorro grande: segurança
A segurança vem em primeiro lugar em relação aos brinquedos para cachorro grande.

Existem muitos fatores que contribuem para a segurança ou o perigo de um brinquedo para cachorro grande. Muitos desses fatores dependem do tamanho do seu cão, nível de atividade e estilo de brincadeira. Em geral, a escolha dos brinquedos para cachorro grande deve seguir as seguintes diretrizes:

  • Devem ser apropriados para o tamanho atual do seu cão. Bolas e outros brinquedos que são muito pequenos podem ser facilmente engolidos ou ficar alojados na boca ou na garganta do seu cão.
  • Evite quaisquer brinquedos que não sejam “à prova de cães”. Remova do brinquedo, portanto, fitas, cordas e peças que possam ser mastigadas e ingeridas.
  • Monitore os brinquedos do seu cão e descarte qualquer brinquedo que comece a se partir ou tenha pedaços arrancados.
  • Pergunte ao seu veterinário sobre a segurança de itens como ossos, cascos, orelhas de porco e pele crua. Tenha em mente que esse tipo de produto pode causar obstruções do trato gastro intestinal. Além disso, lascas de ossos podem causar perfurações. Os brinquedos para cachorro grande de borracha resistente, são mais seguros e duram mais.
  • Tome cuidado com qualquer brinquedo que contenha um apito no centro. Seu cão pode achar que ele deve encontrar e destruir a fonte do chiado e pode ingeri-lo. Esses brinquedos devem ser usados com supervisão.
  • Conheça os hábitos de mastigação do seu cão antes de deixá-lo sozinho com qualquer brinquedo. Por exemplo, alguns cães carregam um brinquedo de pelúcia por anos. Outros vão gostar de “estripar” o brinquedo puxando todo o recheio para fora. Outros ainda irão mastigá-lo e ingerir as peças.

Cuidados ao comprar brinquedos para cachorro grande:

brinquedos para cachorro grande: cuidados
Deve-se tomar alguns cuidados ao escolher os brinquedos para cachorro grande.

Até agora vimos que cachorros grandes, além de carinho, água, alimento, e cuidados veterinários, precisam de brinquedos para a boa saúde emocional e mental. Vimos também quais são os brinquedos mais recomendados, e o que deve ser evitado.

Vejamos, enfim, um resumo dos cuidados que devem ser tomados ao escolher brinquedos para cachorro grande:

  • Procure brinquedos que sejam razoavelmente indestrutíveis como brinquedos de nylon duros ou brinquedos de borracha dura. Evite os brinquedos de borracha macia.
  • Fique de olho em brinquedos de corda. A corda pode soltar as fibras e se engolidas podem provocar obstruções do trato gastrointestinal.
  • Cuidado com brinquedos com apitos pois os cachorros poderão engoli-los.
  • Cuidado com brinquedos de pelúcia. O recheio pode acabar no estômago do seu cão provocando obstruções do trato gastrointestinal.
  • Ossinhos de couro. Amados pelos cães, podem mantê-los ocupados por bastante tempo. Entretanto, dar esse tipo de produto a um cão de grande porte, requer cuidados. Muitos amolecem com a intensa salivação típica de algumas raças de porte gigante e não se dissolvem. Se engolidas, podem sufocar o cachorro. O ideal é adquirir boas marcas que se despedaçam quando amolecidas.
  • Os mastigados dentais são muito populares e bastante seguros. Mais uma vez, procure boas marcas e produtos ideais para o tamanho do seu cachorro.
  • Compre apenas brinquedos para cachorro grande do tamanho correto. Algo muito pequeno pode, de fato, ser engolido inteiro e pode se alojar em algum lugar do trato intestinal.

Enfim, em caso de dúvidas, entre em contato com seu médico veterinário.

Referências Bibliográficas:

Revista Animal Cognition- Habituation and dishabituation during object play in kennel-housed dogs
Purdue Extension – Implementing Environmental Enrichment for Dogs

Categorias
Dicas & Curiosidades

Viagem com animal: Como programar uma viagem de avião?

Sabe-se que hoje em dia o relacionamento entre cães e tutores está cada vez mais estreito. De fato, o Brasil tem atualmente 52 milhões de cães e 22 milhões de gatos de estimação. De acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), 61% dos tutores desses animais consideram seus pets como membros da família. Por isso, é muito comum a procura de informações para programar uma viagem com animal de avião.

Afinal de contas, se são membros da família, não podem ser deixados para trás em caso de mudança ou numa viagem de férias! Entretanto, para programar uma viagem com animal de avião, é necessário planejamento antecipado.

Primeiramente, é bom saber que as regras para viagens nacionais e internacionais são bastante diferentes. Entre as regras de transporte internacionais, há mais divergências, já que cada país tem suas exigências burocráticas. Além disso, é imprescindível saber as normas da companhia aérea escolhida.

Veja aqui todas as informações necessárias para uma viagem com animal.

Documentos para programar uma viagem com animal

viagem com animal de avião
Para fazer uma viagem com animal de estimação de avião é preciso uma série de documentos.

Antes de tudo, é necessário providenciar os documentos do animal para poder planejar uma viagem tranquila com seu animal de estimação.

Viagens nacionais tendem a ser menos burocráticas, a menos que o destino seja uma área de reserva. Viagens internacionais são, certamente, mais trabalhosas, e podem ser necessários vários meses para preparar a documentação exigida para a viagem.

Documentação obrigatória para viagem com animal dentro do Brasil

Para poder viajar com seu animal de estimação dentro de nosso País, é necessário providenciar os seguintes documentos:

Carteira de vacinas do animal e certificado de vacinação antirrábica

Serve para comprovar que o mesmo mantém todas as vacinas em dia. A vacina antirrábica precisa ser aplicada de 30 dias a um ano antes da data do embarque. Deve constar o nome do laboratório produtor, tipo de vacina e o número de lote utilizado. Filhotes menores de 3 meses e, portanto, sem a primeira vacina, só serão embarcados com autorização expressa do veterinário.

Atestado de saúde do animal

Emitido por um médico veterinário, comprovando que o animal está em boas condições de saúde e mantém todas as vacinas em dia. O atestado de saúde (sanitário) do animal terá validade de 10 dias, a partir da data de emissão.

Passaporte para trânsito de cães e gatos

(OPCIONAL)
O passaporte pode ser utilizado para voos nacionais em substituição ao atestado de saúde do animal, que é obrigatório para o trânsito nacional de cães e gatos. Para mais informações sobre aceitação e como obtê-lo, consulte o site: http://www.agricultura.gov.br/assuntos/sanidade-animal-e-vegetal/saude-animal/transito-animal/transito-animal.

Documentos complementares para voos de/para Fernando de Noronha:

Para viagens com destino a Fernando de Noronha, além da documentação citada, é necessária a Autorização de Entrada de Animais na Ilha, expedida pela Secretaria de Meio Ambiente e Turismo de Fernando de Noronha. É necessário portanto:

  • Preencher um formulário do NVA (Núcleo de Vigilância Animal) de Fernando de Noronha, disponível no site oficial da ilha: www.fernandodenoronha.pe.gov.br ;
  • Enviar o formulário preenchido para o endereço [email protected] com pelo menos 30 dias de antecedência da viagem e aguardar a aprovação ou não da entrada do animal.

Validade: O formulário aprovado tem validade de 30 dias e deverá ser renovado se este prazo for ultrapassado.

Documentos complementares para ida à Floresta Nacional de Carajás (FLONA)

Por se tratar de uma reserva florestal de responsabilidade de Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), viagens com origem em Carajás, precisam uma autorização que deve ser solicitada com antecedência do voo para o animal entrar na área do aeroporto. Os outros documentos solicitados para viajar no Brasil também devem ser providenciados.

O pedido desta autorização é feito via e-mail para o Instituto (www.icmbio.gov.br), onde o cliente seus dados e os dados do animal (nome completo, endereço e CPF do proprietário do animal, raça do animal, data do voo e destino). Além disto deve constar um Atestado de Sanidade do animal assinado por veterinário habilitado.

IMPORTANTE:O não cumprimento destes procedimentos podem impedir a entrada do animal e gerar multa.

Viagem com animal ao exterior

viagem com animal de avião
Uma viagem com animal para o exterior é preciso consultar a companhia aérea

Antes de tudo, é bom esclarecer que cada país tem suas regras em relação à entrada de animais domésticos. Recomenda-se, portanto, pesquisar todas as informações antes de emitir as passagens. De fato, dependendo do país de destino, podem ser necessários de 3 a 6 meses para preparar a documentação.

Com o intuito de facilitar este momento tão burocrático, nasceram empresas especializadas em transportes de animais de estimação que conhecem perfeitamente as exigências de cada país. Estas providenciam, portanto, todos os exames e a documentações requeridas para uma viagem tranquila. Alguns exemplos são a DogTravel e a Pet Export.

Documentação obrigatória para viagem com animal para fora do Brasil

Apesar de cada país ter suas regras, há alguns documentos que devem ser providenciados independentemente do destino. São estes:

Abaixo veremos quais são os documentos adicionais exigidos pelos principais destinos:

União Européia

A União Europeia é, sem dúvida, um dos destinos mais rígidos em relação à entrada de animais de estimação. Podem, de fato, ser necessários de 3 a 6 meses para preparar a documentação do seu Pet para esta viagem. Por isso, recomenda-se pesquisar todas as informações antes mesmo de comprar passagem.

Fazem parte da União Europeia: Alemanha, Áustria, Bélgica, Bulgária, Chipre, Croácia, Dinamarca, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Estônia, Finlândia, França, Grécia, Hungria, Irlanda, Itália, Letônia, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Países Baixos, Polônia, Portugal, Romênia, Reino Unido, República Checa e Suécia.

Documentação adicional exigida além do CVI e Atestado de Saúde:

a) Comprovante de implantação de microchip que deve atender ao padrão ISO 11784 e ISO 11785. Além disso, é obrigatória a implantação do microchip antes ou no mesmo dia da vacinação antirrábica.

b) Carteira de Vacinação em dia – Animais com mais de 12 semanas devem receber a vacina contra a raiva. Entretanto, para animais com menos de 12 semanas de idade é necessária a autorização do órgão sanitário do país de destino além de uma declaração informando que o animal nunca entrou em contato com animais selvagens de espécies sensíveis à raiva.

c) Sorologia Antirrábica: Precisa ser realizada pelo menos 30 dias após a data de vacinação e no mínimo 90 dias antes da data de emissão do CVI. Além disso, a coleta precisa ser enviada a um laboratório credenciado. É necessário aguardar 90 dias entre a data da coleta do sangue e o embarque do animal.

Caso o resultado da sorologia seja satisfatório, deve-se manter a carteira de vacinação rigorosamente em dia. Desta forma não será necessário realizar novamente o exame.

d) Tratamento antiparasitário: cães que se destinam à Finlândia, Irlanda, Malta, e Reino Unido devem receber também tratamento contra Echinococcus multilocularis.

O CVI é válido por 10 dias a contar da data de emissão até a data de entrada na União Europeia. No caso de transporte marítimo, o prazo é estendido por um período adicional correspondente à duração da viagem por mar.

Estados Unidos

No caso dos Estados Unidos, a burocracia é muito mais simples do que a exigida pela União Europeia.

De fato, entre os documentos adicionais, é exigido apenas a Carteira de Vacinação atualizada e em dia. Nela deverá constar a realização de vacinação contra raiva com pelo menos 30 dias antes do ingresso aos EUA. A vacina contra raiva é obrigatória para cães. Filhotes com menos de três meses de idade não devem ser vacinados e, portanto, não podem ingressar nos Estados Unidos.

Os gatos estão sujeitos às exigências locais de vacinação, bem como à inspeção no ponto de entrada para evidências de doenças que podem ser transmitidas a humanos.

Países do Mercosul

Documentação adicional conforme as Exigências Gerais e Documentação Básica para emissão de CVI (requisitos mínimos exigidos:

Carteira de Vacinação – Para animais com mais de 90 dias de idade, é exigido que a vacinação antirrábica tenha sido realizada e esteja em dia. No caso de animais vacinados pela primeira vez, a viagem somente será autorizada após 21 dias da aplicação da vacina contra raiva.

Para animais com menos de 3 meses não é exigida Carteira de Vacinação. Neste caso será necessário comprovar a idade do animal, e entregar uma declaração do proprietário (ou informações epidemiológicas oficiais) de que o animal não teve acesso a local com notificação de raiva urbana.

Cães com destino ao Uruguai devem realizar teste sorológico (ELISA e/ou RIFI ou prova de aglutinação direta) para Leishmaniose com resultado negativo dentro de 60 dias prévios ao embarque.

Companhias aéreas que aceitam viagem com animal

Além dos documentos exigidos pelos órgãos reguladores de cada destino, é necessário verificar as normas de cada companhia aérea. Hoje em dia, a maioria das companhias aéreas aceita o transporte de animais de estimação. O que difere as empresas são as normas e os valores.

Nesse post, falaremos sobre as principais empresas nacionais: Latam, Azul, Avianca e Gol.

Latam

A empresa Latam possui o serviço de transportes de animais de estimação tanto na cabine quanto no compartimento de carga. Aceitam apenas cães e gatos, em bom estado de saúde, comportamento dócil e com pelo menos 8 semanas de vida (com exceção de rotas para os Estados Unidos, nas quais deve ter ao menos 4 meses).

Para levar o seu animal de estimação na cabine, o peso total da caixa com o animal, deve ser de até 7 kg.

Todavia, se o seu animal de estimação exceder o tamanho ou o peso máximo permitidos para viajar na cabine, ele poderá ser transportado no bagageiro do avião. Nesse caso, o peso total, da caixa de transporte com o animal, não deve passar de 45 kg. O limite é reduzido para até 32 kg se a viagem tem origem ou destino na Europa, Oceania, Argentina ou em Aruba.

Valores do serviço (na cabine): Voos domésticos custam R$ 200,00 e voos internacionais variam de USD 45,00 a USD 450,00.

Valores do transporte no compartimento de carga: em voos nacionais os valores variam segundo o peso do animal, e ficam entre R$ 500,00 a R$ 900,00. Por sua vez, voos internacionais seguem a mesma regra e custam de USD 60,00 a USD 300,00.

Azul

Cada cliente tem o direito de levar apenas um animal de estimação por voo, sendo permitidos apenas cães e gatos. A bordo, são permitidos até três animais por voo, desde que tenham mais de 4 (quatro) meses de idade e sejam transportados com segurança e em caixa de transporte apropriada.

O peso total (animal + container) deve ser de, no máximo, 5 kg. O animal deverá estar limpo, saudável e sem odor desagradável.

A Azul, todavia, não faz transportes de animais no porão. Portanto, há limitação de tamanho e peso do animal a ser transportado.

Para este serviço é cobrada taxa de R$ 250,00 (duzentos e cinquenta reais).

Avianca

A Avianca Brasil aceita apenas cães e gatos na cabine de passageiros, entretanto esse serviço não é permitido em casos de reservas conjugadas com outras empresas aéreas (Interline). Além disso, o serviço não está disponível para voos internacionais.

É limitado o transporte de 3 animais por voo na cabine de passageiros. Dentre estes, 1 por passageiro e 1 por caixa de transporte, exceto no caso de ninhada (separada da mãe), pertencente à mesma fêmea. Neste caso, são aceitos 2 filhotes na mesma caixa de transporte, seguindo os mesmos procedimentos de acomodação.

Na cabine, o animal deve ser acomodado em uma caixa de transporte, que deverá permanecer durante todo o voo no chão da aeronave, embaixo do assento à frente. O site, todavia, não informa sobre limite de peso de animais na cabine. Por isso, recomenda-se entrar em contato com a companhia aérea para obter mais informações.

A Avianca faz transporte de animais também no porão, o que permite que sejam transportados também cachorros de portes maiores, desde que sejam respeitadas as normas da companhia.

O valor desse serviço é de R$ 500,00 para trechos nacionais.

Gol

A Gol também tem serviço de transporte de pet na cabine. O serviço pode ser utilizado em voos domésticos e internacionais e está disponível apenas para cães e gatos. O peso máximo permitido nessa companhia é de 10 kg, incluindo a caixa de transporte.

Caso o animal ultrapasse as dimensões ou o peso máximo para viajar na cabine, ele poderá voar no porão da aeronave. Entretanto, não é permitido o transporte de animais que (com caixa de transporte) pesem mais de 30kg.

O valor para trechos nacionais é de R$ 250,00 e de R$ 600,00 para voos internacionais.

Como funciona o embarque de animais de estimação?

Voar com o um pet requer, certamente, planejamento, adaptação do animal e o cumprimento de algumas exigências das companhias aéreas.

Cada companhia tem autonomia para definir suas próprias regras para o transporte de animais de estimação. Por isso, antes de comprar a passagem, consulte as normas da empresa escolhida.

Caixas de transporte

É imprescindível falar sobre a caixa de transporte, pois se a caixa for inadequada, poderá impedi-lo de embarcar com seu pet. As caixas permitidas em voos nacionais, por exemplo, não são permitidas nos voos internacionais.

Caixa de transporte para voos nacionais

Animais transportados dentro da cabine devem viajar em caixas de transporte rígidas ou flexíveis. O tamanho, entretanto, dependerá das regras de transporte da empresa escolhida. No geral, a caixa deve ter as seguintes características:

  • Permitir circulação de ar.
  • A mala flexível deve ter hastes internas de metal para reforçar a estrutura e ser feita de material impermeável;
  • Deve obrigatoriamente ser de material impermeável.
  • Deve possuir dimensões internas condizentes com o tamanho do animal, permitindo, portanto, que o mesmo fique de pé e possa movimentar-se realizando um círculo em volta de si mesmo (giro de 360°);
  • Devem possuir um dispositivo de segurança que evite uma abertura acidental, interna ou externamente;
  • O piso interno deve ser, sem dúvida, revestido com um material que absorva urina e fezes, evitando vazamento durante o transporte.

Para transporte no porão, a caixa deve possuir as mesmas características das caixas de transporte exigidas em viagens internacionais.

Caixa de transporte para vôos internacionais.

A caixa de transporte utilizada para transporte no bagageiro do avião e/ou viagens internacionais é do tipo Kennel. Ou seja, deve ter as seguintes características:

  • O tamanho deve permitir que o animal fique de pé e dê um giro de 360° ao redor de si mesmo;
  • Deve ser de material rígido, ou seja, suficientemente resistente para proteger o animal de impactos e para impedir a sua fuga;
  • Os fechos devem ser resistentes para evitar que o contêiner abra por acidente;
  • A porta deve ser em forma de grade metálica com trinca;
  • O bebedouro e comedouro devem ser fixados na grade;
  • As aberturas de ventilação devem garantir a segurança do operador que carregará a caixa, impedindo, portanto, que o animal o ataque;
  • O material do piso deve absorver ou conter fezes e urina, de modo que não vazem;
  • Deve ter identificação com nome, endereço e telefone do cliente remetente e do destinatário;
  • Não deve possuir rodinhas.

Raças de animais não aceitas para o transporte

É importante, enfim, saber que algumas raças geralmente não são aceitas por companhias aéreas. Isso ocorre com espécies de animais braquicefálicos (focinho curto, achatado), já que por causa de suas características anatômicas podem sofrer graves consequências de saúde durante o voo.

Entre as raças de cães estão o Boston Terrier, Buldogues, Cavalier King Charles Spaniel, Boxer, Dogue de Bordeaux, Griffon Belga, Petit Brabançon, Spaniel Tibetano, Spaniel Japonês (Chin), Pug, Spaniel Toy Inglês, Pequinês, Mastim Tibetano, Griffon de Bruxelas, Shar-pei, entre outros.

Entre os gatos, podemos citar o Birmanês, Exótico, Himalaio e Persa.

Para mais informações, entre em contato com as companhias aéreas de seu interesse e visite o site do Ministério da Agricultura. Caso necessário, contrate uma agência especializada em documentação e transportes de animais de estimação.

Referências Bibliográficas:

Avianca
Azul
Gol
Latam
Ministerio da Agricultura
AbinPet

Categorias
Blog Cachorros Dicas & Curiosidades

Tipos de Galgos – Saiba Mais Sobre Esse Grupo de Cães

Ao falarmos de Galgos, muitos pensam quase que automaticamente apenas em cães da raça whippet. No entanto, há muitos outros tipos de galgos. De fato, trata-se de um grupo de raças caninas que possuem características físicas similares como agilidade e estrutura aerodinâmica.

Todos os tipos de galgos possuem características em comum. São cachorros magros, de tórax bem profundo, de membros fortes, focinho comprido e cabeça pequena. Tipicamente “aerodinâmicos”, esses pets podem variar bastante especialmente de tamanho e tipo de pelagem, mas nunca de tipo físico.

Os galgos são cães difundidos em todos os continentes. Constituem, certamente, um dos mais antigos grupos de raças de cães. Embora no mundo moderno estejam mais associados ao mundo das corridas de cães, e muitas vezes adotados como cães de estimação aristocráticos, não devemos esquecer que eles foram essencialmente selecionados como cães de caça.

Em países onde são frequentes as corridas de cães, no entanto, há um alto índice de abandono de animais pertencentes a essa família, uma vez que deixam de vencer.

Precisam de atividades físicas diárias e uma atenção redobrada quando o assunto é educação. Por serem bons caçadores, eles podem gostar de perseguir outros animais e crianças quando não são devidamente socializados desde filhotes.

Tipos de Galgos – história

tipos de galgos: origens
A origem dos tipos de galgos é encontrada nas raízes da civilização humana.

As origens do galgo podem ser encontradas nas próprias raízes da civilização humana. De fato, sempre foi um cão que acompanhou os homens e os ajudou nas caças, atingindo e geralmente matando suas presas. Inclusive, inicialmente, foi um cão muito utilizado para caçar lebres.

As formas mais antigas são provavelmente aquelas que achamos representadas há muitos milhares de anos, nos tempos do antigo Egito, e quase inalteradas em algumas raças de hoje. Exemplos disso, são tipos de galgos como o Cão dos Faraós, o Podenco Ibicenco e o Cirneco do Etna.

A difusão nos diferentes continentes levou os galgos a adaptarem-se aos diferentes climas. De fato, basta pensar no Galgo Afegão e sua pelagem espessa. Além disso, adaptaram-se também à diferentes tipos de presas. O Borzoi Russo e o gigantesco Wolfhound, por exemplo, eram conhecidos como caçadores de lobos.

Outros tipos de galgos foram selecionados em base à velocidade. Um exemplo são os galgos da raça Whippet, capaz de atingir 75 km / h, e o Greyhound, que também é rápido e até mais resistente.

Galgos e o abandono

Por suas características físicas, os galgos foram muito utilizados em corridas de cães. Em alguns países, a pratica ainda existe.

Há alguns anos, quando a carreira chegava ao fim por causa da idade, de uma lesão física ou por falta de vitórias, esse cães sofriam eutanásia.

Essa prática em cachorros saudáveis que simplesmente pararam de “dar dinheiro” gerou, felizmente, polêmicas no mundo todo. Por isso, foram criadas associações de proteção aos galgos em muitos países. Essas associações possuem a finalidade de evitar o maltrato animal, conscientizar o público e promover a adoção dos galgos que não conseguem mais correr.

Apesar disso, a eutanásia de milhares de galgos continua sendo realizada todos os anos. Além do que acontece no final da carreira, os galgos são motivo de preocupação devido a condições de vida e bem-estar enquanto fazem parte do mundo das corridas. Vários casos de negligência e abuso, inclusive o uso de remédios para melhorar o desempenho esportivo dos galgos, foram denunciados.

Os galgos usados para a caça, com frequência, têm um destino parecido ao dos galgos de corrida.

Na Espanha, calcula-se que milhares de animais são abandonados ou sacrificados quando a temporada de caça termina ou quando alguma lesão impede o cachorro de correr atrás da presa.

As comunidades autônomas Estremadura e Castela-Mancha são os locais em que o final da temporada de caça tem mais peso sobre o abandono dos cachorros, além de serem as comunidades em que o galgo, principalmente o galgo espanhol, é muito usado para a caça.

Tipos de Galgos

Existem vários tipos de galgos diferentes.
Existem vários tipos de galgos diferentes.

Existem 10 tipos de galgos descritos na página oficinal da CBKC (Confederação Brasileira de Cinofilia): Afgan Hound, Azawakh, Borzoi, Deerhound, Galgo Espanhol, Greyhound, Pequeno Lebrel Italiano, Saluki, Whippet, Wolfhound Irlandês.

Tipos de Galgos: Afghan Hound

Tipos de Galgos: Afghan Hound
Tipos de Galgos: Afghan Hound

Trata-se de um cão muito elegante que segundo a lenda, viajou com Noé na arca.

Acredita-se que o Afghan Hound já existia no Egito há milhares de anos. Originalmente utilizado para a caça, são versáteis, rápidos e muito ágeis.

Em seu país de origem, o Afghan Hound existe em três variedades: pelo curto, pelo em franjas e pelo longo e espesso, considerado o verdadeiro cão afegão das montanhas.

Ainda hoje é considerado um glamouroso cão de exposição que deve combinar sua característica força e dignidade com uma longuíssima e sedosa pelagem, assim como uma certa expressão oriental.

No cinema e na TV os cães da raça Afghan Hound também obtiveram seu espaço ao longo da história. De fato, marcaram presença em cena de vários filmes da Disney como ‘A Dama e o Vagabundo 2’, ‘101 Dálmatas’, ‘102 Dálmatas’, entre outros.

A raça também ficou conhecida após o anúncio da equipe de um cientista coreano que obteve com sucesso o primeiro clone canino, um Afghan Hound chamado Snuppy. Mesmo após controvérsias sobre os estudos realizados pela equipe, Snuppy foi reconhecido como o primeiro cão clonado da história.

Tipos de Galgos: Azawakh

O cão da raça Azawakh é originário da África. Mais especificamente, do vale de Azawakh, que fica localizado na região da fronteira do Mali.

Esse animal foi criado há cerca de mil anos por povos nômades tuaregues, que viviam no sul do Saara. Por esse motivo, também foi chamado de Galgo Tuaregue ou Galgo Sul Saariano. Os outros nomes pelo qual ele é conhecido são: Oska, Hanshee, Rawondu, Tuareg Wulo, Bareeru e Sloughi.

No início, seu propósito principal era de ser usado na caça às gazelas da região e, nessa época, ter a posse de um desses cães representava, sem dúvida, um símbolo de força e status.

Um cachorro desta raça pode atingir uma velocidade de quase 70Km/h em questão de segundos. Diferentemente de outras raças de caça, ele não costuma matar e nem apreender a presa, mas a alcança e a cerca de forma que o caçador consiga chegar ao local antes que o animal fuja.

Tipos de Galgos: Borzoi

O Borzoi é uma raça muito antiga oriunda da Russia. Há indícios de que já na Idade Média havia exemplares do que seria o Borzoi mais primitivo, também conhecido na época como Russkaya Psovaya Borzaya.

No século XV e XVl, foram iniciados sucessivos cruzamento com a finalidade de aprimorar o cão russo, para que se obtivesse um cachorro grande, veloz e resistente ao frio, necessário para a caça esportiva na Rússia. O Borzoi foi criado em grande escala para caça nessa época, mais do que qualquer outro cão e, em 1600, já havia uma definição de padrão para a raça.

Com o tempo e os cruzamentos realizados, surgiram sete variedades de Borzoi russo, dentre elas uma chamada ‘Perchino’, que mais se assemelha ao Borzoi atual e que foi a principal variação trazida à América.

No século XIX, a raça sofreu uma ligeira alteração quando uma geração de Borzois foi levada pela primeira vez à Europa Ocidental para ser utilizada na agricultura do local. Porém, mais tarde, durante a Revolução Russa, o Borzoi teve sua imagem associada à nobreza, por isso boa parte dos exemplares foram mortos. Os poucos que restaram foram os Borzois que nobres estrangeiros receberam do czar e levaram adiante a raça.

Atualmente, os Borzois têm sua imagem muito associada ao luxo e à elegância, tanto pelas suas origens relacionadas à antiga nobreza russa como pela própria aparência do cachorro, de grande porte, magro, pelos comprido e macios. Por esses motivos, atualmente o Borzoi é, predominantemente, um cão de companhia e não um cão de caça de lobos, como era sua função inicial.

Inclusive, o Borzoi é um tipo de patrono, famoso feitiço da saga Harry Potter, que além de oferecer proteção, reflete a personalidade de quem executa o feitiço.

Tipos de Galgos: Deerhound

O Deerhound, também conhecido como lebrel escocês, é oriundo do Reino Unido.

Trata-se de uma raça primordialmente pertencente aos chefes dos clãs escoceses. Com o fim desse sistema, sua população entrou em declínio. Foi reavivada pelo criador Duncan McNeil e acabou por tornar-se mais comum na África do Sul que em seu país natal.

Fisicamente tem a musculatura de um Greyhound. Possui a pelagem resistente ao frio, dura e relativamente impermeável, e pode atingir os 45 kg.

Possui tórax profundo, o que o torna propenso ao desenvolvimento de torção gástrica. Seu comportamento e temperamento são descritos como os de um cão meigo, despretensioso e gracioso.

Tipos de Galgos: Galgo Espanhol

De acordo com alguns especialistas, o Galgo Espanhol seria um descendente de Greyhound Sloughi introduzido em Espanha no século IX pelos mouros.

Era um cão apreciado pela nobreza espanhola e usado principalmente para as corridas. Para obter exemplares mais rápidos, fizeram-se numerosos cruzamentos com Greyhounds, criando-se assim uma variedade anglo-espanhola.

O Galgo Espanhol foi exportado em grande quantidade, especialmente para a Irlanda e a Inglaterra durante os séculos XVI, XVII e XVIII. Os caçadores espanhóis continuam a usá-lo muito. Possui pelo liso e, além disso é elegante, harmonioso, musculoso.

Tipos de Galgos: Greyhound

O Greyhound, também chamado de Lebrel Inglês, é uma raça de cachorro oriunda da Grã Bretanha. É uma das raças de cachorro mais rápidas do mundo, chegando a atingir os 72 km/h. Sua origem é antiga, porém incerta.

Acredita-se que seus ancestrais teriam vivido no Oriente Médio e na Ásia nos idos de 7000 a.C. Entre esses, havia a provável presença do antigo Pharaoh Hound.

Foi estabelecida como raça na Grã-Bretanha durante o período saxônico. O Greyhound é um cão que foi inicialmente usado para caçar lebres.

Um dos Greyhounds mais famosos é o ‘Ajudante de Papai Noel’, cachorro da família Simpson. Ele aparece logo no primeiro episódio do desenho, intitulado “O Prêmio de Natal”, que foi ao ar em 17 de dezembro de 1989. O ‘Ajudante de Papai Noel’ é um exemplo de galgo abandonado e posteriormente adotado pelos Simpsons.

Tipos de Galgos: Pequeno Lebrel Italiano

A Pequeno Lebrel Italiano, também conhecido como Greyhound Italiano, foi um companheiro favorito de nobres na Idade Média, especialmente na Itália. Mas este pequeno cão era mais do que um cão de colo. De fato, possui a velocidade, resistência e determinação para caçar pequenos animais. Hoje em dia, ele é um cachorro de companhia cuja beleza e atletismo é admirada nas exposições, competições de obediência e agility.

O galgo italiano é, certamente, uma raça antiga. De fato, cães com suas características físicas são vistos em artefatos de 2000 anos.

Na Idade Média, a raça chegou ao sul da Europa e era muito popular entre a aristocracia, especialmente na Itália – daí seu nome. Muitos galgos italianos foram imortalizados, juntamente com seus donos, em retratos de artistas famosos como Pisanello e Giotto di Bondone.

O American Kennel Club registrou seu primeiro Italian Greyhound em 1886, e os criadores americanos começaram a estabelecer a raça nos Estados Unidos. Embora a população americana de galgos italianos fosse pequena, eles podem ter ajudado a salvar a raça da extinção.

Durante as guerras mundiais I e II, o número de galgos italianos na Inglaterra ficou perigosamente baixo. Isso aconteceu quando a criação de cães se tornou um luxo inacessível para a maioria das pessoas. Cada vez que as guerras terminavam, os criadores britânicos usavam esses galgos italianos de raça americana para restaurar a raça na Europa.

Tipos de Galgos: Saluki

O Saluki, ou caçador de gazelas, combina a aparência exótica e graciosa com velocidade e disposição.

É um parente do Afghan Hound, todavia sua história pode ser mais antiga. Sua figura refinada, de fato, é identificável nos cães desenhados em túmulos dos faraós (há mais de 3.000 anos).

Esse tipo de galgo se tornou muito popular entre árabes e persas que os utilizavam na caça às gazelas, juntamente com os falcões.

Existem duas variedades de Saluki: franjado e de pelo liso.

Tipos de Galgos: Whippet

Tipos de Galgos: Whippet
Tipos de Galgos: Whippet

O Whippet tornou-se popular entre os trabalhadores do norte da Inglaterra, que passavam as horas de folga fazendo competições para ver qual Whippet poderia matar o maior número de coelhos ou ratos ou de quem era o mais rápido. Corridas de whippets geralmente aconteciam em uma pista reta que se espalhava por estradas e campos.

Enquanto a classe trabalhadora criou e aperfeiçoou o espírito de corrida e caça na raça, é dito que a classe alta aperfeiçoou o visual da raça como é hoje, adicionando um pouco de galgo italiano para refinamento. O Kennel Club da Inglaterra reconheceu o Whippet como uma raça em 1891.

Hoje, o Whippet continua a inspirar admiração por sua aparência elegante, versatilidade e companheirismo dedicado. Ele está em 60º lugar entre as 155 raças e variedades reconhecidas pelo AKC.

Whippets ficam tranquilos em ambientes fechados. No entanto, podem se tornar hiperativos e destrutivos se suas necessidades de exercício não forem atendidas. Não são muito bons cães de guarda, pois raramente latem e são amigáveis ​​com todos que encontram. Além disso, tem muita sensibilidade à baixas temperaturas, necessitando de roupinha e abrigo nos dias mais frios.

Tipos de Galgos: Wolfhound Irlandês

Esta raça antiga teve origem na Irlanda, onde serviu como cão de guerra e como cão de caça. Ele chegou perto da extinção no século 19.

São animais tranquilos dentro de casa, no entanto não são recomendados para viver em apartamento.

São cães gigantes. Uma fêmea pode chegar a medir 76,5 cm e pesar 47,5 kg. Os machos, chegam a medir 81 cm e pesar 54 kg.

Apesar de seu tamanho gigante, O Irish Wolfhound não é o cão de guarda ideal. De fato, ele não tem a natureza de um cão de guarda. Ele é corajoso, mas não agressivo.

O Kennel Club inglês reconheceu a raça em 1925. O primeiro Irish Wolfhound registrado no American Kennel Club foi o Ailbe em 1897. Já o Irish Wolfhound Club of America, foi fundado em 1927. Hoje, o Irish Wolfhound ocupa o 77º lugar entre as 155 raças e variedades reconhecidas pelo AKC.

Características comuns em todos os tipos de galgos

Os tipos de galgos possuem muitas características em comum.
Os tipos de galgos possuem muitas características em comum.

Como vimos, há pelo menos dez raças nesse grupo canino. No entanto, todos os tipos de galgos possuem características comuns.

Primeiramente, a origem antiga e a apreciação global do grupo canino como um todo. De fato, a imagem dos galgos foi usada em representações artísticas de muitas populações ao longo da história.

Os galgos são cachorros especialmente criados para correr, e justamente por isso, já foram muito utilizados com competições e caça e conhecidos por ser cachorros de corrida, e algumas raças são considerados os cachorros mais rápidos do mundo.

Possuem um físico diferenciado, leve e aerodinâmico. Possuem cabeça pequena, focinho longo e corpo extremamente esguio. Além disso, essas características fazem com que eles se destaquem quando o assunto é perseguir outros animais e participar de competições de velocidade.

No geral, são cães que precisam de muito exercício e cuidados com a saúde. Antes de escolher um  dos tipos de galgos, portanto, informe-se bem sobre as características individuais da raça.

Referências Bibliográficas:

TAYLOR, D. Cães – Manual Prático e Ilustrado. London, 1986
Enciclopédia do Cão – Royal Canin
Confederação Brasileira de Cinofilia – https://www.cbkc.org/

Categorias
Atividades & Adestramento Blog Cachorros Cuidados & Higiene Dicas & Curiosidades

Melhores produtos para cachorro: desembaraçar pelos, urinar no local, eliminar mau cheiro

Uma quase infinita variedade de produtos para cachorro é, atualmente, mais que simples objetos. Afinal, nossos grandes amigos de quatro patas, sejam peludos ou não; pequenos, médios ou grandes; orelhudos; curiosos; amáveis, brincalhões ou nem tanto, bem, esses cachorros moleques dão trabalho.

Por outro lado, quem ama cachorros sabe que isso é o de menos. Até quem não tem muito tempo para ter um também sabe disso. A relação “custo-por-trabalho X benefícios-emocionais” é enormemente favorável e positivo.

Por mais cuidados que precisam, apenas um olharzinho de agradecimento dele já faz o dono esquecer tudo. Com toda certeza, essa ternura no olhar é grande o bastante para se sobressair facilmente.

Para tanto, o mercado dispõe hoje de produtos para cachorro para todas as ocasiões e necessidades possíveis. Até mesmo para aquelas que você nem tem ideia que existem. Certamente, esse fato facilita demais a vida dos donos. E, claro, dos bichinhos também.

A variedade é tão grande que é impossível elencar todos num só artigo. Então, a gente vai tentar criar categorias de produtos para cachorro. Dessa maneira, talvez seja mais fácil medir mentalmente até onde vai a preocupação dos diversos fabricantes com o bem-estar do animal e de seus donos.

Vamos lá!

Sobre os produtos para cachorro

Existem uma infinidade de produtos para cachroros desde muitos anos atrás.
Existem uma infinidade de produtos para cachroros desde muitos anos atrás.

Os primeiros contatos entre a espécie canina e a espécie humana se deram há milhares de anos. Apesar de baseados em dados científicos, alguns estudiosos alegam que tais primeiros contatos se deram por volta de 500 mil anos atrás, ainda no período dos hominídeos.

Deve-se levar em conta, porém, que primeiros contatos não significam domesticação ou ainda socialização. Os hominídeos tiveram os primeiros contatos com a espécie quando o cachorro como conhecemos hoje nem existia; viria a existir milhares de anos depois a partir do DNA dos lobos.

O cães entraram na vida do ser humano, segundo levantamentos paleontológicos, há cerca de 40 mil anos. Melhor dizendo, entraram como elementos alteradores de rotina, pois os humanos descobriram que esses animais poderiam ser muito úteis.

Claro, naquela época, as funções dos cães em relação ao homem eram apenas funcionais, ou seja, nem sequer se cogitava a possibilidade de servirem como companhia. O fato é que a relação foi ganhando força ao longo dos séculos. De apenas útil, o cão foi se transformando em excelentes companhias.

Aliás, não se cogitava serem bons companheiros e muito menos terem outros utensílios além de correntes e coleiras. Então, a relação cães e humanos se iniciou a partir do conceito escravagista. Talvez seja por isso que ainda existam pessoas atualmente que apresentem o máximo possível de desrespeito para com os animais.

Laços nascidos por acaso

Membros da Sociedade Brasileira de Cinófilos – Sobraci afirmam que, por volta de 20 mil anos atrás, houve certo período de escassez de alimentos para os lobos. Então, por instinto, esses animais foram percebendo que havia restos de alimentos próximos a acampamentos de humanos. Lentamente, eles foram se aproximando a fim de saciar a fome.

Certamente, aqueles contatos foram conflituosos. Entretanto, os homens notaram que outros animais ferozes não os emboscavam nos momentos em que os lobos estavam presentes. Essa foi uma das primeiras funcionalidades dos lobos: animais de guarda. Essa condição se “tatuou” no DNA de seus descendentes.

Com o passar do tempo, os lobos se acostumaram com a presença dos humanos. As gerações futuras, inclusive, deixaram de caçar e passaram a depender dos homens. Foi assim que os elos começaram a se fortalecer.

Bem, o caso é que o cães precisaram de milênios para ocupar o espaço emocional na mente do ser humano. Foram séculos a fio “cavando” a montanha da atenção humana para, finalmente, deixarem de ser “escravos” e passarem a ser “amigos”. Somente depois desse grande período é que essa relação se transformou em uma relação afetuosa.

Laços fortalecidos

São muitas as histórias desse afeto. Há diversas ocasiões em que a ligação dos cães com seus donos extrapola o lado lógico de tudo. O Youtube está repleto de vídeos que falam disso. Talvez o mais conhecido – pois foi exposto nos cinemas – seja o caso de Hachiko, um cão da raça japonesa Akita que se manteve ao lado do dono até por uma década após a morte deste. A história real aconteceu nas décadas de 20 e 30.

Muito bem. A gente contou toda essa história para que você perceba como é importante para o ser humano tornar a vida de seus cães mais fácil. O avanço dessa relação de amizade, companheirismo e amizade foi afetando a atenção do ser humano em relação às necessidades de seus cães. Muitos donos de cães passaram a produzir peças artesanalmente a fim fazer o dia a dia de seus pets mais feliz.

Aquelas peças se mostraram tão eficazes que entraram no radar dos fabricantes. Atualmente, há fábricas que fazem peças tanto importantes (alimentos especiais, por exemplo) como peças de apenas modismo (como testículos falsos para cães castrados).

A lista é longa. Existem catálogos de produtos para cachorro que têm 50, 70, 100 páginas. Então, este artigo apresenta os produtos por categoria. Veja alguns.

Produtos para cachorro: Bem-estar

Muitos produtos para cachorros visam o bem estar físico e emocional do animal.
Muitos produtos para cachorros visam o bem estar físico e emocional do animal.

Centenas de produtos visam o bem-estar, a segurança e saúde do animal. Já foi a época em que os produtos para cachorro de limitam à coleira, guia, comedouros e bebedouros. Hoje, é possível encontrar até mesmo fantasias para época de carnaval.

Importante: Nenhum produto é considerado 100% seguro por veterinários e tratadores. Dependendo do “jeitão” de seu cão, até mesmo peças de ferro puro apresentam algum perigo. Portanto, as brincadeiras e utilização dos produtos devem sempre ser monitoradas pelo dono do animal, além de respeitar sua compleição física e postura.

Brinquedos para cachorro

Produtos para cachorros como brinquedos são excelentes estimuladores físicos e intelectuais.
Produtos para cachorros como brinquedos são excelentes estimuladores físicos e intelectuais.

Imagine um brinquedo qualquer. Apenas imagine. Bem, a gente não sabe no que você pensou, mas existe. Seja lá o que for. E, nessa categoria, existem também tanto produtos para cachorro extremamente importantes quanto os completamente dispensáveis.

Por outro lado, a esmagadora maioria dos veterinários destaca a importância dos brinquedos para cachorro para o bem-estar deles. Dependendo do temperamento e porte do animal, os brinquedos podem ser apenas antiestressantes ou se mostrar altamente necessário para a saúde física.

Brinquedos Plásticos

Trata-se de um dos brinquedos prediletos dos pets. E de seus donos também, pois é peça de interação. Ambos participam da brincadeira. A peça estimula exercícios físicos, senso de equilíbrio e percepção espacial. Porém, lembre-se que é necessário espaço adequado. Caso contrário, o animal pode se machucar seriamente.

Bolas

É possível que bola seja o brinquedo mais procurado nas lojas. Afinal, ela é tão eficaz quanto os de plásticos ou borrachas. Atualmente, há centenas de modelos com acessórios dos mais variados. Alguns até emitem sons diferentes para cada ação do animal ou luzes coloridas para incentivar a brincadeira.

Tug (Cabo-de-guerra)

Quem nunca teve alguma experiência com essa brincadeira? Nesse caso, todos conhecemos o quão estimulante ela é. É eficaz especialmente se houver mais de um cão na casa, pois incentiva musculatura, qualifica ossatura, exercita interatividade etc. Além disso, ainda fortalece o espírito de domínio que todo ser irracional ainda retém em sua história genética.

Entretanto, é preciso avaliar muito bem esse tipo de brinquedo. Ele deve ser adequado ao porte, à idade e à personalidade do animal. Em caso contrário, há riscos de lesões, especialmente nos dentes, e de aumento de agressividade.

Estimulantes de raciocínio

A inteligência dos cães é conhecida por todos. Entretanto, é possível aumentá-la ou, no mínimo exercitá-la com produtos desenvolvidos especialmente para isso.

Brinquedos Comedores

Os brinquedos para cachorro comedores tratam-se de peça em que o dono do animal oculta grãos de ração ou pedaço de qualquer alimento de que o animal goste. E cão deve “descobrir” maneiras de encontrar o alimento.

Esse produto pode manter seu animal ocupado por longas horas do dia. Existem modelos que dispõem de várias maneiras de ocultação. Assim, quando o animal descobre uma maneira de encontrar a comida, o dono substitui a forma de encontrá-la.

Associação de cores e sons

Há diversas peças no mercado de pets que incentivam reconhecimento de situações a partir de cores e sons. Muitas dessas peças precisam da interação de um humano, pois, este precisa acionar algumas teclas. Com isso, o aparelho libera visual colorido e o ser humano desenvolve alguma ação (pular, por exemplo) associada à cor.

Esse processo é repetido até que o cão memorize e associe as cores e sons com a ação humana. O proprietário precisa mostrar ao animal que ele deve repetir a ação.

Brinquedo para cachorro Quebra-cabeças

Trata-se de produto extremamente interessante. Alimentos e guloseimas em geral são escondidos nas peças que, ao fim da brincadeira, resultam em alguma imagem. O animal é incentivado a mover as peças, que têm formatos simples, para encaixá-las em orifícios únicos. Tão logo consiga, a guloseima é liberada para seu deleite.

Objetos para o conforto

Outros produtos para cachorro visam o seu conforto.
Outros produtos para cachorro visam o seu conforto.

Há centenas de tipos de produtos que buscam oferecer conforto tanto emocional quanto físico de seu animal.

Caminha de cachorro

Hoje em dia, é possível encontrar todo tipo de caminha de cachorro. Há modelos com cobertura, outros mais simples; há modelos com material antialérgico; com estampas coloridas ou não, de madeira, redondas, quadradas, em formato de sofá. Há até mesmo tipo beliche para dois ou mais cães.

Carrinho de passeio para cachorro

Os carrinhos de passeio para cachorro são uma das mais interessantes invenções de produtos para cachorro. Afinal, ele não serve apenas para conforto, mas especialmente para segurança do pet, do dono e das pessoas ao redor. Existe grande variedade de modelos e preços.

Fralda de cachorro

É, em verdade, uma espécie de acolchoado fino que deve ser colocado no chão, em local de fácil acesso ao animal. Esse produto é importante para a higiene do bichinho e também do ambiente em que ele e a família vivem.

Evita que os residentes pisem na urina, bem como o pet, pois é absorvente. Alguns tipos dispõem até mesmo de substâncias odorizadoras.

Entretanto, lembre-se de que cães e gatos não fazem suas necessidades próximo do lugar em que comem ou dormem. Portanto, encontre um lugar na casa longe desses locais.

Desembaraçador de pelos

A indústria dos cosméticos avançou para o universo dos pets. Há xampus, condicionadores, cremes amaciadores, essências perfumadas etc. Porém, em relação a cosméticos, talvez nada seja tão importante quanto o desembaraçador de fios.

Não é indicado apenas para raças caracteristicamente peludas, daquelas cujos pelos chegam ao chão. Alguns tipos diminuem processo de queda de pelo de qualquer raça, o que incomoda bastante tanto o animal quanto os donos.

Perfume para cachorro

A necessidade que os donos de animais têm de tornar a vida do animal cada vez mais feliz precisa ser suprida com certa moderação. Cães também podem ser alérgicos a perfumes, por exemplo. Porém, claro, não conseguem expor esse problema.

Convém ao dono observar atentamente as reações físicas e comportamento do cãozinho após aplicação de essências perfumadas. Ele pode ficar amuado ou excitado; pode também apresentar irritação na pele ou mesmo ressecação nos pelos.

Comedouros e bebedouros

O cachorro necessita de um local para se alimentar adequado. Para tanto, existem vários modelos diferentes de comedouros e bebedouros que se adequam ao peso, estatura e tamanho do seu pet.

Produtos comestíveis para cachorro

Ossos, biscoitos, tiras de bacon e muitos outros produtos comestíveis para cachorros são campeões de venda. Além de excelentes snacks, podem ajudar na mastigação e limpeza dos dentes, prevenir tártaro e entreter.

Produtos para cachorro: Bizarrices

Como a gente comentou acima, a quantidade de itens de produtos para cachorro é imensa. É impossível elencar todos em apenas um artigo. Abrange praticamente todas as necessidades do animal e da relação com seus donos e família, bem como com o ambiente em que vive.

Contudo, nem só de seriedade vive o universo comercial de produtos para cachorro. Às vezes, a gente se depara com produtos que mais parecem piadinha de empreendedores. Veja alguns:

Dentaduras para cachorro

Ok! É apenas para brincadeirinhas descontraídas, mas não deixa de ser bizarro.

Unhas postiças e esmalte para unhas

Hum… talvez sua cadelinha não aprove muito a ideia.

Boneca inflável para cachorro

Certo! Alguns veterinários nem consideram esse produto como bizarro. Alguns cães machos precisam expor suas necessidades sexuais de alguma maneira quando não têm fêmeas por perto. Isso evita, por exemplo, que o bichinho saia agarrando as pernas das visitas.

Perfume Sensual para cachorro

Esse talvez seja outro produto totalmente dispensável para seu cão. Afinal, seus instintos falam por si.

Brinquedos sexuais para cachorro

Tem formato de pênis de cães. Não é possível imaginar que a cadela que você tem em casa vá gostar desse produto.

Cerveja para cachorro

Sem problemas. O fabricante diz que o produto, claro, não contém álcool. É feito com aroma de ração apropriada. Além disso, diz também que é regulador de funções renais do animal. Pode até ser, mas que é estranho, lá isso é.

Tampões de traseiro para cachorro

Sim… isso existe. É um adesivo que você pode colar nas nádegas do animal. Bem, isso se ele for muito acanhado e tímido.

Propaganda política para cachorro

Não ria… isso existe nos EUA. Trata-se de cartazes com retratos de cães aparamentados com aspectos políticos, como chapéus, itens associados ao marxismo e ao capitalismo em si. Não existem para enfeitar quartos de crianças que têm pets. O objetivo é mesmo servir de distração para os pets.

Bolachas para cachorro

Estranhou que bolacha esteja na lista de produtos bizarros? Mas estamos falando de bolachas com formato de partes do corpo humano.

Produtos para cachorro alimentam um mercado crescente

Bem, você deve ter percebido que o mercado de produtos para cachorro é enorme. A paralelo a todo conforto oferecido, há ainda o fato de tais produtos impulsionar um mercado com milhares de trabalhadores. Dessa maneira, seu pet se torna um elemento importante na macroeconomia do país.

Se você tiver conhecimento de produtos interessantes (ou bizarros) e estes não estiverem relacionados aqui, informe pra gente. Ou, tendo alguma dúvida, informe também. Deixe no campo de comentários abaixo.

Categorias
Blog Cachorros Dicas & Curiosidades

Carrinho de passeio para cachorro e dicas de locais para passear com ele

Carrinho de passeio para cachorro é utensílio dos mais importantes para boa interação do animal com seu dono. Você que é amante incondicional de animais, mais especialmente de cães, sabe disso. Então sabe também que não se pode adquirir cegamente um carrinho. Aliás, não se pode adquirir cegamente nenhum utensílio para seu pet sem que se analise tudo a respeito do objeto.

Neste artigo, você vai encontrar observações e detalhes muito interessantes sobre carrinho de passeio para cachorro. Portanto, se você não tiver convívio muito intenso com animais, vai compreender porque esse utensílio é importante; se seu convívio com eles for primordial, vai agradecer ainda mais pela existência de tal utensílio.

Nesse caso, amando seu animal, tudo o que você fizer por ele significa muito para você. E, claro, para ele também. Assim, as tentativas de tornar a vida de seu pet mais interessante vão fortalecer muito os elos que os unem – se bem que, às vezes, os elos são tão fortes que não há mais espaço para fortalecimento, não é mesmo? De qualquer maneira, isso torna a vida de seu animal muito mais prazerosa.

Por outro lado, certos utensílios resultam em situação de desconforto não visível. Isso vai ser frustrante para você, claro. Porém, esteja seguro de que vai ser ainda mais frustrante para seu animal. O problema é que você tem como expressar essa frustração e vai ser compreendido facilmente. Quanto a seu pet, as maneiras como expressam tal frustração são das mais variadas. E nem sempre compreensíveis. Ou perceptíveis.

Afinal, ele não consegue falar “ó… não gostei disso”. Então, nós preparamos aqui uma série de observações que se deve ter em conta no momento de oferecer conforto a seu animal.

Por que um carrinho de passeio para cachorro?

Você pode precisar de um carrinho de passeio para cachorro dependendo da situação.
Você pode precisar de um carrinho de passeio para cachorro dependendo da situação.

Bem, a relação entre donos de animais e eles em si tem ganhado ares de importância cada vez mais humana. Se, até décadas atrás, o animal tinha função apenas servil para seres humanos, atualmente suas funções chegam até mesmo à medicina. São muitos os casos reconhecidos de doentes que se recuperaram depois de se relacionar com algum pet.

Entretanto, a postura de alguns proprietários em relação a seus pets tem acarretado reações interessantes por parte de outras pessoas. Estas vão de críticas vazias a admiração profunda. Pessoas que não convivem com animais acham estranho, por exemplo, que fábricas se preocupem em oferecer carrinhos de passeio para cachorro.

Por outro lado, quem reconhece a importância de um animal para as civilizações passadas e a presente nem precisa de explicações. Simplesmente assimila de forma natural que todo conforto oferecido a pets reflete em saúde física e mental não apenas para eles. Os benefícios se estendem ao dono, à família, à sociedade.

Funções inicial e atual do carrinho de passeio para cachorro

O carrinho de passeio para cachorro entrou no mercado recentemente. O objetivo inicial era apenas facilitar a vida de proprietários de animais recém-nascidos. Afinal, esses animaizinhos ainda não tem habilidade para caminhar livremente por conta da inexperiência. E também não dispõem de percepção adequada de perigo.

Manter esses bebês presos em apartamentos ou em quintais pequenos não é saudável. Assim, parte do sucesso dos carrinhos de passeio para cachorro se deu por conta disso.

Porém, a função do objeto avançou para facilitar a vida também de proprietários cujos animais têm alguma deficiência física. O mercado descobriu que todos os animais têm direito a uma vida mais normal e branda. Cães cegos ou desprovidos de membros ou com doenças orgânicas impeditivas, por exemplo, também. Ou melhor, principalmente eles.

Além disso, imagine um velho amigo/amiga que passou anos e anos com seu dono. Durante esse tempo todo, ambos viveram momentos de carinho, amizade, dedicação, desapego, dentre outros sentimentos dos mais admiráveis. Imagine que esse velho amigo/amiga já não caminhe mais com tanta facilidade.

Agora, imagine a alegria dele ao receber um carrinho de passeio para cachorro. Seu bem-estar não tem preço.

Efeitos do uso de carrinho de passeio para cachorro

Podem haver alguns efeitos do uso de carrinho de passeio para cachorro sobre o animal.
Podem haver alguns efeitos do uso de carrinho de passeio para cachorro sobre o animal.

A distância entre o local “A” e o local “B” é momento interessante, por menor que seja. Ela representa instantes em que o animal sai de sua rotina. Há uma infinidade de sensações que envolvem o bichinho. E quem o transporta também. Como você sabe, cães são animais que apresentam uma série de sentimentos. Alguns deles eram até desprezados até pouco tempo atrás.

O interessante é que tais sentimentos, via de regra, refletem nas questões físico-orgânicas do animal. E em níveis dos mais diversos. Portanto, atenção a detalhes é crucial para o bem-estar dele. E seu também.

Ansiedade

Cães se habituam com os gestos dos proprietários. Assim, para seu pet, o ato de apanhar a guia é associado a passeios, a “sair de casa”. Essa percepção torna o cão mais agitado. Não estranhe. O carrinho, com certeza, vai influenciar nesse comportamento, pois o balanço durante o trajeto é interessante para o pet.

Receio

Bem, há o outro lado também. Se uma das sessões de passeio anteriores não foi bem, seu cão pode “imaginar” que a seguinte não vai ser legal também. Isso pode torná-lo retraído, quieto. Acostume paulatina e lentamente seu cãozinho ao uso do carrinho de passeio para cachorro.

Desapontamento

Como a gente disse, cães se habituam com seus gestos. E com horários também. Se você tiver hábito de passear com ele em determinada hora do dia, o “reloginho interno” dele vai avisar quando o momento chegar. Assim, ele vai perceber que você não “se mexe” para passear em dias de chuva, por exemplo.

Ele não sabe que não dá para passear em dia de chuva e, por isso, você não “se mexe”. Nesse caso, seu cãozinho vai se desapontar com você. Assim, “converse” com ele. É a melhor maneira de diminuir os efeitos do desapontamento.

Segurança

Obviamente, transportar seu cão no carrinho de passeio para cachorro é mais seguro. A segurança é tanto para ele quanto para você e para transeuntes. Afinal, você sabe que seu pet é sociável, mas as pessoas talvez não percebam isso.

Ainda, o carrinho de passeio para cachorro evita solavancos no momento de segurar o pet. Considere que, em público, outros animais podem se aproximar demais e seu cão pode ficar agitado. Estando no carrinho, é mais fácil dominar os ímpetos dele.

Proteção

Em dias de muito calor, o solo das vidas públicas são verdadeiro inferno para as patinhas de seu pet. As almofadinhas (o equivalente à planta dos pés humanos) são muito sensíveis a superfícies quentes. O carrinho de passeio para cachorro resolve esse impasse.

E, em dias chuvosos, poças de água são outro problema. Elas contém micro-organismos ocasionalmente perigosos. Assim, talvez causem irritação e atraiam carrapato, além de causarem umidade excessiva nos pelos.

Conforto

Qualquer cão pode usufruir dos benefícios do carrinho de passeio para cachorro. Não precisa que o animal seja bebê, que tenha alguma deficiência, que esteja em idade avançada. O sentimento de conforto físico e mental é evidente.

Porém, o quesito “conforto” não se refere apenas durante o tempo em que o cãozinho permanece dentro do carrinho. Os momentos de colocar e retirar o animalzinho do utensílio deve ser também confortável, prático e rápido. Caso contrário, o pet vai rejeitar toda a operação.

Características do carrinho de passeio para cachorro

O carrinho de passeio para cachorro deve ter algumas características básicas.
O carrinho de passeio para cachorro deve ter algumas características básicas.

Como tivemos chance de comentar acima, não se pode adquirir carrinho de passeio para cachorro de maneira arbitrária. Nem mesmo de maneira que apenas atenda ao gosto do dono do cão. Nem mesmo como simples questão de ostentação. Ou ainda por ser engraçadinho.

Deve-se atentar à personagem principal do ato da compra: o próprio pet, claro.

Relação tamanho pet X tamanho carrinho

Obviamente, o tamanho do carro de passeio para cachorro deve ser o primeiro item a ser avaliado. De certa maneira, essa “obviedade” dificulta um pouco. Veja o porquê.

Certamente, você conhece seu pet. Ou, pelo menos, imagina que conhece. Assim, tem visão clara sobre seu tamanho. Dessa maneira, talvez nem se preocupe em avaliar a relação entre o tamanho dele e o espaço que ele ocupa. Afinal, aparentemente, ele ocupa o espaço que seu corpo determina.

Mas pode ser que não seja bem assim. Seu cão se movimenta, claro. Ele altera a postura do pescoço, claro. Ele precisa de espaço adequado para abanar a cauda, claro. Ele estica e recolhe as patas, claro.

Tudo isso precisa ser levado em consideração no momento de avaliar e adquirir o carrinho de passeio para cachorro. Além do mais, o tamanho de seu cãozinho vai variar se ele for um bebê, mas o tamanho do carrinho de passeio para cachorro não.

Então, sendo um cão recém-nascido, pesquise sobre o tamanho máximo que sua raça alcança. Isso evita surpresas futuras.

Lembre-se também de que o tamanho não se refere somente à largura, mas à altura. Parece óbvio? Não, pois você pode se esquecer de que a maioria dos carrinhos de passeio para cachorro dispõe de cobertura protetiva contra sol e chuva. Assim, a altura do cão se torna item de preocupação.

Além disso, pode ser que você tenha mais de um cão para passear. Nesse caso, o cálculo do espaço precisa oferecer conforto e segurança para todos.

Aonde você vai andar?

É preciso se preocupar também com esse detalhe. Afinal, ele pode deixar de ser detalhe e passar a ser empecilho. Os lugares pelos quais o carrinho de passeio para cachorro vai passar é importante por diversas razões.

  • Sendo o solo irregular, as rodas precisam ser fortes
  • Se você viajar com certa constância a descanso, o carrinho precisa ser dobrável
  • Se você mora em local com sol intenso, o revestimento do carrinho precisa ser de material resistente
  • Se morar na praia, cuidado com a erosão sobre partes ferrosas

Preocupe-se com a segurança

Esse é item de suma importância. Sendo seu cão bastante agitado, é preciso adquirir um modelo com possibilidade de fechamento adequado. Certamente, isso evita que ele pule com o carrinho em movimento e anula possibilidades de acidentes.

Por outro lado, avalie bem as condições do sistema de fechamento. O fecho é seguro, mas pode não ser resistente à força do animal. Além disso, o cãozinho pode brincar com a alça do fecho e engolir.

Verifique se o carrinho de passeio para cachorro não apresenta partes pontiagudas. E essa verificação deve ser feita tanto no interior como no exterior.

Observe se o utensílio dispõe de partes móveis que podem ser retiradas, especialmente as pequenas. A curiosidade de seu cãozinho pode ir além de simplesmente observar.

Outro item de importância crucial é o sistema de freios. Em algum momento, você pode precisar manter o carrinho parado sem sua ajuda. E em via com declive.

Capacidade de carga

É importante que você se lembre que de seu animal pode engordar. E crescer. E também pode acontecer de você adquirir outro animal. Então, multiplique por dois o peso que você eventualmente vá precisar transportar no carrinho de passeio para cachorro.

Acessórios

Com toda certeza, alguns modelos oferecem acessórios com finalidade exclusiva de simplesmente aumentar o valor do produto. Porém, são totalmente dispensáveis. Entretanto, há acessórios que deveriam até mesmo ser obrigatórios.

Suporte para squeeze, por exemplo. Suporte para remédios também. E local para guardar a guia quando necessário.

Além disso, seu cãozinho pode fazer necessidades orgânicas. Assim, o carrinho precisa dispor de bolsa para que os dejetos sejam guardados.

Estratégias para não errar

Procure ter algumas estratégias para não errar na escolha do carrinho de passeio para cachorro.
Procure ter algumas estratégias para não errar na escolha do carrinho de passeio para cachorro.

Por mais que você pesquise, é possível que você ainda se sinta inseguro ou em dúvidas quanto ao modelo, tamanho, qualidade do carrinho de passeio para cachorro. Nesse caso, há algumas saídas para resolver o impasse.

Visite a loja com seu cão

Certifique-se de que o proprietário da loja não se importa de você testar o carrinho antes de adquirir. Para ele, isso é questão de relação corporativa.

Assim, acomode seu cãozinho em vários modelos de carrinho. Analise o comportamento do animal, suas reações, a posição das orelhas e da cauda. Isso vai dar a você uma ideia de como ele está se sentindo lá dentro. Claro, higienize-seu animal antes.

Compareça a parques e praças

Se não encontrar uma loja que autorize tal pesquisa, vá a parques normalmente frequentados por donos de pets. Alguns deles, com certeza, há de ter adquirido um carrinho de passeio para cachorro.

Faça amizades, estreite relações. Peça informações sobre o carrinho quanto à qualidade, resistência, conforto, segurança etc. É até possível que, em dado momento, o próprio dono do cão permita que você teste o comportamento do pet diretamente no carrinho.

Entre em grupos de mensagens

Atualmente, grupos de relações virtuais são excelentes fontes de informações. Porém, é preciso ter em mente que tais informações são apenas instrumentos iniciais. Não devem ser tidas como verdades absolutas.

Portanto, use aqueles dados como ponto de partida, nunca de chegada.

Contate o fabricante

Ele vai ter grande satisfação em oferecer todas as informações a você. Assim, questione sobre modelos apropriados para o peso, a raça, o tamanho, o nível de agitação de seu cão. Você pode se surpreender.

Previna-se de erros

Estamos falando aqui de utensílio que envolve um ser vivo. Não é apenas um móvel. Assim, por mais que você pesquise, analise, observe, teste, averigue, o carrinho de passeio para cachorro pode não ser adequado à personalidade de seu pet.

Então, confirme se a aquisição do utensílio pode ser revertida em caso de necessidade. Ou seja, se pode ser devolvido (aliás, no Brasil, isso pode ser feito em até 07 dias após a compra) ou se pode ser trocado.

Por fim, verifique se o fabricante oferece certificado de garantia. É documento de extrema de importância para compra de qualquer tipo de produto.

Temos certeza de que deixamos aqui uma infinidade de informações, dicas e sugestões importantes para você comprar um carrinho de passeio para cachorro. Entretanto, pode ser que você ainda tenha alguma dúvida. Se for o caso, deixe-a na área de comentários abaixo.

Categorias
Blog Cachorros Cuidados & Higiene Dicas & Curiosidades

Raças de cachorros mais fedidos e os que menos têm cheiro forte

Obviamente sabemos que os cães são seres vivos. Assim, possuem certas condições físicas que infelizmente os caracterizam de alguma forma, às vezes, negativa. Como por exemplo, os “cachorros mais fedidos” que existem no mundo.

Deixando as piadinhas sobre cães que emitem odores ruins de lado, essas condições acabam provocando desconfortos terríveis para os proprietários. Tais desconfortos são piores quando envolvem os visitantes, que nada t6em com isso.

Por isso, listamos neste artigo uma infinidade de informações que podem auxiliar muito no convívio com seu pet, digamos, malcheiroso. Desde explanação dos motivos até providências que você poderá tomar para resolver o problema. Ou diminuir, quando menos.

O que pensar de imediato

Os cachorros mais fedidos possuem características genéticas e de saúde para tal "fenômeno".
Os cachorros mais fedidos possuem características genéticas e de saúde para tal “fenômeno”.

De imediato, é preciso lembrar que eventuais maus cheiros não se referem somente ao corpo em si, mas também ao hálito e região traseira do animal. Há situações em que o problema é nos pelos e, ainda, orgânicos. Ou seja, descontrole no suor, problemas estomacais que se refletem na pele etc. Assim, sabe-se que a maioria dos odores é solucionável com ações simples e práticas.

Por outro lado, convém que os proprietários fiquem alertas quando o problema se estende por dias ou semanas. Talvez as causas sejam mais sérias. O fato é que a maioria dos cães tende a exalar cheiro ruim. Algumas empresas até já fizeram testes com substâncias químicas ingeríveis capazes de resolver o caso. Entretanto, os resultados ainda não são totalmente satisfatórios, o que desestimula investimentos mais expressivos.

Importante: estando seu pet com problemas de emissão de odores desagradáveis por muitos dias e você não conseguindo identificar a raiz do problema, leve-o de rapidamente a um veterinário. Com certeza, ele vai saber o que fazer. Caso contrário, o problema pode se agravar e representar grande perigo não apenas para o animal, mas também para sua família.

Curiosidade sobre cachorros mais fedidos

O cheiro corporal dos cachorros mais fedidos é comum.
O cheiro corporal dos cachorros mais fedidos é comum entre as raças.

É preciso ter em mente que cheiro corporal forte é comum em cães. Algumas raças, entretanto, são geneticamente propensas a gerar mais odores que outras. Assim, representam indivíduos considerados os cachorros mais fedidos. Porém, os pelos são um caso à parte.

Os pelos dos cães, muito mais do que os dos gatos, são habitat para certos tipos de fungos e bactérias. Estas são praticamente inofensivas; trata-se de questão de evolução das espécies. Tais micro-organismos se sentem à vontade em ambiente seco.

Entretanto, basta que o cão se molhe um pouco e eis um cheiro enjoado aparecendo. O fato é que as moléculas de água “incomodam” as bactérias e fungos e estes liberam compostos odoríficos enjoativos. Com certeza, tais microagentes estão presentes no corpo dos cachorros mais fedidos.

Portanto, esse é um dos motivos pelos quais todos os cães cheiram mal logo após o banho e, por extensão, os cachorros mais fedidos. Isso é até mesmo intrigante, pois se dá justamente depois de ser higienizado. Ainda bem que atualmente há xampus e condicionadores que anulam a ação daquelas bactérias e, dessa maneira, os odores também.

Atenção:Cães portadores de diabetes têm produção de insulina em menor escala. Nesse caso, os alimentos ingeridos não vão ser metabolizados de forma eficaz. Os restos de alimentos expelidos, com certeza, apresentam odor ainda muito mais desagradável. Entretanto, parte desse cheiro pode ser expelido pelos poros da pele. Nesse caso, é imprescindível que você leve seu cão ao médico.

Ainda, cães com rins deficitários apresentam normalmente cheiro de urina no hálito. Nesse caso, ao brincar com seu cão, certamente você vai identificar tal anomalia. Convém levá-lo imediatamente ao médico.

Importante também é a questão de raças com grande propensão à perda de pelos. Sem escovação constante, restos de pelos perdidos se misturam a outros. Sendo células queratinosas, certamente apodrecem e exalam cheiro desconfortável.

Detalhe sobre os cachorros mais fedidos

Algumas raças de cachorros mais fedidos possuem características genéticas propensas ao mau cheiro.
Algumas raças de cachorros mais fedidos possuem características genéticas propensas ao mau cheiro.

Certo! Você já sabe que algumas raças apresentam determinadas condições genéticas favoráveis a mau cheiro. São as raças de cachorros mais fedidos, algumas delas listadas logo abaixo. Porém, convém alertar para o seguinte.

Cocker Spaniel Inglês, Shar Pei, Pequinês, por exemplo, são raças que precisam de atenção regular e cuidados especiais. Fique atento às reentrâncias cutâneas, pois é comum que apresentem problemas como dermatite. Com certeza, isso leva à infecção, às vezes até imperceptíveis de imediato, que causa emissão de cheiros.

Então, é preciso limpar frequentemente as dobras de cães dessas raças. E atenção especial às orelhas e região traseira. Use lenços umedecidos ou mesmo chumaços de algodão embebidos de substâncias higienizadoras. Porém, seque bem a área de aplicação. Umidade também é causadora de cheiros ruins.

Dessa maneira, seu cãozinho pode até fazer parte das raças de cachorros mais fedidos, mas ele, em especial, não será um deles.

Cachorros mais fedidos: possíveis causas

Existem muitas causas para o mau cheiro característico dos cachorros mais fedidos.
Existem muitas causas para o mau cheiro característico dos cachorros mais fedidos.

Como a gente deixou evidente acima, os motivos e causas das condições dos cachorros mais fedidos são dos mais variáveis possível. Veja alguns deles.

Alergias

A Atopia, nome oficial de alergia hereditária, via de regra, cria regiões infeccionáveis na pele do animal. Assim, o organismo do pet vai se defender gerando camadas de óleo a partir de certas glândulas na pele. Com certeza, esse estado sebáceo vai gerar cheiros muito desagradáveis com o tempo se não forem higienizados adequadamente.

É grande a chance de que essa condição tenha origem em alimentação incompatível com o tipo físico ou mesmo com a raça do cão. Convém solicitar opinião de um veterinário competente a fim de obter solução mais contundente.

Dentes

Problemas com tártaro e com cáries é um dos principais motivos para o mau hálito. E pode ser tão forte e abrangente que as pessoas confundem com odor corporal.

Além de tártaro e cáries, se as gengivas apresentarem crescimento desordenado e anormal de massa celular, isso certamente é uma das causas do mau hálito. Tecnicamente, esse crescimento se chama Hiperplasia. Afinal, esse problema pode tanto acumular pus quanto reter pedaços de alimentos. A saliva, então, age sobre o local e produz fermentação, o que vai certamente apodrecer substâncias alimentares que eventualmente estiverem retidas.

Habituar-se à escovação diária é boa saída para evitar esse problema. Certo, dá trabalho, claro! Mas dá menos trabalho que levá-lo ao veterinário depois que o problema se instalar.

Ouvido

Talvez pareça realmente estranho, mas problemas nos ouvidos também produzem cheiros estranhos e ruins. Especialmente se houver infecção avançada e ainda mais com supuração (produção excessiva de pus). Aliás, isso pode ser efeito de ação de colônias de bactérias ou mesmo consumo desproporcional de levedura (fungos).

Por outro lado, ainda que os ouvidos estejam em excelentes condições, presença de cera envelhecida também resulta em odores. Nesse caso, não exatamente fétido, mas, ainda assim, desagradável.

Raças cujos cães são caracteristicamente peludos tendem a apresentar problemas nas orelhas. Dessa maneira, convém manter a área dos ouvidos sempre limpa, em especial as próprias orelhas. Em todo caso, consulte opinião veterinária.

Gases

Acúmulo de gases na câmara estomacal também produz odores desagradáveis. Certamente, seu cão não sabe reter o fluxo e soltá-lo em locais adequados. Assim, o odor vai se acumular, especialmente se o animal permanecer em ambiente fechado.

Dessa maneira, quanto menor o espaço de tempo entre uma emissão e outra, maiores são as chances de o cheiro impregnar os pelos do animal. Portanto – e quase com certeza – as pessoas vão confundir com cheiro corporal diretamente. Não deixe de visitar o veterinário a fim de buscar auxílio adequado.

Glândulas anais

A espécie canina dispõe de duas glândulas nas proximidades do ânus. Estas funcionam como emissores de cheiros característicos, normalmente captados apenas por outros caninos. Aliás, tais glândulas são responsáveis pelo aparentemente estranho comportamento dos cães ao se cheirarem mutuamente nessa região.

Havendo fatores orgânicos nocivos nessas glândulas, estas liberam secreção cujo fedor se torna quase insuportável. Essa secreção chega a se instalar na própria pela na região das ancas.

Então, uma das maneiras de identificar essa anomalia glandular é observando se o cão arrasta a traseira no chão com frequência. O incômodo é latente e insuportável e leva seu instinto a buscar meios de se livrar dele. Arrastar-se em superfície irregular é um dos meios. Se for o caso, procure um veterinário imediatamente.

Algumas raças de cachorros mais fedidos

Existem muitas raças tidas como cachorros mais fedidos.
Existem muitas raças tidas como cachorros mais fedidos.

Beagle

Essa raça foi criada para auxiliar o homem no momento da caça. Em algum momento da evolução genética, a pele do Beagle passou a apresentar oleosidade alarmante. Essa característica inclui o Beagle no rol de cachorros mais fedidos porque, se não higienizado com certa frequência, o óleo vai gerar cheiros bem ruins.

Se você tiver um indivíduo dessa raça, mas não dispuser de tempo para banhos constantes, procure pelo menos manter a área das enormes orelhas sempre limpa.

Buldogues

Dentes em desalinho é característica clara dessa raça. Essa condição leva à criação de tártaro e placa bacteriana em excesso, o que facilita acúmulo de bactérias. Com certeza, esse é um dos motivos para o mau hálito e consequente odor corporal do animal.

As dobras da carne torna o Buldogue inglês e o Buldogue francês raças de cachorros mais fedidos. É preciso manter o animal sempre higienizado. Isso é mais necessário ainda nas dobras da região traseira.

São Bernardo

Já tivemos oportunidade de mencionar aqui o São Bernardo como uma das raças de cachorros que babam. Como complemento, a baba é um dos motivos mais fortes para incluir a raça na lista dos cachorros mais fedidos.

O líquido se acumula nas dobras das carnes da região da boca. Ainda que ele se chacoalhe constantemente, restos permanecem no local e, com o tempo, geram mau cheiro.

Bloodhound

Bem, basta olhar uma foto desse cãozinho realmente fofo – “fofo” mesmo – para descobrir a origem de eventual mau cheiro. As orelhas longas são local ideal para infecção por bactérias e fungos.

Além disso, ele ainda apresenta dobrinhas minúsculas que requerem cuidados especiais. Elas podem conter excesso de óleo, que é outra característica dessa raça.

Pugs

O focinho curto, mas cheio de carne – e, portanto, de dobraduras -, é a característica que mais atrai nessa raça. Porém, tal característica também leva o Pug a compor o quadro de raças de cachorros mais fedidos.

Isso se dá porque restos de alimentos e de baba se instalam justamente nas dobras. Se essa região não passar por higiene com frequência, com certeza vai exalar fedor desestimulante.

A gente falou acima de glândulas anais. Os pugs precisam de atenção especial do proprietário quanto a isso. Sua genética o leva a ter irritação com certa frequência.

Cocker Spaniel inglês

Essa é outra raça com orelhas enormes. Tão grandes que chegam ao chão. E, pior, são realmente peludas. Nesse caso, o problema é ainda maior, pois, além de elas serem locais apropriados para instalação de colônias de bactérias, também recebem sujeira externa.

Outro fator que leva o Cocker a estar entre as raças de cachorros mais fedidos é ter sofrido o que se chama tecnicamente de endogamia (overbreeding). Trata-se de processo de cruzamento de indivíduos aparentados, ou seja, com semelhanças consanguíneas. Isso o torna sujeito a alergias alimentares e oleosidade dos pelos.

Raças de cachorros que não exalam odor

Da mesma forma que existem os cachorros mais fedidos, também temos os que não exalam odores.
Da mesma forma que existem os cachorros mais fedidos, também temos os que não exalam odores.

Entretanto, por mais que você ame cães, pode ser que não disponha de tempo – às vezes, nem paciência – para ter os cuidados necessários. Isso ocorreria com as raças mencionadas acima, as dos cachorros mais fedidos. Nesse caso, talvez você esteja procurando cães que não cheiram, ou seja, aqueles que estão bem longe da lista de cachorros mais fedidos.

Veja aqui algumas delas. Os três primeiros da lista abaixo são considerados “O Trio de Ouro” dos cães que não emitem cheiros.

Yorkshire Terriers

Essa é uma das raças constituídas exclusivamente para se manter no colo dos membros da famílias. Então, obviamente, uma das preocupações dos criadores foi justamente com odores.

Shih Tzu

Quando a essa raça foi desenvolvida, não se tinha ainda o conceito arquitetônico sobre apartamento. Porém, ela se constitui numa das melhores raças para esse tipo de residência. É pequena, carinhosa, brincalhona, amável. E, o mais importante, não exala odores.

Havanês

O Havanês fecha a trinca “Trio de Ouro” acima mencionada. A raça é perfeita para viver em pequenos espaços. Por isso, durante o desenvolvimento dela, procurou-se anular qualquer possibilidade de emissão de cheiros.

Kerry blue terrier

Essa raça é muito famosa por sua aparência exótica. Seu pelo é espesso e apresenta simpáticos cachos. Por isso, quase não perde pelagem. Além disso, o melhor de tudo é que não exala qualquer tipo de cheiro, ou seja, de forma alguma deve compor as raças dos cachorros mais fedidos.

Bichon Frise

Além de não exalar odor algum, essa raça é muito querida por residentes de pequenos espaços porque não solta pelo.

Há ainda outras raças que não cheiram. É o caso de:

Os cachorros mais fedidos são, ainda assim, cachorros

Eles existem. Portanto, são passíveis de carinho, atenção e cuidados. Certamente, sendo você uma admirador de animais, reconhece que os benefícios que os cães nos oferecem são em quantidade muito maior que o trabalho que dão, ainda que sejam dos cachorros mais fedidos.

Portanto, procure fazer parte do rol de pessoas que fazem de tudo para o bem-estar animal. Participe de movimentos virtuais aponha sua assinatura em abaixo-assinados em defesa de seus direitos, discuta com amigos.

E, tendo ainda qualquer outra dúvida sobre raça de cachorros mais fedidos, deixe-a na área de comentários abaixo.

Categorias
Dicas & Curiosidades

O maior cachorro do mundo: saiba quais são as raças gigantes

Ter o maior cachorro do mundo é algo como ter um companheirismo gigante ao seu lado. Afinal, um cachorro é sinônimo de carinho, amizade e lealdade, seja qual for o seu tamanho. Agora, imagine isso tudo elevado à máxima potência.

É o que acontece com algumas raças dos maiores cachorros do mundo. É amor multiplicado muitas vezes.

Os cães fazem muito bem aos seres humanos por motivos dos mais diversos, como proteção, presença constante, senso de humor, instinto de guarda, prestação de serviços e até mesmo alerta quanto à saúde humana. Chegam a impressionar por tudo isso e muito mais.

E no tamanho? Há cães que chegam à incrível altura de quase 1,20m. Isso significa que, com as 04 patas no chão, precisam ainda abaixar a cabeça para apanhar algo sobre uma mesa de jantar, por exemplo. Sim! São os “cachorros gigantes” ou o seu “maior cachorro do mundo”!

Por enquanto, a gente falou somente do lado positivo do “maior cachorro do mundo”. Mas, será que existem desvantagens?

Desvantagens do maior cachorro do mundo

Na hora de comprar um cachorro qualquer é preciso pensar e repensar sobre muitas coisas. Já um cachorro maior que você sobre as patas traseiras, ora, é preciso pensar, discutir com a família, repensar e rediscutir. Caso esteja apaixonado pelo maior cachorro do mundo, considere o seguinte antes:

Espaço

O principal problema em ter o maior cachorro do mundo é, claro, espaço. Você precisa dispor de áreas bem mais amplas. Ele próprio vai precisar disso. Pode até tentar acomodá-lo em qualquer canto debaixo da escada, mas com o tempo, isso vai refletir em seu comportamento.

Atividades

Numa escala de 0 a 10, cães de pequeno porte têm energia no grau 3, por exemplo. E já é suficiente para cansar você com brincadeiras. Já cães de porte gigantescos tem energia em escala próximo a grau 10.

Essa associação talvez seja suficiente para fazer você pensar 03 vezes antes de adquirir um cão de grande porte. Afinal, pense nesse bicho de 50, 60 ou 70kg correndo em sua direção pra brincar. Pensou?

Atenção redobrada

Normalmente, cães de grande porte são mansos, amigáveis. Entretanto, as pessoas no ambiente externo a sua casa podem não saber disso. Somente seu tamanho pode causar espanto e, infelizmente, acidentes. Portanto, você vai ter de ou adestrá-lo ou contratar um adestrador profissional.

Alimentação

Raças de cachorros gigantes costumam consumir muito mais alimento, obviamente. A gente está falando de mais de 3500 calorias por dia. Nesses casos, precisam de pelo menos 700 a 900g de ração diárias.

Boatos e verdades sobre os maiores cães do mundo

Como acontece com tudo que é aparentemente anormal, há enganos e certezas que envolvem as raças de cachorros gigantes.

  • Comem absurdamente mais = boato. É relativo. Há raças gigantes que consomem mais; outras, menos;
  • São mais ferozes = boato. Mesmo se não adestrada, a maioria é mansa e carinhosa; se adestrada, eles são verdadeiros “gatinhos”;
  • Dão mais trabalho = verdade. Entretanto, isso é realmente esperado justamente porque não são objetos, mas seres em movimento e com sentimentos. Se treinados, podem mais ajudar que atrapalhar;
  • Baixa expectativa de vida = verdade. A média de ciclo de vida é de 7 a 8 anos. Segundo estudos, isso parece ser efeito de envelhecimento precoce por alterações genéticas deficitárias;
  • São insociáveis com outros cães = boato. A maioria dos cães gigantes se dá muito bom com todos os elementos da casa. Podem não gostar muito de estranhos, entretanto.

Raças dos maiores cachorros do mundo

Ao longo da história dos cães em geral, muitos foram “fabricados” ou “produzidos” para os mais diversos papéis auxiliares, tarefas e atividades do homem. Afinal, há ações humanas em que o tamanho e força dos cães são fatores importantes.

Assim, o seu maior cachorro do mundo, pode ser de inúmeras raças. Segue abaixo, a lista de raças dos cães gigantes, alguns dos cachorros considerados o “maior cachorro do mundo”:

Great Dane

Maior cachorro do mundo: Great Dane.
Maior cachorro do mundo: Great Dane.

O Great Dane pode muito bem ser o seu maior cachorro do mundo, porte para isso ele tem. Tem origem alemã. Aliás, seu nome naquele país é “Deustche Dogge”. Apesar disso, é mescla de outras duas raças europeias, a de Wolfhounds (Irlanda) e de Mastins (Inglaterra).

Em altura, não se conhece raça maior. A média é de 70cm. Já o recorde dentre todas as raças pertence é um indivíduo Great Dane chamado Zeus, que chegou a 111cm (morreu aos 5 anos de idade em 2014). Entretanto, não é dos mais pesados, podendo chegar a 60 ou 70kg.

Terra Nova

Maior cachorro do mundo: Terra Nova.
Maior cachorro do mundo: Terra Nova.

Apesar de muito, muito grande, é excelente nadador e consequentemente bom auxiliar de resgate. Isso é, aliás, surpresa porque seus ossos são largos e pesados. Esse fato se dá porque ele foi “idealizado” para ajudar as atividades diárias de pescadores.

Desta maneira, era requisitado para carregar utensílios, empurrar o barco das margens para o mar, para acompanhar os profissionais. E tudo que caísse no mar ou rio era buscado por ele. Inclusive, pessoas.

A altura média de seus elementos é 70cm e seu peso, 60kg. Em verdade, sua grossa camada de pelo o faz parecer maior, mas é proteção ideal em ações debaixo da água. O maior cachorro do mundo e urso de pelúcia também.

Deerhound Escocês

Por conta do porte e da agilidade, o Deerhound é outro cachorro maior do mundo. Por isso, ele foi adestrado para sessão de caça a veados e corças. Consegue excelente velocidade na perseguição de presas, pois sua estrutura esguia é apropriada para tal.

A altura média da raça é de 65cm e o peso, 100kg. A antiga atividade de caça foi abandonada; atualmente, desfila em concursos e participa de apresentações diversas de elegância e porte físico. O maior cachorro do mundo e mais elegante de todos.

Mastim Napolitano

O Mastim, outro cachorro maior do mundo que foi usado inicialmente como cão de guarda. Aliás, seu tamanho é mesmo apropriado para essa tarefa. A média de altura é de 80cm e seu peso médio é de 60kg. Nasceu no sul da Itália e lá se desenvolveu.

Suas características principais são o grande sentido de proteção da área em que habita e da família que o acolhe, além de ser mais silencioso que qualquer raça de grande porte. Isso o torna mais ou menos perigoso para estranhos, pois prefere “agir” antes de “avisar”.

Exatamente por isso é recomendado a proprietários com recursos, tempo e paciência para adestramento e treinamento.

Dogue Bordeaux

Maior cachorro do mundo: Dogue de Bordeaux.
Maior cachorro do mundo: Dogue de Bordeaux.

É também conhecido como Mastim de Bordeaux ou Mastim Francês e ainda Cão de Bordeaux. Trata-se de uma das mais antigas raças francesas. Seus indivíduos têm em média 70cm e chegam a 60kg.

Uma curiosidade a respeito dessa raça é a proporção entre o tamanho da cabeça e do corpo: é muito maior que a proporção prevista em outras raças. Por isso, ele parece ser ainda mais o cachorro maior do mundo.

Foi originalmente concebido para tarefas das mais diversas. Podia tanto auxiliar no comando de rebanhos quanto servir de tração para pequenas carroças.

Apesar ser extremamente ativo em área de trabalho, é manso, adorável e amigo quando em área familiar.

Mastife Inglês

Maior cachorro do mundo: Mastife Inglês.
Maior cachorro do mundo: Mastife Inglês.

É dessa raça um dos recordes de cachorro mais pesado do mundo. É mesmo muito grande. Um de seus indivíduos, chamado Aicama Zorba, pesou por volta de 160kg, oficialmente registrado por fiscais.

A altura média dos componentes dessa raça é de 75cm. Entretanto, a média de peso é que é surpreendente: 110kg. Essas características são produto dos objetivos dos criadores ao imaginar a raça, aliás, objetivos nada “humanos”, nada honrados: shows de luta sanguinária contra animais até mesmo maiores.

Entretanto, isso é mesmo passado. Hoje, o Mastin Inglês, que é outra variante do nome da raça, é companhia dócil e amiga, resultado de muitas gerações em convívio com carinho e amizade humanos.

Komondor

Por conta de sua pelagem, é alvo de apelidos do tipo “cão esfregão”. Seus pelos longos se emaranham e formam tiras que caem para as laterais da cabeça. Foi muito usado no comando, organização e guarda de gados.

Tem origem húngara. Nesse país, é um dos símbolos nacionais. Ou seja, é alvo de proteção e preservação oficiais. Podem ter mais de 70cm e pesar quase 60kg.

Terrier russo preto

Foi criado no país que lhe deu nome há algumas décadas para fins militares. Criadores dizem que é mistura de 17 raças distintas. Talvez por isso seja amigável, calmo, mas senhor de si em momentos que precisam de coragem e bravura.

Em relação a outras raças de cães gigantes, sua expectativa de vida é longa: 13/14 anos. Entretanto, é predisposto a algumas doenças por herança genética. Quanto à altura, chega a 80cm; quanto ao peso, pode ter 60kg.

São Bernardo

Maior cachorro do mundo: São Bernardo.
Maior cachorro do mundo: São Bernardo.

Talvez seja a raça de cães gigantes mais conhecida no mundo. Há diversas lendas e histórias a respeito de sua postura amiga para com seres humanos e com outros animais. Em especial, quando outros precisam de ajuda nas frias regiões de neve.

Tem origem nos alpes suíços e também no norte da Itália. Foi, claro, treinado para ajudar em resgates. Acredita-se que colaboradores do hospital psiquiátrico da cidade de S. Bernardo, Suíça, tenham sido os responsáveis pela criação e desenvolvimento da raça.

Acredita-se também que seja resultado de raça antiga que chegou à região levada por tropas romanas. Monges que trabalhavam naquela instituição – que fora instalada em local bastante elevado – resolveram usá-los em eventuais resgates de transeuntes que precisavam alcançar os alpes.

Parte de estudiosos da raça diz que sua função primeira, na época, foi proteger a instituição. Somente depois foi que perceberam a predisposição para ajudar nos procedimentos de resgate.

Atualmente, a postura do São Bernardo é estritamente familiar. É muito dócil e amigo, cuja pelagem fofa é atrativo para brincadeiras, em especial de crianças. Isso apesar de sua estrutura ser grandiosa, pois pode chegar a quase 100kg e a quase 1m de altura.

Leonberger

Maior cachorro do mundo: Leonberger.
Maior cachorro do mundo: Leonberger.

Quando você olha um cão dessa raça, lembra de outras duas: o próprio São Bernardo e o Newfoundland, pois é resultado da mistura delas. O criador alemão, Heinrich E. de Leonberg, em meados do séc. 19, iniciou a experiência em busca de cão de companhia.

Achou que, se cruzasse essas raças por algumas gerações e, depois, com um exemplar da raça Montes Pirineus, teria um cão forte e destemido. A contar ela postura do Leonberger, sua ideia teve excelente resultado.

A média de altura da raça é 70cm; quanto ao peso, é mais ou menos 80kg. Entretanto, há indivíduos muito maiores e mais pesados.

É raça gentil, amiga, inteligente e protetora; gosta de conviver em família. Porém, é excelente auxiliar em casos de resgate e de pastoreio.

Wolfhound Irlandês

Maior cachorro do mundo: Wolfhound Irlandês.
Maior cachorro do mundo: Wolfhound Irlandês.

É raça de cães bastante antiga; remonta já há milhares de anos. Naquela época, suas funções eram auxiliares na caça a lobos e outros animais, além de na guarda.

É também conhecido como “Lébrel Irlandês”. Por padrão, tem 81cm de altura e 60kg de peso no mínimo. Por questões genéticas, tem baixa expectativa de vida. Possui pelagem rústica. Entretanto, seu comportamento é amigável e gentil.

Tosa Inu

Tem origem na antiga província japonesa. Foi usado mercenariamente em sessões de briga, por isso é raça forte, viril. Uma curiosidade dessa raça é que o animal que a originou pesava 25kg. Os criadores foram testando, misturando com São Bernardo, Mastifes, Great Dane e outras raças.

Por conta de mistura de muitas raças, seu tamanho e peso são muito variáveis.

O peso pode ficar entre 40 e 60kg quando sob cuidados de criadores japoneses. Entretanto, fora daquele país, criadores diversos conseguem fazê-lo chegar a 100kg de peso e 80cm de altura.

Então é isso. Há, claro, mais raças consideradas de grande porte cujos elementos são “verdadeiros outros”. Se você tiver alguma sugestão, informação ou dúvida sobre raças gigantes, mande e-mail ou deixe nos comentários abaixo.

Categorias
Dicas & Curiosidades

Raças de cachorro sem pelo mais curiosas que existem

Você já ouviu falar ou conhece alguma raça de cachorro sem pelo ou com muito pouco? A maioria dos tutores preferem raças de cães peludas, não importando muito o porte pequeno ou grande.

Essas características são muito peculiares, e às vezes, apenas uma questão de gosto pessoal. No entanto, a questão da quantidade de pelos pode ser algo crucial para algumas pessoas, e nem tanto uma questão de gosto na hora de escolher o cachorro. Principalmente, pra quem tem alergia aos pelos.

Embora existam muitos tipos de alergia, e nem sempre são causadas por pelos, a escolha também pode ser influenciada também pelo estilo de vida do tutor. Da mesma forma que existem pessoas que se apaixonam pelo cachorro não importando muito as suas características. Outras preferem pensar em questões práticas. Como por exemplo, a manutenção diária e o tempo dispensado às escovações, tosas, etc.

Por isso, o cachorro sem pelo ou com muito pouco, acaba sendo uma escolha sensata entre muitos tutores que não dispõe de tempo para todos os cuidados que algumas pelagens exigem.

Importante: muitas informações passadas neste artigo se referem à saúde física e comportamental de seu animal. Se algumas delas forem vistas em seu cão, convém consultar um veterinário a fim de que você obtenha respostas objetivas e mais certeiras.

Neste artigo, vamos entrar no universo do cachorro sem pelo e explicar a razão da falta de pelos, mais tudo que estiver envolvido. Além disso, voc6e ainda vai conhecer algumas raças de cachorro sem pelo muito curiosas.

Por que existem raças de cachorro sem pelo?

O cachorro sem pelo é um fator genético e não fabricado.
O cachorro sem pelo é um fator genético e não fabricado.

Pode parecer que a raça seja produto de interferência de criadores humanos. Uma espécie de teste, de experiência. Porém, a espécie surgiu espontânea e naturalmente na maioria dos casos; posteriormente, criadores aproveitaram o “fenômeno” e deram continuidade às raças.

A raça Terrier, por exemplo, apareceu de ninhada nos anos 70. O criador se encantou com o visual do bichinho e optou por dar continuidade, torcendo para que seus descendentes tivessem as mesmas características físicas. Tiveram.

Estudos revelaram que a causa é mutação em certo gene canino, o SGK3 – aliás, o fato é considerado por alguns como existência de novo gene e não um gene alterado. Essa alteração genética evita fortalecimento dos folículos dos pelos e estes não se renovam quando caem.

Além disso, a genética desses cães também surte efeito sobre o tamanho e tipo de pele dos animais. E o fato de as raças Xolos, Chinese Chesteds e algumas peruanas compartilharem a mutação indica que as origens desses cães pode ter se dado entre a Ásia e as américas há séculos.

Subtipos de raças de cachorros sem pelo

A predisposição genética para queda de pelos ou carência deles é biológica e tecnicamente complexa. Contudo, pode-se dizer que é classificada em dois tipos distintos: dominante e recessivo.

Dominante

Trata-se do tipo natural de cachorros sem pelo. Isto é, houve algum incidente genético em alguma ninhada. No frigir dos ovos, isso significa que exemplares desse tipo são capazes de transferir suas características para seus descendentes.

Raças desse tipo não são exatamente raras, entretanto, acidentes genéticos que resultam em dois genes dominantes não permitem que o indivíduo sobreviva.

Recessivo

Os tipos recessivos estão normalmente associados à produção de proteínas que apresentem alguma espécie de problema. Isto é, trata-se de fenômeno acidental que provoca algum defeito genético. Raramente as características são transmitidas às gerações.

Características dos cachorros sem pelo

As esmagadora maioria das raças de cachorros sem pelo é nativa da América Latina. Por situações e motivos diversos, ganharam o mundo inteiro.

Claramente, não têm grandes problemas com pulgas e carrapatos. Entretanto, apresentam outros entraves, que a gente vai discutir aqui.

Detalhes físicos

Apesar de serem classificados como “sem pelos”, algumas raças apresentam pelos em certas partes do corpo. Pode ser apenas nas patas ou apenas na cabeça, mas têm.

A temperatura corporal dos cães sem pelo é, em média, maior que a das outras espécies. Estudiosos dizem que isso ocorre porque eles são instintivamente levados a ingerir alimentos mais fortes. A mecânica de seu organismo metaboliza os alimentos de maneira a gerar mais calor. Isso compensa a falta de pelos.

Quer dizer, sua temperatura é bastante agradável aos donos em dias frios. Diz-se, inclusive, que ela é base para o caráter de cura de artrites, reumatismo e outras anomalias ósseas.

Cachorros pelados, via de regra, expelem mais óleo de pele que outros. Trata-se de espécie de defesa do organismo quanto à desidratação cutânea. Por isso, banhos frequentes são importantes para sua saúde (veja abaixo capítulo de cuidados com cães sem pelo).

Por outro lado, a sensibilidade da pele e a secreção de óleo produzem efeitos secundários. As raças são acometidas por acne facilmente. Nesses casos, é sempre aconselhável ser tratado diretamente por veterinários.

Quanto ao tamanho, é bastante variado. Há exemplares de 30cm de altura a até 70cm. Qualquer que seja o tamanho, entretanto, todos são surpreendentemente ágeis, espertos e ativos.

Sua estrutura física é constituída justamente por isso, aliás. Permite movimentos flexíveis e rápidos.

Detalhes de comportamento

São mais companheiros

Certamente, a esmagadora maioria dos cães são fiéis. Entretanto, os cães sem pelo, segundo opinião de seus donos, apresentam sentido de companheirismo mais apurado que outro cães. Gostam de crianças e idosos em geral.

São divertidos

Boa parte dos indivíduos dessas raças é agradável e divertida. Brinca o tempo todo, corre, interage.

São inteligentes

Eles aprendem facilmente diversos truques e brincadeiras. É interessante acompanhar a evolução no comportamento dos animais sem pelo.

Lealdade e proteção

Por algum motivo, cachorros sem pelo desenvolvem um tal sentido de fidelidade e tal instinto de proteção a seus donos que chegam a surpreender. Eles se ligam rapidamente ao dono ou em quem estiver mais presente em sua vida. Fazem de tudo por essa pessoa.

Cão de guarda

Outra característica pela qual os cachorros sem pelo são conhecidos é o instinto de guarda. Apesar de não serem muito territoriais, eles identificam objetos e área do dono. Qualquer situação anormal associada a isso é rapidamente denunciada.

Cuidados com cachorros sem pelo

Bem, o trabalho de cuidar dos pelos você não vai ter, claro. Contudo, as raças de cães sem pelo precisam de outros cuidados. Alguns deles, especiais.

A gente alerta para algo muito importante: muitos dos cuidados exemplificados abaixo devem ser acompanhados por veterinários. Aplicação de produtos são, via de regra, intervenção externa no organismo animal. Assim, é preciso ter precaução e atenção.

  • Infecções

Como a pele dos cachorros sem pelo está, claro, muito mais exposta, é mais sujeita a problemas. Frequentemente, surgem pequenos focos de infecções que precisam ser tratados a fim de se evitar alastramento.

Nesses casos, convém aplicar cremes específicos. No caso de cães com pouquíssimos pelos, aplicam-se shampoos também indicados para eles.

  • Hidratação

Como dito acima, a pele fica exposta da todo tipo de problemas. Secura é um deles. Muitos criadores de raças de cachorro sem pelo e muitos veterinários indicam hidratação à base de óleo de coco.

  • Protetor solar

Ainda por conta da exposição total, cachorros sem pelo estão sujeitos a queimaduras solares. Quando ficam muito tempo sob sol, a pele é atingida por raios que atuam diretamente na primeira camada. Então, é preciso passar protetor solar.

Há intensidade de protetores adequada para o tempo sob sol e do tipo de pele do animal.

  • Regulação de temperatura

Diferentemente de outras espécies, essas raças necessitam de locais frescos em época de muito calor, bem como de agasalhos em época de muito frio.

  • Banhos

Cachorros sem pelo devem tomar banho uma vez por semana, alegam criadores. Como cria-se muito óleo, isso ajuda a manter a pele limpa, livre de ação de bactérias nocivas, além de hidratá-la.

É preciso atenção especial nesses momentos. Sendo a pele bastante sensível, resquícios de sabonetes e outros produtos podem causar irritação.

Raças de cachorros sem pelo

Orquídea Inca

São descendentes dos conhecidos “Cães Pelados Peruanos”. São ágeis, fortes, corredores natos. O nome vem de sua postura elegante e clássica. São também amorosos e amigos da família inteira.

Apesar da liberdade que expressam no comportamento, não são muito afeitos ao ar livre. Preferem o aconchego do carinho de seus donos.

Existem exemplares nos portes pequeno, médio e grande. Assim, há tamanhos para todos os gostos.

São vistos como excelentes cães de caça. Por isso, não obstante amorosos com a família, são muito desconfiados com visitas.

Xolos

Essa raça é encontrada em registros de 3 mil anos atrás. Elementos da civilização asteca já mantinham referência a ela.

Os elementos são bastante leais e, via de regra, tranquilos. Entretanto, são meio ariscos com estranhos por conta de seu instinto de guarda. Além disso, são intensamente inteligentes, dispõem de energia para correr o dia inteiro. Assim, precisam de adestramento leve, em especial em se tratando de filhotes.

Há variações interessantes de Xolos. Algumas, inclusive, têm o corpo coberto por fina camada de pelos. Porém, são geneticamente considerados cachorros sem pelo.

Seu focinho expressa sempre ares pensativos e inteligentes. É surpreendentemente robusto, forte. Pode ter alguns pelos no focinho, mas sem sair do padrão da raça.

Pode medir até 60cm de altura; os menores têm menos de 30cm. Muitos os veem como cão de alerta por conta de sua postura de defesa da área em que vive.

American Hairless Terrier

Trata-se da única raça de cachorro sem pelo originária dos EUA. É considerada de pequeno porte, mas apresenta musculatura aparente. É enérgica e alerta.

É conhecida como a mais nova raça dentre as raças de cachorro sem pelo. É produto de cruzamento feito no início da década de 70, em Lousiana-EUA, entre dois exemplares com pelo. Alguma alteração genética gerou alguns filhotes sem pelo.

Apesar de ser “sem pelo”, normalmente tem sobrancelhas, bigodes e eventualmente cavanhaque ralo. Tem de 30cm a 45cm de ombro a ombro. Sua cabeça tem forma de cunha, o que o deixa bastante simpático. Mantém as orelhas frequentemente eretas.

É excelente cão de guarda. Está sempre alerta e desconfiado. Entretanto, é bastante companheiro do dono.

Gosta de ração de excelente qualidade. É possível que não se dê bem com comida de baixas calorias ou qualidade inferior. Assim, verifique com o veterinário se determinadas comidas para humanos são aconselháveis para essa raça.

Cão de Crista Chinês

Cachoro sem pelo: Cão de Crista Chinesa.
Cachoro sem pelo: Cão de Crista Chinesa.

É uma das poucas raças reconhecidas como de cachorro sem pelo pelas entidades regradoras. A aparência é mesmo bastante interessante, diferente. O nome já diz tudo sobre ela. A “versão com pelo” é chamada powderpuff.

A palavra “crista” no nome já comunica que essa raça não é totalmente desprovida de pelo. Longa cabeleira se joga do alto da cabeça até próximo às patas. Também elas, inclusive, são cobertas de pelo.

O restante do corpo é despelado. A pele é bastante lisa e suave.

Tem porte pequeno – alcança até 35cm de altura -, é ágil, alerta e companheiro. Ou seja, bem socializável. É extremamente inteligente em adestramentos e treinamentos diversos.

Cão Sem Pelo Argentino

É parecido com o “Cão Sem Pelo Peruano” e com o Xolos. Há portes para que gosta de cães pequenos, médios e grandes. Alguns indivíduos podem desenvolver mechas de pelo em algumas áreas do corpo.

Necessita de cuidados constantes com loção hidrante. Geneticamente, a ele é bem mais sensível e, portanto, sujeito a efeitos dos raios de sol, bactérias e outros agentes nocivos.

Em compensação, tem expectativa de vida maior. Pode chegar a 20 anos de vida. Entretanto, já compôs a lista de raças em extinção, mas iniciativas de criadores o protegeram suficientemente.

É ágil, forte, amável e brincalhão. Sente-se muito bem no interior da casa e aprende pequenas tarefas e obrigações com facilidade.

Cão Pelado Peruano

Faz parte do seleto grupo de raças reconhecidas por entidades oficiais como sendo de cachorro sem pelo. Trata-se de raça com poucos exemplares no mundo. É muito parecido com o Cão Pelado Mexicano.

Os primeiros indivíduos dessa raça chegaram ao Brasil em 2006 por ação do criador gaúcho Samir B. de Oliveira. Sempre gostou de Pit Bulls, mas se apaixonou pelo Cão Pelado Peruano.

A raça tem exemplares dos três tamanhos. Os menores têm 25cm de altura; os maiores, 65cm. Apresentam rala pelagem no alto da cabeça, nas patas e na extremidade da cauda.

É bastante sociável com outros cachorros de outras raças, mas seu instinto territorial o torna sempre dominante da área. Entretanto, gosta de estar sempre próximo ao dono, chegando mesmo a “pedir” por atenção e carinho.

Algumas curiosidades sobre raças de cachorro sem pelo

  • Os filhotes não nascem totalmente sem pelos, mas perdem depois de algum tempo
  • As raças foram aproveitadas pelos primeiros exploradores europeus para combater proliferação de ratos. Chefes de navios os tinham também para esse fim durante longas viagens
  • A quantidade de apreciadores no mundo é bem pequena
  • Apenas recentemente receberam autorização das associações de criadores para participar de campeonatos
  • Ao contrário do que se imagina, essas raças existem há milhares de anos
  • O próprio Darwin teria mencionado uma raça turca em seus relatórios
  • Boa parte das raças de cães sem pelo já foi extinta. Duas raças nessa condição foram Abyssinian Sand Terrier e o Cão Pelado Siamês
  • Apesar de haver muitas raças desse tipo, menos de 10 são consideradas originais
  • Os astecas mexicanos tinham a raça Xolo como espécie de guia nos caminhos pós-morte dos humanos. “Xolo”, aliás, é abreviação de Xoloitzcuintli, referência ao deus da mitologia asteca Xolotl, senhor dos relâmpagos, trovões e mortes
  • Ainda em se tratando de crenças, muitos cães sem pelo eram mortos tão logo seus donos faleciam. Assim, eles serviriam de guias para seus proprietários depois da morte
  • Mesmo atualmente, há povos indígenas – em especial no México – que consideram os cachorros sem pelo como enviados divinos. Segundo suas crenças, são capazes de curar doenças como asma, reumatismo etc.
  • Por algum motivo, cachorros sem pelo são xodós de artistas. Diversos deles retrataram seus cães em suas artes, como Frida Kahlo e Diego Rivera. Como complemento dessa informação, Gypsy Rose Lee, conhecida como “rainha burlesca americana”, inspirou o musical “Gypsy” da Broadway. Nele, um exemplar de cachorro sem pelo é personagem

Então é isso. Cachorros sem pelo agradam a muita gente pelo mundo e podem ser companhia ideal. Tendo mais dúvidas ou querendo oferecer sugestões, deixe seus comentários abaixo ou envie mensagem para nossas equipes.

Categorias
Dicas & Curiosidades

Raças de cachorro galgo mais rápidas do mundo

Você sabe o que é um cachorro galgo? Muitos amigos e leitores do site enviam mensagens perguntando sobre a raça de cães galgos. Essa é uma confusão comum entre novatos no universo da cinofilia. Aliás, cinofilia é o outro nome para paixão por cães e o apaixonado por cães é também chamado cinófilo.

A confusão é semelhante a quem imagina que cães gigantes representam uma raça. Em verdade, cães gigantesé um conjunto de muitas raças que dispõem de características em comum, assim como cães galgos também é nome dado às raças com certos atributos em comum. Portanto, o galgo não é apenas uma única raça.

O que é, afinal, um cachorro galgo?

O cachorro galgo é uma raça ágil e cheia de energia.
O cachorro galgo é uma raça ágil e cheia de energia.

Trata-se qualquer cão de qualquer raça que apresente determinada altura ou superior, atinja velocidade considerável, tenha visão apurada, dentre outras características.

Por conta disso, foi usado em sessões de caça a animais de portes pequenos, além de ações de pastoreio. Sua natureza era mais que apropriada para esse tipo de atividade. Por outro lado, seu comportamento sociável é também indicado para companhia familiar.

Atualmente, sua elegância e comportamento é objeto de disputa em campeonatos de beleza no mundo inteiro, além de em corrida de cães. Isso se dá porque as raças desses cachorros são esguias e ágeis ao extremo. O desenho da silhueta favorece sua aerodinâmica, ou seja, sofre menos ação oposta do ar quando em alta velocidade.

Estrutura de um cachorro galgo

O corpo do cachorro galgo foi desenvolvido para a rapidez.
O corpo do cachorro galgo foi desenvolvido para a rapidez.

O organismo dos galgos dispõem de diversas estratégias para torná-los cães de altíssima velocidade. Tais estratégias foram se aperfeiçoando com o passar das gerações, que são, aliás, milenares.

Estratégias orgânicas dos galgos

É, por exemplo, a raça com maior quantidade de glóbulos vermelhos no sangue. Isso alimenta a corrente sanguínea com maior quantidade de oxigênio. Aliás, esse fato é usado para salvar vidas de muitos cães por transfusão de sangue, pois a qualidade dele é superior.

Por consequência, os músculos e os pulmões são muito mais oxigenados e, assim, adquirem maior autonomia. Também por isso, pode-se dizer que são cães menos propensos a doenças em geral, sejam hereditárias ou oportunistas. A saúde dos galgos é surpreendente.

Muitos biólogos propõem que o nível de saúde dos galgos se deva à elevada temperatura corporal, que é natural neles. Isso aumenta o poder de imunização e evita ambiente favorável a determinadas bactérias.

Estratégias físicas dos galgos

A forma esguia do cachorro galgo possibilita que ele permaneça no ar.
A forma esguia do cachorro galgo possibilita que ele permaneça no ar.

Esse fator aliado à forma esguia do corpo possibilita que um cão galgo permaneça no ar por quase 80% do tempo de uma corrida. Isso evita atritos com o solo e empurra o corpo cada vez mais para a frente.

Sua cabeça vai se afunilando em direção ao focinho. Isso o faz “quebrar” a barreira de ar durante corridas a fim de assumir velocidade superior.

Os movimentos de um galgo são especiais quando em alta velocidade; diz-se que ele “navega” porque sua cauda funciona como leme. Assim, se move de forma sincronizada com a camada de ar que enfrenta.

Em função disso, e por conta da estrutura óssea, consegue saltos de quase 10m de distância. Isso o torna quase um campeão mundial.

A órbita dos olhos dos galgos também é item facilitador. Alcançam ângulos de até 270º. Desta maneira, sua atenção permite observar praticamente tudo ao redor e, assim, escolher o melhor caminho e a melhor estratégia para chegar a altas velocidades.

O tórax do galgo é grande. Isso foi se desenvolvendo para que suporte as atividades cardiovasculares de alta velocidade e durante muito tempo. Além disso, os próprios ossos apropriados e o baixo teor de gordura corporal tornam o galgo bastante leve, o que facilita o trabalho do coração.

Estratégias de comportamento

O cachorro galgo foi adaptado para a caça.
O cachorro galgo foi adaptado para a caça.

Toda essa estrutura corporal foi adquirida em exercícios ao longo dos milênios em suas tarefas de caça. Uma vez que as presas são normalmente pequenas – portanto, ágeis -, os galgos foram se adaptando a velocidades cada vez mais altas. Suas patas traseiras são longas e têm músculos fortes e bem oxigenados; as dianteiras aderem ao solo com facilidade.

A paralelo, sendo as presas pequenas, ele desenvolveu visão especial para percepção de mínimos movimentos. Assim, ao manter os olhos focados num ponto específico, as células oculares se tornaram especialistas em caça.

Por todos esses dados, você já percebeu que galgos precisam de muita atividade. Consequentemente, gastam muita energia e, assim, necessitam de dietas balanceadas, fortes, apropriadas e quase específicas. Caso contrário, correm risco de se tornarem insociáveis, alienados e desencantados.

Conheça as raças de cachorros galgos

Como a gente disse acima, galgos são, em verdade, um conjunto de raças. A estrutura corporal, em si, é bastante parecida em todas elas. Entretanto, apresentam muitas diferenças de postura, porte e comportamento. Conheça aqui as raças mais expressivas.

Italian Greyhound ou Galgo Italiano

Cachorro galgo greyhound italiano.
Cachorro galgo greyhound italiano.

Os Italian Greyhound, tipo de galgo bastante conhecido no mundo, foi domesticado há milhares de anos. Não perdeu seus instintos caçadores, mas seu comportamento familiar é bastante agradável.

É tido por especialistas como a raça de menor tamanho entre os galgos. Isso a torna ainda mais ágil e rápida. Muitos chamam seus elementos de “Bird with for feet” (“pássaro de quatro patas”), pois eles realmente voam.

Quanto ao comportamento, é admirável, amigável, em especial com a família. Mas não é lá muito amigo de visitas. Portanto, é grande companheiro, mas também é grande cão de alerta. Sua velocidade média é de 40kn/h.

Sloughi

Trata-se de caçador de renome mundial, praticamente especialista. Não obstante já ter sido domesticado há muito tempo, mantém seus instintos natos. Assim, é grande cão de guarda e de alerta, pois, ao menor movimento, suas orelhas se põem em riste a fim de comunicar algo anormal.

É sociável, mas não muito amante de carinhos e brincadeiras. Aliás, sua postura reservada e discreta é que o torna bastante eficaz nas atividades de guarda. Justamente em função dessa postura, necessita “saber quem manda no recinto”. Caso contrário, sem adestramento mínimo, pode se mostrar meio agressivo.

Uma característica interessante é sua fidelidade arraigada. Torna-se tão amigo do dono que, na falta deste por algum motivo, é possível que não se alie tanto a qualquer outro.

Pode-se dizer que um sloughi é o extremo máximo de silhuetas esguias. Tanto é que é possível ver suas costelas sob a finíssima pele e a pelagem muito baixa, rente à pele.

Tanto quanto o Saluki, é adorado por povos nômades por conta de suas relações estreitas. Seu porte atlético é ainda muito útil às atividades daquelas comunidades.

Demonstram Inteligência fora do comum. Por ela, identifica facilmente quem são seus amigos na família e os defende com unhas e dentes, literalmente. É, portanto, grande companheiro.

Sua origem é também africana, porém, das regiões do norte. Aliás, há criadores que consideram o Sloughi uma espécie de Saluki com pelos. Dizem que é produto de acasalamento de Saluki com com Azawakh.

Têm olhos muito grandes e atentos. Atingem 70cm de altura facilmente.

Whippet

Cachorro galgo Whippet
Cachorro galgo Whippet

Essa é a raça mais conhecida no Brasil. Fala-se aqui de verdadeira vedete dos tipos galgos. O termo “aerodinâmica” destacado acima no conjunto de características dos galgos é aplicado aos Whippets com naturalidade. É surpreendente, significativa, favorecida.

Além disso, quase não apresenta gordura corporal. Seus músculos são mais fortes, desenvolvidos e aparentes. Com isso, pode chegar facilmente a 60km/h.

Quanto à beleza, os tons de cores são dos mais variados e vibrantes. E seu hábitos de posturas tornam sua silhueta admirável por qualquer ângulo que seja visto, com ares de sofisticação abundante.

Sua velocidade o torna adversário de primeira linha em qualquer corrida. Apesar disso, é também cão excelente no quesito guarda e alerta. Isso faz que se mostre um pouco independente, pois precisa manter atenção a qualquer normalidade. Porém, ao contrário do que pode parecer, é bastante sociável, familiar, companheiro.

Ao mesmo tempo, prefere afagos e interação constante a ficar isolado. Porém, é apaixonado por sesta de fim de tarde em dormitório (ou local qualquer) bem confortável. Assim, não gosta de locais fora de casa, em especial durante tempos frios. Sua pelagem baixa e magreza o fazem sentir muito as baixas temperaturas.

Saluki

Cachorro galgo Saluki
Cachorro galgo Saluki

Uma curiosidade interessante sobre essa raça é que seu poder de faro é mínimo. Entretanto, é compensado por visão altamente eficaz. É elegante, com porte atlético que o faz corredor nato. Por isso, é também grande caçador.

Parte de sua beleza vem dos tons diversos que podem assumir e de sua orelha, que é mais peluda que o corpo. Por outro lado, tem aparência de fragilidade; entretanto, consegue se descolar muito bem tanto em superfícies planas quanto em terrenos montanhosos.

Há registros de sua existência tão antigos quanto o Antigo Egito, ou seja, muito anterior à Era Cristã. Aliás, o meio islâmico é fascinado por essa raça porque diz-se que o próprio Alá presenteia seus fiéis com exemplares. Por isso, é a raça mais conhecida e aceita no Oriente Médio e Ásia.

Com comportamento afetuoso, calmo, é companheiro ideal para a família inteira. Entretanto, tem personalidade forte. Assim, o proprietário precisa de certa dose de autoritarismo para que ele se sinta domesticado. Caso contrário, seu instinto de independência de caçador pode vir à tona.

Pode chegar a 70km/h.

Azawakh

Tem origem na África, mais precisamente em áreas desérticas, vindo do vale que lhe emprestou o nome, nas proximidades de Mali. Sabe-se que data de mil anos e que foi criado inicialmente por comunidades nômades do Saara.

Assim, é também conhecido como “Galgo Saariano”, além de Rawondu, Tuareg Wulo, Hanshee e outros. Aquelas comunidades o tinham como auxiliar nas caçadas às gazelas e outros animais de pequeno porte. Nessas ocasiões, eles iam no dorso do cavalo a fim de aproveitar a altura e exercer sua capacidade de visão geral.

Tão logo avistavam a presa à grande distância, saltavam para persegui-la e encurralar até a chegada do caçador. Podia se manter em perseguição por até seis horas seguidas e ainda sob sol escaldante. Apesar de toda essa energia e força, tem silhueta que parece frágil à primeira vista.

Desta maneira, é animal que precisa de muito exercício, pois acumula energia facilmente e necessita usá-la em atividades intensas.

É capaz de atingir a velocidade de 65km/h.

Galgo espanhol

Diz-se que esses cães são de raça pura. Tem aparência esbelta e esguia com peito com bastante volume. Suas patas são largas, o que permite acomodação adequada ao solo durante altas velocidades.

São bem leves em vista do porte. Os machos atingem até 30kg, tendo as fêmeas um pouco menos de peso. Na maioria dos indivíduos, os pelos são curtos e finos. Entretanto, há casos de galgos espanhóis com pelos bem ásperos. Apresentam normalmente as cores amarelo, canela, preto, branco e ruivo.

Como a esmagadora maioria dos galgos, foi muito usado em caçadas a lebres nos campos espanhóis antigamente. Mas, na atualidade, é mais participante de concursos de beleza e campeonatos de velocidade, além de ser excelente animal para companhia familiar em função de seu comportamento amigo e dócil.

Chega à velocidade de 70kh/h.

Curiosidades sobre cachorros galgos

Cachorro galgo tem inúmeras características.
Cachorro galgo tem inúmeras características.
  • O italian greyhound é considerado o cão mais veloz do mundo. Em comparação com outras mamíferos, está em segundo lugar como mais rápido do Planeta
  • A visão dos galgos alcançam presas e objetos a mais de 800m de distância. É visão estereoscópica. Assim, tem maior facilidade para ver algo em movimento que algo parado
  • Parece incrível, mas algumas raças de galgos dormem com os olhos abertos tamanho é instinto de alerta
  • A qualidade do sangue dos galgos é frequentemente solicitada para salvar vida de outros cães
  • A variedade de tons de cores dos pelos é alta. Pode ter 18 tonalidades e 55 combinações
  • Algumas eram destinadas exclusivamente à nobreza e realeza
  • Os galgos sãos os únicos cães referenciados em trechos bíblicos
  • São também conhecidos como cães lebréis, nome associado à intensa atividade perante lebres.

Assim, a gente tirou dúvida de muita gente sobre os galgos. Se você tiver mais alguma, mande mensagens ou escreva nos comentários abaixo

Categorias
Dicas & Curiosidades

Conheça as raças de cachorro da língua azul

“Cachorro da língua azul?” Pode parecer brincadeira, mas eles existem! Algumas raças de cachorro possuem a língua de coloração azulada. Às vezes, de tão azul é até roxa. Uma característica bem peculiar.

Na verdade, essa é uma característica própria dessas raças, e embora esses cachorros não nasçam com a língua azul, mas adquirem a coloração azulada após alguns meses passam, isso é um fenômeno considerado normal dentro do grupo de raças deles.

No entanto, se o seu cão não faz parte desse grupo de raças e nunca teve língua desta cor, mas um dia apresentar esse “fenômeno”, leve-o ao veterinário. Neste caso, isso não é normal, pode ser uma doença chamada cianose.

Mas esse é outro assunto, pois estamos aqui pra falar sobre quais são essas raças de cachorro da língua azul tão curiosas, e por que eles possuem a língua nessa coloração, afinal.

Por que cachorro da língua azul?

O Chow Chow é um cachorro da língua azul
O Chow Chow é um cachorro da língua azul

Em primeiro lugar, saiba que são muitas as teorias para a existência de cachorros da língua azul, sejam elas científicas ou apenas lendas. Uma das explicações mais curiosas diz ser um “castigo dos deuses”. Pelo menos é essa a explicação da mitologia chinesa em relação à raça Chow Chow.

A lenda do Chow Chow: Língua azul como praga divina

Há milhares de anos atrás, quando os Deuses ainda estavam construindo os mundos, cada Deus teve que assumir uma incumbência. Assim, um deles teve a missão de fazer os céus, e achou que seria bem legal se o firmamento fosse azul.

Da mesma forma, outro deus se interessou em fazer as raças de cachorros. E assim, fez todas elas, incluindo a raça Chow Chow</em>, com a língua de coloração normal igual a todas as outras, nessa época.

O problema é que o Chow gostava muito dos dias e detestava as noites. Gostava tanto da claridade que passou séculos maldizendo a escuridão das noites.

Certo dia, cansado de vociferar contra a noite, o Chow Chow resolveu dar um jeito na situação. Esperou uma noite de distração do Deus que pintava os céus de azul e lambeu tudo para que os dias fossem eternos. Acontece que a tinta ainda estava fresca e a língua do Chow ficou azulada.

Lógico que quando o deus descobriu, não gostou nada daquela rebeldia. Então, para manter sua autoridade sobre o mundo e dar o exemplo, lançou um castigo sobre o Chow Chow. A cor azul não sairia nunca mais da língua do cão. E o Chow Chow passou a ser um cachorro da língua azul.

A lenda do Chow Chow: Um descuido de Buda

Existem muitas lendas ao redor do cachorro de língua azul.
Existem muitas lendas ao redor do cachorro de língua azul.

Uma outra lenda também muito antiga, diz que a língua azul dos cães teve origem por um descuido de Buda. Segundo a lenda, Buda estava pintando o céu e deixou os pincéis no chão. Seu cão, o Chow Chow pra variar, acabou lambendo os pincéis, ficando com al;ingua azul para sempre.

Uma outra versão Budista, diz que a língua azul entrou na genética dos cães quando Buda, cansado e com frio, pediu para dois de seus cachorros – da mesma raça – buscarem lenha para a lareira.

No entanto, os cães encontraram apenas lenha já queimadas, mas mesmo assim abocanharam a lenha e levaram-nas para Buda para não decepcioná-lo. Assim, o azulado da lenha chamuscada permaneceu na língua dos cães para sempre.

Dá pra saber qual dessas histórias é a verdadeira?!

Língua Azul como efeito genético

Cachorro da língua azul é efeito genético.
Cachorro da língua azul é efeito genético.

Claro, devido a falta de força das teorias acima, os cientistas foram atrás de explicações mais aceitáveis. Certamente, não acreditaram nas lendas. Desta maneira, descobriram que a língua azul é resultado de acidente genético em algum momento da evolução da espécie canina.

Assim, descobriram que células produtoras de substâncias coloridas – as mesmas que fazem as cores das raças da espécie humana – se confundiram e passaram a criar línguas azuis. Entretanto, mesmo no meio científico, há mais de uma corrente de conjecturas sobre os cachorros da língua azul.

Por exemplo, uma dessas correntes diz que a língua rosada (normal) dos cães se dá por conta de grande quantidade de oxigênio de que as células são carregadas. Em função de mutação constitutiva das células durante a gestação de alguns elementos, essas células passaram a capturar oxigênio em menor quantidade.

Desta maneira, esse processo alterou a intensidade das células de melanina, o que provocou a cor azulada. Essa substância é controladora das cores dos cabelos e peles dos mamíferos. Por ter sido uma espécie de acidente, o fato se tornou “anormal”, ou seja, como é muito comum.

Outras teorias genéticas

Outra teoria é resultado de descoberta da quantidade insuficiente de tirosina nessas raças. A tirosina é um aminoácido que compõe as proteínas. Não sendo produzida em quantidade ideal, o nível de melanina também decai.

Mas, há outra análise genética seguida por vários outros estudiosos. Esta lembra que o “fenômeno cachorro da língua azul” não é exclusividade de cães. Outros animais, como lagartos, girafas e ursos, têm esse órgão azulado. Isso leva a crer em eventual cruzamento entre cão e Hemicyon.

Hemicyon é animal já extinto, uma espécie de “cão-urso”, pois detinha as características físicas desses dois animais. A mistura dessas duas espécies teria dado origem ao Chow Chow, a raça de cachorro da língua azul mais conhecida. O fato de fósseis de Hemicyon terem 44 dentes, como os Chow Chow, também induz a essa teoria.

A língua é mesmo azul?

Não exatamente. Em verdade, trata-se de acúmulo de pigmentos escurecidos. A depender da incidência da luz, do nível de oxigenação, da quantidade de melanina e até da raça, a cor aparenta ser azulada. É mais caída para azul muito, mas muito escuro, quase roxo.

Raças de cães de língua azul

As raças de cachorro da língua azul mais comentadas no mundo inteiro são as duas primeiras da lista abaixo. Elas possuem essa coloração na língua como característica constante nos indivíduos e não apenas em alguns deles.

Entretanto, há cerca de 50 raças que apresentam alguma pigmentação diferente na língua, sejam apenas manchas, uma ou outra área da língua azulada ou alguns pontos coloridos. Vamos ver algumas delas.

Chow Chow

Cachorro da língua azul: Chow Chow
Cachorro da língua azul: Chow Chow

É a raça de cachorro da língua azul mais conhecida. Há registros de presença dessa raça de mais de 2 mil anos. De imediato, o que mais chama a atenção no visual do Chow Chow é a cabeleira basta semelhante à de pequenos leões. Entretanto, assim que você o vê abrindo a boca para latir ou respirar, é a língua que passa a ser o foco da atenção.

A cabeça é aquadradada e há pouca variedade de cores, a maioria voltada ao dourado. Já os olhos, apesar de meigos, se fixam no alvo de maneira que Marco Polo, comerciante veneziano grande explorador da China, os classificou como “cão de guerra”. Apesar disso, são pacíficos.

Uma curiosidade sobre o Chow Chow é que o recém-nascido não apresenta língua azul. Ela passa por essa transformação a partir dos 70 ou 80 dias. Diz-se, inclusive, que a raça não é pura se a cor da língua não se alterar.

Shar Pei

Cachorro de língua azul: Shar pei
Cachorro de língua azul: Shar pei

É a segunda raça de língua azul mais conhecida. Têm pelo curto e faixa de gordura que são seu charme. Essa gordurinha é mais intensa na infância, pois há excesso de pele ainda em formação.

Dizem os estudiosos que a raça Shar Peis é mais antiga que a Chow Chow. Há figuras indicativas em vasos cerâmicos e em escritos do século III a.C.

Akita

Cachorro da língua azul: Akita
Cachorro da língua azul: Akita

A raça Akita (ou Akita Inu) tem origem na província com o mesmo nome, na ilha japonesa Honshow. Essa raça é tão amada no país inteiro que é tida como patrimônio cultural tradicional. Apresenta orelhas em forma de triângulo e a cauda é bastante curva.

Sua postura de fidelidade é exemplo para todos os cães do mundo – foi até protagonista de filme, “Sempre ao seu lado”, com Richard Gere.

Não tem língua completamente azul, mas a maioria dos indivíduos tem grandes manchas azul-arroxeadas.

Cocker Spaniel

Cachorro da língua azul: Cocker Spaniel Inglês
Cachorro da língua azul: Cocker Spaniel Inglês

Assim como acontece com o Akita, a língua do Cocker Spaniel também não é de todo azulada, mas manchada agradável e lindamente com manchas quase roxas. No Brasil, a raça é bastante difundida e admirada.

A raça sofreu uma infinidade de alterações genéticas a partir de experiências de fecundação. Isso criou variedade enorme de sub-raças.

Pastor australiano

Cachorro da língua azul: Pastor Australiano.
Cachorro da língua azul: Pastor Australiano.

O Pastor Australiano é também conhecido como “Aussie”. Apesar do nome, é oriundo de criadores americanos. Na Austrália, foi usado nas pastagens e desenvolveu características apropriadas para essa atividade.

Também não tem a língua azul na totalidade, mas as manchas encontradas na maioria dos elementos são simpáticas.

Dálmatas

Cachorro da língua azul: Dálmata.
Cachorro da língua azul: Dálmata.

Considerado cães de porte bonito e elegante, os Dálmatas são mais conhecidos pelas manchas no corpo todo e não na língua. Porém, esta também mostra pigmentação azulada em boa quantidade de indivíduos. Sua origem não é efetivamente registrada. Diz-se ter origem na antiga Iugoslávia, hoje território croata.

Newfoundlands

Cachorro da língua azul: Newfoundland ou Terra Nova.
Cachorro da língua azul: Newfoundland ou Terra Nova.

Em Português livre, é simplesmente Terra Nova. Sua origem é a ilha canadense Newfoundland, onde aborígenes domaram um tipo de cão chamado grande cão urso há mais de mil anos. Aquela raça foi mesclada com outras quando comerciantes europeus chegaram à ilha com seus animais do Velho Mundo.

Mini-pei

Esses pequenos serezinhos são brincalhões porque estão sempre felizes por algum motivo. São também muito carinhosos. Além da língua azulada, o que o caracteriza em relação ao comportamento é seu instinto de defesa familiar.

Thai Ridgeback

Cachorro da língua azul: Thai Ridgeback
Cachorro da língua azul: Thai Ridgeback

É raça com agilidade incrível e resistência admirável. É senhor dos territórios que ocupa, por isso é firme e decidido – há registros de ter participado de contendas terríveis. Isso é transparente no próprio visual.

Assim, consequentemente, é necessário que o proprietário seja ainda mais firme e autoritário a fim de que ele compreenda que é submisso. Entretanto, são calmos, tranquilos.

Portanto, quando você ouvir falar em cachorro da língua azul, não se espante. Eles existem. E aos montes. Diga pra gente se isso causou surpresa em você. Diga isso no campo de comentários abaixo.